A criação das praias.

Carta para Fernanda Gracek.

Querida Fernanda,

Você conseguiria imaginar como Deus criou as praias?

Colocar cada grão de areia, um por um, lado a lado transformando naquela sensação gostosa que entrelaça nossos pés.

E o mar então? A perfeição de seu som, seu movimento contínuo e infinito que ora move com carinho e ora move com grandeza, chacoalhando as estribeiras.

Então ele pensou na decoração detalhista inserindo as conchas em suas diversas formas e cores que harmonizam todo o entorno e nos presenteiam, pois podemos levar um pedacinho do paraíso conosco.

Ao ver sua grande Obra vestiu sua borda com matas verdes, convidou pequenos pássaros para cantar, os siris para dançar e o sol para iluminar esta celebração.

As praias são grandes presentes que nos nutrem, revigoram, conectam com a beleza de estar presente e observar. Banham com seu mar sagrado, nos contagiam por tanta riqueza de detalhes.

A brisa completa os sentidos levando de um lado para o outro as energias para que nada se estabilize nada fique estático. Tudo em um completo movimento de ir e vir, assim como a vida é.

Encontre seu caminho de volta para casa através dela, contemple seu coração e a dádiva de estar aqui e agora, aproveitando a sabedoria divina.

Seu caminhar seguro, seu olhar sincero, seu coração aberto estão em perfeita sintonia. Abra seus braços, olhe mais longe e sonhe alto.

Deseje uma vida serena, deseje estar ao lado de pessoas que te amem, deseje agradecer a tudo que recebe através de seu trabalho, entregando o bem a todos que vierem a seu encontro.

Nada é por acaso. São as sincronicidades somadas ao livre arbítrio que guiam nossas trilhas. Aceite seu presente e o receba com grande sabedoria. Nada está errado, tudo é como é.

A perfeição está nas minúcias e nas intenções de cada partícula.

Que o amor te acompanhe que a vida seja branda e que a abundância seja alcançada. Acredite na sua verdade, ela é a sua maior companheira.

Com amor,

Elisa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.