Adrien Lodoux

Autenticidade imersa.

Carta para Ciça Domingues.

Querida Ciça,

Eu não lembrava quem eu era.

Por muito tempo eu fui escondendo, perdendo, afundando a minha essência para vestir as máscaras que supostamente fariam eu me sentir parte.

Mas eu acordei.

Estou acordando a cada dia que olho no espelho e reconheço minha feição, sinto paz no peito e o sol brilhando mais forte.

Eu abraço cada pedaço novo que surge, cada reconhecimento com um sorriso que nasce do coração, cada emoção que brota no olhar do outro quando eu sou eu mesma.

Eu lembrei.

Lembrei que sou feita de cor e movimento, que a bagunça faz parte, que a alegria ingênua também. Que o sentir mais profundo só pode brotar quando eu permito sem importar o que os outros acham.

Eu vivo.

Vivo a presença de estar ancorada com minhas escolhas, vivo a verdade que estava guardadinha com medo dos comentários alheios, vivo a espiritualidade, o autoconhecimento, o sentir, o mover.

Eu vivo a arte.

Queria muito ter uma máquina do tempo para remover cada crença que inseri nesta cabeça dizendo o que podia ou não podia ser feito. Queria ter ouvido melhor meu coração, ter acreditado no meu potencial e ter feito o que sempre quis fazer.

Mas tudo é perfeito como é.

Nada, nadica é por acaso.

E só estou aqui, voltando para casa, porque dei esta oportunidade a mim mesma e encontrei as pessoas certas.

Você se sente em casa com você mesma?

Sente seu corpo vibrar de tanta felicidade ao olhar o redor e saber que sim, esta é a sua missão?

Sem nomes, sem caixinhas, sem razão, peço que sinta seu corpo neste exato momento e lhe pergunte se está no caminho.

O meu sonho é que todas as pessoas possam sentir isto que estou sentindo agora. Esta vibração leve que direciona e diz que sim, esta é a minha trajetória.

Por falar em pessoas certas, você foi uma delas.

Para chegar onde estou hoje tive a benção de ter sido impulsionada nas minhas decisões.

Gente que ensinou a quietar, a falar com calma, a olhar com gratidão e a administrar minha intensidade.

O seu trabalho vai além do dinheiro e suas entradas e saídas, estamos falando de entrega e recebimento de energia. Estamos falando de trocas conscientes.

Você vem com sua delicadeza e mostra como perceber pequenos buracos onde a fonte está sendo perdida.

Se olharmos com mais carinho ao dinheiro percebemos muito sobre nós mesmos. Onde investimos, onde ignoramos, onde nutrimos.

Afinal, o que recebemos em forma de matéria foi fruto de muita dedicação, tempo e entrega. Ao ignorarmos esta fonte provedora estamos consequentemente virando as costas para o nosso valor pessoal.

E foi você quem me ensinou tudo isso.

Sinto-me eternamente grata por ter entrado em contato com este pedaço que estava bloqueado. Eu sempre acreditei ser uma negação com os números e hoje vejo que só precisava fazer as pazes com eles, e obviamente, comigo mesma.

Acredite que seu trabalho é especial e profundo. Quando nos responsabilizamos pela prosperidade que possuímos estamos mais próximos de ser quem somos.

Mais um fragmento conectado nesta viagem que é despertar para a verdade interior.

Desejo que você alcance milhares de pessoas com sua obra. Que a consciência seja uma direção, o amor seu acompanhante e a alegria uma pitada de vigor para esta mistura tão linda.

Com carinho,

Elisa.