Como solucionamos problemas na DogHero?

Nosso processo permitiu transformarmos dados em idéias implementáveis, identificarmos novas oportunidades e ganharmos velocidade na criação de novas soluções.

Felipe Borges
May 17 · 9 min read

A essência do design é a capacidade de entender um problema ou oportunidade e buscar alternativas inovadoras que estejam alinhadas às estratégias do negócio e da empresa. Mas como fazemos isso na prática, com um time de design enxuto e Sprints curtas, de 2 semanas?

Não é mais novidade a infinidade de abordagens, metodologias e Frameworks que existem hoje para nos auxiliar e nos guiar na solução de problemas: Design Thinking, Design Sprint, HCD (Human Centered Design), Lean, etc… Porém, seguir uma metodologia a risca nem sempre traz bons resultados, muitas vezes precisamos adaptar e até mesclar essas metodologias para que elas trabalhem a nosso favor, e foi essa a solução que encontramos aqui na DogHero.

Depois de 4 anos de vida, 18 mil anfitriões e passeadores no Brasil, México e Argentina e mais de 800 mil cachorros cadastrados na plataforma, dá pra imaginar a infinidade de pesquisas e Features que já criamos. Ou seja, já testamos muitos Frameworks por aqui e já resolvemos muitos problemas com eles!

Gabriela Beloto e Preta, anfitriãs em São Paulo, elas já hospedaram + de 15 cachorrinhos pela DogHero

Durante este percurso, estruturamos e moldamos um processo que se encaixa muito bem na forma como trabalhamos. Ele nos ajudou a ganhar mais agilidade e assertividade, mas claro, não é uma solução final e sim uma metodologia que pode ser modificada conforme enfrentamos novos problemas, afinal, vivemos em uma era digital onde processos de inovação disruptiva, Big Data e inteligência artificial, são cada vez mais frequentes.

Design Thinking + HCD

Basicamente, mesclamos duas grandes abordagens e as adaptamos para nossa realidade: O Design Thinking, já muito difundido atualmente e o HCD (Human Centered Design) - um processo usado por décadas para criar novas soluções para empresas multinacionais, e que fornece um "kit" de ferramentas capaz de abordar problemas diversos.

Dessa forma, criamos um método onde é possível ouvir as necessidades dos usuários, criar idéias inovadoras para atender a essas necessidades e implementar soluções alinhadas às estratégias do negócio e da DogHero.

Nosso modelo consiste em simplificar e dividir o Design Thinking (originalmente organizado em 4 etapas: Discover, Define, Develop e Deliver) em 3 momentos principais: Dive, Craft e Deliver.

Nosso processo

Dive

Durante a fase “Dive”, coletamos histórias e nos inspiramos nas pessoas. Organizamos e conduzimos pesquisas, entrevistas e outras técnicas para mergulhar no problema. É o momento de divergir.

Craft

Na fase “Craft”, trabalhamos em equipe para traduzir em estruturas, oportunidades, soluções e protótipos o que ouvimos dos usuários e outros personagens. Ou seja, projetamos soluções por meio de ideação e processos co-criativos de experimentação. Em um primeiro momento, enquanto estamos compilando todos os aprendizados da fase "Dive", convergimos para logo depois divergir novamente, quando começamos a criar soluções e possibilidades.

Deliver

Testamos as soluções com nossos usuários para obter feedbacks e entender se o resultado final resolve seus problemas. Repetimos este processo, refinando e melhorando até que a solução esteja pronta para ser lançada. Ou seja, esse é o momento onde testamos, analisamos e entregamos o que é importante para o usuário final, mais uma vez, é o momento de convergir.


É importante dizer que todas as soluções que encontramos no final desse processo não passa apenas pela lente do usuário. Devemos examinar nossas
soluções através das lentes da praticabilidade e da viabilidade. Esses são pilares fundamentais do Human Centered Design (HCD).

Portanto, as soluções que nascem na DogHero devem estar contidas na zona de intersecção dessas três lentes. Precisam ser desejáveis, praticáveis e viáveis.

Kit de ferramentas

Passamos então a pensar em ferramentas que nos auxiliassem a evoluir pelas 3 fases do nosso processo de design, com objetivo de montar um kit robusto e multi-disciplinar.

Mas por que um kit de ferramentas? Porque todos podem ser especialistas, basta conhecermos as técnicas e métodos que dão voz às pessoas e que permite sermos orientados a criação e implementação das nossas soluções. Além disso, um kit de ferramentas nos permite flexibilidade, podemos escolher quais as técnicas funcionam melhor para determinado contexto e situação.

