Da série “Besteiras que já fiz” — 2

Continuando a série “Besteiras que já fiz”, hoje vou contar com quase me meti numa briga, que eu mesmo provoquei.

Lá pelos idos dos anos 90, acredito que em 91 ou 92, eu estava com 14–15 anos (época perfeita pra se fazer merda, eu sei), lembro que nessa época meus primos vieram morar na mesma cidade que eu morava e, acredito que seja um dos meus maiores problemas, sempre fui muito ligado a família.

Por causa desse meu apego à família, quase me meti numa briga que, com toda certeza, eu teria apanhado muito, e merecidamente.

Ora, num domingo a tarde eu estava na varanda da minha casa lendo (um vício que mantenho até hoje), quando passou um conhecido e disse que meu primo mais velho havia apanhado de um cara que era mais velho que a gente, e bem mais forte do que meu primo ou eu.

Eu deveria ter ficado quieto no meu canto, continuado a ler o meu livro, mas não, peguei uma carona com esse conhecido até o local onde estava o meu primo que estava com a cara toda vermelha e chorando de raiva. Sei lá que merda me passou na cabeça, o que eu fiz? Fui atrás de encontrar o cara e fui direto provocando o cara, xingando e outras coisas mais. Para minha sorte, o cara estava de cabeça fria, a turma do deixa disso já se meteu no meio, levou cada um pra um canto, me acendeu um facho de lucidez e vi a merda que eu estava fazendo e ficou por isso mesmo.

Sempre tive uma personalidade pacifista, e sempre evitei de meter em encrenca, só que nesse da eu não sei o que houve para eu me meter numa confusão que não era minha, e na qual eu iria apanhar muito, e merecidamente, já que eu comecei provocando.

Quanto ao meu primo, o filho da mãe não deu a menor importância ao fato e hoje, mais de 20 anos depois, acredito que ele nem lembre mais disso.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Alessandro Zamboti’s story.