Seguindo o chamado

6 de dezembro de 2016

Há um ano eu começava a trabalhar numa assessoria de imprensa depois de anos como freelancer. Voltar a frequentar um escritório me fez bem, tanto para ter uma rotina saudável quanto para refletir sobre como Deus queria usar minha profissão e meus dons. Era lá? Outro lugar? Foi uma jornada e tanto até este último ano em que a decisão tomou corpo. Agora me preparo para voltar a outro escritório, o da Aliança Bíblica Universitária do Brasil, com a certeza de saber qual é o chamado e cumpri-lo.

Chamados a depender

Uma das ex-atrizes da peça “Experimento Marcos” me escreveu, cheia de carinho: “Imagino que não deva ser muito confortável contar com pelo menos 100 apoios mensalmente”. Ela identificou um dos maiores desafios dessa mudança.

Equipe do Experimento Marcos em Salvador (BA)

Em setembro fiz minha última viagem como voluntária pela peça (daqui pra frente, será trabalho) por quatro cidades no Nordeste. Fiquei totalmente dependente da hospedagem dos outros. Mesmo quando tudo parecia dar errado, Deus resolvia.

Dependência é parte do processo de responder ao chamado. Depois que voltei, passei os últimos meses buscando minha equipe de apoiadores em oração e sustento, essenciais para que eu comece minha jornada como Assessora de Comunicação e Arte. Vou depender deste time todo mês, e a princípio não é confortável mesmo. Mas é o lugar mais confortável do mundo quando aprendemos que não se trata de depender das orações, doações ou teto de outros. Mas de Deus.

E assim começo minha jornada como obreira no ministério estudantil: aprendendo a depender em Deus e a me alegrar quando ele chama cada um de vocês a participar deste processo, assim como me chamou. Seja em oração, doação ou outras formas e lugares, todos juntos fomos chamados por ele e dele dependemos para cumprir estes chamados.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.