Kit 01 - Dive

Projetar soluções inovadoras e relevantes, que atendam às necessidades das pessoas, começa com o entendimento de suas necessidades, expectativas e aspirações. Este kit nos dá ferramentas sobre como abordar as pessoas em seus próprios contextos para entender em profundidade os seus problemas, conhecer outros Players e também analisar números relevantes do problema em questão.

  • Matriz CSD:
    É uma matriz para elencar pontos de atenção do projeto facilitando definir onde se concentrar ou no que focar. Consiste em criar três colunas principais onde o time anota suas certezas em uma coluna, suas suposições em outra coluna e suas dúvidas em uma terceira coluna.
  • Desk research:
    É uma forma de levantamento de dados já disponíveis para consulta.
    Esse tipo de pesquisa pode ser feito de diversas formas, consultando e coletando dados existentes em fontes diversas.
  • Benchmarking:
    Processo de pesquisa que nos permite comparar produtos, práticas, serviços ou metodologias usadas por outros players (do mesmo segmento ou não).
  • Análise de concorrência:
    Uma análise de Players do mesmo segmento.
  • User profiles:
    É uma representação de um tipo específico de usuário. Usamos sempre que precisamos responder: “Para quem estamos projetando?” Dessa forma alinhamos a estratégia e as metas a grupos de usuários específicos.
  • Entrevistas com usuários:
    Pesquisa qualitativa para entendermos "porque", "como" e outros fatores subjetivos. Geralmente, feito com um número pequeno de usuários.
Dinâmica realizada com anfitriões de Belo Horizonte
  • Saída de campo:
    Trata-se de ir até onde o usuário está, mais especificamente onde a tarefa está sendo realizada, para entender mais sobre como as pessoas se comportam naquele contexto.
  • Pesquisa quantitativa:
    Quando queremos descobrir “quantos”. Sempre englobamos um grande número de usuários e colhemos dados numéricos da opinião deles.
  • Definição de hipóteses:
    Processo onde definimos possíveis "verdades", "dúvidas"ou "soluções", baseadas em nossas observações iniciais, identificação e solução de um possível problema. É extremamente importante para chegarmos ao próximo passo: a validação ou não destas hipóteses.
  • Entrevistas com Stakeholders:
    Pesquisa com a parte "interessada” ou seja, aqueles indivíduos que exercem grande influência no desenvolvimento e aprovação do projeto.
  • Observação etnográfica:
    A intenção é nos aproximarmos das pessoas em seus ambientes comuns: casa, trabalho, família, atividades de lazer, etc. Dessa forma fica mais fácil criar a empatia necessária.
  • Análise de métricas:
    Analisamos números para entender os principais problemas de uma Feature ou produto e também para mensurar se os objetivos são possíveis de serem atingidos com eficiência.

Kit 02 - Craft

Para transformar o que aprendemos na primeira fase (Dive) em soluções, é preciso passar por um processo intermediário de síntese e interpretação. Ou seja, compartilhamos o que aprendemos com a equipe, compilamos dados e identificamos oportunidades. Geramos muitas idéias, (algumas mantemos e outras descartamos) depois transformamos essas ideias em algo concreto, construindo protótipos para desenhar a experiência do usuário.

  • Value proposition:
    Como entregamos, comunicamos e orientamos o usuário a enxergar valor em uma solução. Uma proposta de valor pode ser criada usando o Value Proposition Canvas e auxilia em diferentes níveis: uma organização, produtos ou serviços.
  • KPIs (Key Performance Indicators):
    Ferramenta de gestão para verificar o nível de desempenho ou de sucesso de uma meta específica ou geral, Feature ou produto.
  • Roadmap:
    Ferramenta visual e descritiva para organizar como será o produto ou projeto e sua evolução. Ajuda a alinhar os Stakeholders sobre o processo de evolução e quais variáveis envolvem esse caminho.
  • Service blueprint:
    Excelente ferramenta para mapear o estado atual da experiência. Pode ser usado também como uma forma de ilustração visual de onde estão os Pain Points e oportunidades da Features, serviço ou produto.
  • Personas:
    Uma representação semi-fictícia criada com o objetivo de definir em uma “pessoa” características específicas do usuário em questão.
  • Jornada do usuário:
    Representação gráfica do relacionamento do cliente com um produto ou serviço em todas as suas etapas, desde antes da compra até depois de seu uso.
  • Fluxo do usuário (User Flow):
    Mapa do fluxo de telas de determinada Feature. Permite alinharmos os caminhos e ações que o usuário pode fazer junto com os membros do time.
  • Brainstorming:
    Reunião em grupo para debatermos sobre soluções de um problema. Buscamos por abordagens inovadoras, fora da caixa, por isso quantidade de ideias, flexibilidade e liberdade para expor qualquer Insight são fundamentais.
  • Card sorting/Dot-voting:
    Técnica em que se usam Post-its para organizar e agrupar conteúdo similar. Pode ser usado junto com Dot-voting, onde os participantes votam com adesivos de pontos ou marcas com uma caneta marcadora.
  • Sketches:
    Desenho a mão livre para esboçar ideias iniciais de uma solução, tela ou página.
  • Wireframes:
    Uma versão primitiva do visual de uma interface. É um desenho básico, como um esqueleto, que demonstra de forma direta a arquitetura da página.
  • UI / UI interativa (protótipos):
    Versão em alta fidelidade de uma solução final (telas do app, páginas de um site), pode ser navegável e é ideal para testar o fluxo com usuários por exemplo.

