I am holding on to U #01

Então, cá estou novamente. aberta a qualquer coisa que venha a me acontecer. aberta a qualquer interação. suscetível a alteração. suscetível ao novo, e com toda certeza exposta e contaminada com o velho. apenas, suscetível.

Quando passaste por mim, um rombo causaste. rombo do qual é possível se recuperar, possível superar, mas impossível esquecer. apagar, zerar, modificar, designificar. o que eu queria no momento, designificar. causou impacto. causou reação, isso é bom não é?! significa que sou, sinto, vivo.

Ultimamente, apesar de estímulos que recebo e dou, não sinto impacto algum. sou um ser que gosta de socializar. e mesmo assim inútil em suceder tal tarefa. pequenos estímulos do cotidiano parecem me engatilhar ao fracasso. são cheiros, gestos, gírias e conhecidos que me lembram de ti. e mais uma vez, eu fracasso.

É um fracasso não intencional. acredite, eu me forço a seguir em frente. mas eu me autossaboto por baixo de minha roupa, é uma autossabotagem escondida no miocárdio.

Fracasso após fracasso, deixo boas almas escorrerem pelos meus dedos. pessoas com potencial de me acrescentar em algo.

Pessoas que poderiam estar dispostas à mim. mas aquele impacto que você me causa, não há outro igual. mas as suas palavras desfalcadas de afeto e jogadas numa ordem pensada, calculada tão minuciosamente não foram suficientes pra secar lágrima alguma. nem tão pouco substituir esse nosso acidente que uma vez habitou meu corpo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.