Mostra Cinema Negro: Re-costuras e afetos

Programação completa

Gabriel Araújo
Oct 24 · 4 min read
Cena do filme “Sem Asas”, de Renata Martins. Divulgação

Durante o mês de novembro, o espaço do Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto, Belo Horizonte) receberá a mostra gratuita “Cinema Negro: re-costuras e afetos”, curada e organizada pelo projeto Enquadro.

O evento, realizado em todas as segundas-feiras do mês da consciência negra, integra a programação do projeto Segunda Tem Cinema e está associada ao Festival de Arte Negra (FAN), um dos maiores do gênero no Brasil.

As sessões começarão às 19h e serão comentadas por pesquisadores do cinema negro e por cineastas e atores dos próprios filmes em exibição.

Acesse a programação completa abaixo:


Sessões Re-costuras

  • 04/11:

Pitanga (2016), de Camila Pitanga e Beto Brant — 113’

Com direção de Beto Brant e Camila Pitanga, PITANGA é um filme-documentário de longa-metragem que investiga o percurso estético, político e existencial do ator Antonio Pitanga que, dirigido por grandes cineastas — como Glauber Rocha, Cacá Diegues e Walter Lima Jr. –, foi destaque em alguns dos momentos de maior inquietação artística do cinema brasileiro.

Sessão com comentários de Amanda Lira e Gabriel Araújo, jornalistas e fundadores do projeto Enquadro.

Cena do filme “Pitanga”, de Camila Pitanga e Beto Brant. Divulgação

  • 11/11:

Travessia (2017), de Safira Moreira — 5’

Utilizando uma linguagem poética, Travessia parte da busca pela memória fotográfica das famílias negras e assume uma postura crítica e afirmativa diante da quase ausência e da estigmatização da representação do negro.

Favela em Diáspora (2017), de Gabriela Matos — 22’

Em meio a uma desapropriação o que fica? Memórias, de um povo que está à margem do asfalto. Moradores do Morro do Papagaio relatam através de suas vivências como o processo de migração compulsória realizado por um projeto da prefeitura, provoca uma ruptura em suas histórias.

Noir Blue (2017), de Ana Pi — 27’

No continente africano, Ana Pi se reconecta às suas origens através do gesto coreográfico, engajando-se num experimento espaço-temporal que une o movimento tradicional ao contemporâneo. Em uma dança de fertilidade e de cura, a pele negra sob o véu azul se integra ao espaço, reencenando formas e cores que evocam a ancestralidade, o pertencimento, a resistência e o sentimento de liberdade. (Siomara Faria)

NEGRUM3 (2019), de Diego Paulino — 22’

Entre melanina e planetas longínquos, NEGRUM3 propõe um mergulho na caminhada de jovens negros da cidade de São Paulo. Um ensaio sobre negritude, viadagem e aspirações espaciais dos filhos da diáspora.

Sessão com comentários de Tatiana Carvalho Costa, professora do curso de cinema e audiovisual da UNA e Gabriela Matos, diretora do filme “Favela em Diáspora”. Mediação: Gabriel Araújo

Cena do filme “Negrume”, de Diego Paulino. Divulgação

Sessões “Afetos”

  • 18/11:

Café com canela (2017), de Glenda Nicácio e Ary Rosa — 102’

Violeta e Margarida, nomes que não se referem apenas a flores, mas revelam duas mulheres comuns, dessas que encontramos pelas ruas do Recôncavo em bicicletas, em quartos, lidando com as adversidades do dia a dia ou com as amarguras do passado, com reencontros e transformações. Margarida vive em São Félix, isolada pela dor da perda do filho. Violeta segue a vida em Cachoeira, entre adversidades do dia a dia e traumas do passado. Quando Violeta reencontra Margarida, inicia­-se um processo de transformação, marcado por visitas, faxinas e cafés com canela, capazes de despertar novos amigos e antigos amores.

Sessão com comentários de Fábio Rodrigues Filho, mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFMG. Mediação: Amanda Lira e Gabriel Araújo


  • 25/11:
Cena do filme “Looping”, de Maick Hannder. Divulgação

Sem asas (2019), de Renata Martins — 19’

Zu é um garoto negro de 12 anos. Ele vai à mercearia comprar farinha de trigo para a sua mãe e, na volta, descobre que pode voar.

Sophia (2013), de Kennel Rógis — 14’

Na busca por entender melhor o universo de Sophia, Joana, mãe dedicada, passa por belíssimas experiências sensoriais.

Looping (2019), de Maick Hannder — 11’

Vi um garoto atravessando a rua hoje.

Quintal (2015), de André Novais Oliveira — 20’

Mais um dia na vida de um casal de idosos da periferia.

*Sessão com comentários de Norberto Novais Oliveira, protagonista do filme “Quintal”, e Arthur Arantes, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFMG. Mediação: Amanda Lira

Gabriel Araújo

Written by

Abaeté na capoeira . Jornalista formado pela UFMG. Sonhador que encontra nos frames dos filmes motivo para divagação.

Enquadro

Enquadro

o cinema negro em retratos jornalísticos

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade