O brilho dos seus olhos

Respiro e sinto de um jeito ameno

Seu corpo contra o meu corpo

Um abraço sereno

Tão pequeno quanto impossível

Uma notícia triste e comum afasta você de um sonho

Mas é um sonho substituível

Eu te consolo no meio da praça

Você me beija o rosto, me abraça

Um rio gelado molha nossos pés e o sol impiedoso queima nossas cabeças

Elas ardem como o inferno e o céu

Temos a mesma idade, mas há tanta juventude nos seus lábios que sinto medo de ficar velho

Também sinto que se apertar um pouco mais esse abraço nos tornaremos a mesma pessoa

Mas não podemos

A pequena morte de um sonho pequeno

Não quero empurrá-la na sua goela

Não quero fazer o mal desse jogo egoísta medíocre

Aperto você mais um pouco

E lembro do bico do seu peito escapando do sutiã naquela praia cheia de pedras e caminhos estreitos

Como você anda rápido

Não consigo te acompanhar

Enrole mais um cigarro desses para me acalmar

Meu maço acabou e outro está no hotel

Deixamos demorar o abraço porque é gostoso

Eu quero te apertar mais, mas sei que não devo

A medida está justa para você continuar aqui e não escapulir

Dança eufórica em uma praia com corações desertos e deseja voar

É uma fêmea no cio e chama a atenção de todos os machos

Penso em matar todos eles para te ver nua e chupar seus peitos

Você se afasta porque me vê explodindo e beija minha testa

Descanso outra vez em seus olhos indecisos

Eles não sabem em que direção apontar

São olhos frenéticos que olham para os meus, de um lado para outro

Incessantemente, assim como olha para o fundo de todos os outros

Olhos desesperados

Eles perseguem sua beleza porque estão ocos, assim como eu

Você se afasta e voa como um saco vazio, parada no ar por poucos milésimos

Isso me traz um ciúme sem sentido

Respiro novamente e você retorna, sedutora

Deveria, não deveria nada

Perco a cabeça e agarro você na escada do quarto

Mas você escapa como uma nuvem

Aperto sua cintura novamente e você me empurra

Pede desculpas

Foi tudo um mal entendido

Coitado, você pensa: vou colocá-lo como recheio desse pastel e depois comê-lo porque estou com fome, tenho fome de tudo e quero comer o mundo!

Enquanto você devaneia, eu rasgo o pastel e escapo do óleo quente

Algumas gotas pipocam e queimam minha pele

Estou pequenino e o mundo todo é tão grande que dá preguiça de conquistar

Sentamos no chão da praça e você me coloca na palma da sua mão

Vejo seus olhos e desta vez eles estão parados, fixos em algum lugar

Talvez você esteja impressionada com o fato de eu estar tão pequeno

O brilho dos seus olhos me ofusca a visão e já não sei onde estou

Há apenas uma música no fundo, uma música de festa

Devo estar sonhando mais uma vez

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.