Educar, instruir ou ensinar ?

Certa vez enquanto ouvia atentamente a um orador abordar eloquentemente a diferença entre educar, instruir e ensinar pensei que talves pudesse analisar o mesmo exemplo na perspectiva empresarial e como resultado observei que a maioria dos profissionais tem algo em comum, a busca pela felicidade, entenda-se, realização pessoal e profissional, então porquê não compreender o que frustra tais ambições de um modo diferente.

Dentro da empresa as pessoas são acostumadas a ter uma postura coesa de formas a evitar tropeços involuntários, todavia há alguns pressupostos que devem fazer parte do individuo independentemente de onde estiver. Antes de continuar gostaria de fazer recurso a etimologia para perceber a origem e a aplicabilidade das palavras que deram origem a estes escritos:

Educar — De acordo ao dicionário Pribeberan quer dizer, adquirir os dotes físicos, morais e intelectuais que dá a educação, vem do Latim Educare, que quer dizer instruir e também criar, essa palavra é composta por Ex “fora”, e “ducere, guiar, conduzir, liderar”. Parece que se tinha ideia de que conduzir alguém ao mundo através da instrução era como levar uma pessoa para fora de si mesma, mostrar o que existe além dela (Origemdapalavra.com.br).

Instruir — Fornecer ou obter informações ou esclarecimentos, ensinar a fazer algo (Dicionário Priberan). Vem do Latim Instruere, “equipar”, “fornecer informação”, formado por in “em” mais struere, “amontoar, empilhar, reunir, criar, erguer” (Origemdapalavra.com.br).
Ensinar — significa indicar, dar lições (Dicionário Priberan). Vem do Latim insignare, de in “com” e signature “marcar, assinalar, apontar indicar (Origemdapalavra.com.br).

Após suscinta pesquisa etimológica é possível ver a semelhança das três palavras, entretanto sua visível distinção permite constatar que cada uma delas tem uma aplicação apropriada, gostaria de começar análisar da última para primeira explicação.

Nota-se que ensinar está ligado a alguém que aponta a direcção certa para determinado objectivo, mostra o caminho, como um instrutor a um instruendo e esta explanação remete-me a nobre figura do professor.

Contudo, ensinar na práctica pode ser definida como introduzir ensinamentos a um individuo ou grupos destes. Por outro lado instruir está relacionado a uma actividade extrinseca e possivelmente rotineira, com intuito de obter os resultados esperados por terceiros, e por ser inerentemente de fora para dentro, nem sempre o produto final de um instruendo é apreciável, diga-se abertamente pode ser algo feito sem brio, isto é, sem amor.

Por conseguinte, educar é a extensão de ensinar mas desta vez não é o educador mas sim o educando quem entra em cena, pois absorve toda informação recebida, interpreta-a e adequa ao seu perfil, a palavra por si só, denota o que vem de dentro para fora, sendo tal resultado duradouro.

Nas empresas existem pessoas de origens, credos, convicções e interesses dessemelhantes o que faz com que haja uma diversidade intelectual tamanha e potencialmente proveitosa quando bem explorada, todavia nem sempre é assim encarado o ambiente laboral, logo, o que poderia ser o caminho para o sucesso passa a ser para o retrocesso com surgimento de males entendidos, bem como dissabores desnecessários.

É cada vez mais comum que funcionários sejam aconselhados a se adaptarem a envolvente em que estão inseridos e não é díficil notar que instruir seja a palavra de ordem em muitos sectores porque pode não comprometer quem o faça, uma vez que poderá cumprir mera formalidade na passagem de conhecimento, pois num mundo cada vez mais competitivo e globalizado deter informação técnica sobre determinado assunto ainda confere poder. Não é necessário genialidade para saber que esse poder desperta alguns medos dos quais passo a mencionar:

· Medo de perder o destaque;

· Medo de perder a posição, cargo ou função;

· Medo de perder o respeito, quiça admiração (se é que se pode conquistar admiração através da subida hierárquica de funções dentro de uma empresa).

Pensa-se, em muitos casos que na melhor das hipoteses instruir é a palavra mais aplicável a realidade empresarial, mas só acontece a todos quanto a auto-confiança não é o resultado diário de suas conquistas e o medo não é um prudente nivelador mas sim um mestre, e também àqueles que se submetem a seus encantos no limite, permitindo que atitudes não correctas sejam tidas como aceitáveis para justificar suas acções.

A paciência, o espirito de equipa e o altruismo vão fazendo cada vez menos parte não apenas do vocabulário mas também da vida prática de muitos profissionais que tomados pela ansiedade permanente não conseguem apreciar a novidade do novo e a beleza no ensinar e como atalaias defendem-se até mesmo da própria sombra.

Lembro-me de ter conversado com um colega experiente, em vias de ser reformado que com destreza ensinava-me sobre as actividades diárias da área, alertar-me sempre de que nos mais novos, incluindo eu, estava a garantia de que após sua retirada não ouviria que não mais existe a companhia que trabalhara por longos e arduos anos e que faça parte da estatística de empresas fálidas. Embora poucos se dêm conta, a passagem de conhecimento assegura muitos empreendimentos e empregos, consequentemente acredito que a continuidade do negócio de uma empresa depende em grande medida da qualidade da comunicação efectiva existente em todos os níveis da organização.

Não se pode pensar que numa era tão dinamizada pelas tecnologias de informação, redes sociais e aparatos tecnólogicos que trazem o distante para perto e o perto para mais perto, transformando o enorme planeta terra numa aldeia física e virtual, seja possível ocultar dados genéricos para torná-los exclusivos e impedir que os colegas ou interessados tenham acesso directo, de certo que existem vários mecanismos para aceder conteúdos que despertem a curiosidade de quem quer que seja.

Melhor é partilhar para somar e integrar para crescer, ainda que pareça lúdico conquista-se mais quando o colectivo funciona como tal e não quando individualmente procura-se conquistar o colectivo.

Sobremaneira, é preciso ensinar para gerar educação, instruir para canalisar informação.

By Aldo Silva

https://www.linkedin.com/in/aldo-silva-9090185b/

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Edson Diogo’s story.