3º Desafio Caminho do Mar — 2014

Prova de escalada da Estrada Caminhos do Mar SP-148 ocorreu no dia 31 de agosto de 2014

Foto: Daniel Souza Lima

A estrada Caminhos do Mar foi a primeira rodovia pavimentada com concreto na América Latina e foi fechada para veículos em 1985, onde desde então virou um parque aberto a visitações para passeios a pé. A circulação de bicicletas, porém, sempre foi controlado por questões de segurança.

Em 2014 pude participar da terceira edição do Desafio Caminho do Mar, prova ciclística com largada em Cubatão e que percorreu os 7 quilômetros do trecho de subida até o Pouso Paranapiacaba, oportunidade única de transitar por esta belíssima estrada.

Carros da organização. Foto: LIESP

A prova foi organizada pela LIESP — Liga de ciclismo do litoral do Estado de São Paulo, era válida para o Campeonato Metropolitano de Montanha da Liga Santista de Ciclismo 2014, mas contou com número reduzido de participantes graças a combinação do alto valor de inscrição cobrado na época (100 reais valor promocional, 120 reais valor normal), baixa quilometragem do percurso (custo X benefício) e também pela logística da largada em Cubatão, sendo necessário o transporte das bicicletas por carro até lá.

A prova

O acesso para a estrada e local de largada foi pela portaria do Parque Caminhos do Mar em Cubatão, com várias vagas para estacionar o carro e onde fizemos o aquecimento para a prova.

Portaria do parque em Cubatão. Foto: LIESP

Largada às 9 horas, no pontilhão da Raiz da Serra e a partir daí é uma subida ininterrupta de 7 quilômetros e com gradiente médio e bem constante de 9%, que só aumenta em algumas curvas fechadas do percurso.

Pontilhão da Raiz da Serra

Segmento:
https://www.strava.com/segments/8033503

Sem grandes oscilações no gradiente, o negócio é encaixar um ritmo forte mas sustentável e ir devorando o concreto, enquanto cruzamos por diversas ruínas e construções históricas (Belvedere circular, calçada do Lorena, Rancho da Maioridade), inúmeras cachoeiras e a vista belíssima da serra.

Rancho da Maioridade. Foto: LIESP

Consegui acompanhar os ponteiros até o primeiro terço da prova, onde tínhamos o grupo ainda compacto. Mas a partir daí o grupo foi ficando mais espalhado, com todos aparentemente administrando o ritmo de subida e evitando apertar demais para quebrar.

Pouso Paranapiacaba. Foto: LIESP

Encaixei com mais dois ciclistas e seguimos assim até a linha de chegada, cada um na sua categoria e sem disputa direta por posições. No quilômetro final o gradiente alivia e a subida fica mais rápida e fácil. A cem metros do final, um sprint para animar a chegada ao avistar o Pouso Paranapiacaba, e fim!

Chegada. Foto: LIESP

Resultado: 5º lugar na geral e 1º na categoria Máster C (40 a 44 anos), valeu o esforço!

No caixote número 1. Foto: LIESP

Resultados completos aqui.

Troféu e medalha de participação. Foto: acervo pessoal

Pós-prova

Após a chegada de todos os competidores e a cerimônia de premiação que ocorreu no Pouso Paranapiacaba, a descida da serra até a portaria em Cubatão foi feita em comboio, com os carros da organização controlando a velocidade de descida.

Pós-prova no Pouso Paranapiacaba. Foto: LIESP

É uma descida longa e com curvas bem fechadas pelo caminho, realmente se este trecho fosse aberto para o uso dos ciclistas, acidentes seriam bem frequentes por lá. Um amigo que estava comigo teve o pneu furado pelo calor da roda, gerado pelo atrito dos freios.

É uma pena que este trecho desafiador e belíssimo não é acessível para treinos e provas, pois não ocorreram novas edições após 2014. Na ocasião, os organizadores comentaram do preço altíssimo para a liberação da pista.

Uma prova mais longa, que utilizasse o trecho da estrada Caminhos do Mar além do Pouso Paranapiacaba, indo até o Clube da GM por exemplo, seria um formato mais ideal para esta prova.

Mas, ficamos na torcida para que ocorram novos eventos esportivos nesta estrada única e bela, num futuro não muito distante…

Artigo originalmente escrito para o site 700c.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.