Quem tem cu, tem medo

A carta que um paciente escreveu para sua médica após cirurgia de hemorróidas

Ptolomeu, em 150 a.C., falava que a Terra era o centro do universo e que tudo girava em torno dela. Foram precisos cerca de 1.400 anos para essa teoria ser rebatida por Nicolau Copérnico provando para a humanidade que o sol era o centro.

Eu, simplesmente eu, descobrí em apenas três dias após 56 anos que ambos estavam redondamente enganados.

O centro do universo é o cu. Isso mesmo, o cu.

Operei das hemorróidas em caráter de urgência há algumas semanas atrás.
No domingo à noite, o que eu achava ser um singelo peidinho quase me virou do avesso.
“É difícil, mas vamos ver se reverte” — falou o médico. Reverteu merda nenhuma. Era mais fácil o Lula dizer que sabia do mensalão do que aquela lazarenta bolinha dar o toque de recolher.

Foram quase duas horas de cirurgia e confesso: não sentí nadica de nada, nem se me enrabaram durante a minha letargia.
Dois dias de hospital, passei bem, embora tenham tentado me afogar com tanto soro que me aplicaram. Recebí alta e fui repousar em casa.

Passados os efeitos anestésicos e analgésicos, vem a primeira vez.
Puta que pariu! Parece que você tá cagando um croquete de figo da Índia, casca de abacaxi, concha de ostra e arame farpado. É um auto flagelo!
Parece que você tá cagando uma briga de cinco gatos! Sai arranhando tudo!

Dói tanto que você não imagina que uma coisinha tão pequena com um nome tão reduzido — cu — possa doer tanto. O tamanho da dor não é proporcional ao tamanho do nome. Neste caso, deveria chamar Dobrovski, Tegucigalpa ou Nabucodonosor!

Passam pela cabeça soluções mágicas: 
Usar o ventilador — só se for daqueles túneis aerodinâmicos. 
Gelo — só se fosse escorregar pelado na encosta do Monte Everest.
Esguichinho d’água — tem que ser igual ao chafariz da praça matriz, que é uma névoa seguida de jatos alternados.

Descobrí também que somos descendentes diretos do bugio…anda como um macaco e com o cu vermelho.

Para melhorar as idas à privada, recomendaram dieta a base de fibras…Mas parece que comí cinco vassouras piaçava, um tapete de sisal e sete metros de corda!

Agora sei o sentido daquela frase: Quem tem cu, tem medo.

Hoje eu estou bem, não preciso ficar pensando pra peidar. O cu ficou afinado em ré menor, uma beleza.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Eduardo Drakonis’s story.