Libido da antemanhã

Nós estamos na cama, mas só ele está dormindo. Sem camisa e de peito pra cima, como sempre. Seu corpo musculoso contrai e expande compassado com sua respiração. Que corpo. Que homem. Mesmo depois de anos, eu ainda tenho longas fantasias com aqueles músculos.

Quase instintivamente, eu estendo minha mão e toco seu peitoral. Maciço, grande, escultural. Aliso sem pressa, pensando em como eu adorava senti-lo durante um abraço forte. Devagar, vou descendo pro abdômen. Delicioso de ver e de tocar. Definido, mas ainda macio. Deslizo meu dedo entre os vincos de cada um daqueles gominhos.

Ele repousa os braços ao lado da cabeça e os bíceps se destacam. Grandes e másculos. Aperto levemente. Como eu adoro pegar neles. Como eu adoro ser abraçado por eles. Como eu adoro mordê-los enquanto sou penetrado.

Depois, seguro uma de suas as mãos. Perfeitamente grandes. Delicadas, que seguram meu rosto durante um beijo de carinho, e ao mesmo tempo dominantes, que agarram e estapeiam minha bunda enquanto eu rebolo, bem safado.

Me ajoelho na cama e puxo o edredom pro lado. Ele tem o sono pesado, não vai acordar. Quero sentir suas pernas. Torneadas, largas, definidas. Aliso as duas coxas com as minhas duas mãos, para cima e para baixo. O corpo desse homem parecia ter sido esculpido pelo mais safado dos escultores.

Mas agora é a hora da minha parte favorita. Pelo shorts pequeno eu conseguia ver a protuberância. Pouso minha mão sobre ela e começo a apalpar bem devagar. Meu corpo logo reage àquela sensação. Com cuidado, puxo o shorts pra baixo. E através da cueca boxer branca eu consigo ver: aconchegado, estava lá o pau que tanto me satisfazia por trás. Cada centímetro de comprimento e de espessura, cada veia grossa, cada uma de suas bolas atraem o meu toque.

Mas, de repente, ele se mexe e se acomoda em outra posição. Tudo o que eu quero é acordá-lo e pedir pra ele me foder com força, mas meu bom senso me adverte. Ele dormiu cansado e iria ter de acordar daqui a algumas horas. Devagar, coloco seu shorts de volta e puxo o edredom novamente sobre nós. Ele volta do trabalho amanhã à tarde e só então vou poder liberar todo esse tesão que acumulei. Tomara que ele esteja disposto, pois vou pedir pra ele foder com muita, muita, muita força.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.