Kit 03 - Deliver

Testamos as soluções com nossos usuários (protótipos navegáveis ou a solução final) para obter feedbacks e entender se o resultado resolve seus problemas. Repetimos este processo, refinando e melhorando até que a solução esteja pronta para ser lançada.

  • Teste de usabilidade remoto:
    Através de vídeo conferência, interagimos com usuário para entender como eles navegam por uma nova solução que desenvolvemos.
  • Teste de usabilidade online:
    Utilizamos uma ferramenta on-line para testes de usabilidade onde criamos tarefas e enviamos para uma grande base de usuários. Neste modelo não existe mediação. Muito interessante para quando temos pouco tempo ou queremos alcançar muitas pessoas.
  • Teste de usabilidade presencial:
    Teste tradicional, onde recrutamos e interagimos com os usuários de forma presencial. Ótimo para uma análise mais profunda de comportamento e usabilidade.
Teste de usabilidade presencial na DogHero
  • Teste A/B:
    Excelente ferramenta porque oferece Feedback real do usuário, mensurado com precisão e com base em dados, não em achismos. Basicamente são testes que realizam comparações entre variáveis de uma mesma solução (Landing Page por exemplo), com o objetivo de definir qual variável tem a melhor conversão.
  • Análise de métricas:
    Depois que lançamos uma Feature, é muito importante acompanhar seu desempenho. Por isso, analisamos números para entender e mensurar se os objetivos estão sendo alcançados.
  • Análise de navegação:
    Muito importante para entendermos como o usuário navega pelo nosso site ou app. Com essa metodologia podemos identificar possíveis problemas de usabilidade ou de conteúdo. Aqui, essa análise é feita com o auxílio do HotJar, que grava a tela do usuário e também produz Heatmaps precisos.
  • Handoff:
    Aqui é a fase de refinamento da UI e preparação do arquivo para os desenvolvedores (usamos o Zeplin). Importante lembrar que nessa fase devemos estar 100% alinhados com TI, para que não haja surpresas no desenvolvimento. Por isso, todo material auxiliar é válido: protótipos navegáveis, fluxos, etc.

Processo continuo de melhoria

Este processo não termina ao final da terceira fase (Deliver), na realidade ele é cíclico. Nós analisamos o desempenho da Feature e continuamos iterando sobre ela, mesmo depois de lançada. Alias, nós só estouramos o Champagne aqui na DogHero quando movemos o negócio para frente e não quando entregamos uma funcionalidade.

Além disso, esse é um processo que funciona muito bem para nossa realidade, mas ele pode ser mutável. Ou seja, a partir do momento que ele não fizer mais sentido, pode ser mudado e adaptado. O importante é encontrar uma metodologia que faça sentido para o time de design, para a empresa e que se encaixe na metodologia de trabalho de todos!


Obrigado pela leitura!

E aí, gostou do texto? Adoraríamos saber sua opinião sobre o que foi escrito por aqui. Deixe seu comentário e siga a DogHero no Medium para acompanhar as próximas publicações! 🐶

Gostaria de trabalhar com a gente? Confira nossas vagas abertas.

DogHero Brasil

Espaço para compartilharmos cultura, dicas e aprendizados da DogHero!

Felipe Borges

Written by

Product Designer (UX/UI) at @DogHero

DogHero Brasil

Espaço para compartilharmos cultura, dicas e aprendizados da DogHero!

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade