A internet no Brasil — Pesquisa do IBOPE

No fim do ano passado a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) divulgou a Pesquisa Brasileira de Mídia — 2015 (PBM) realizada pelo IBOPE. Foram mais de 18 mil respostas sobre os hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Separei, nesse post, os dados que considerei mais relevantes. No fim dele, você encontra o link para acessar o relatório na íntegra.

48% dos brasileiros acessam a internet

E desse número, 37% acessam-na todos os dias. O número cresce exponencialmente, mas revela que mais da metade da população brasileira (51%) ainda está desconectada. Um dado um pouco assustador, né?

As outras mídias dividem espaço com a web

Os usuários da internet revelaram que ficam conectados em média 4h59 por dia (de segunda a sexta, aos finais de semana a média cai para 4h24). Um número similar ao tempo que passam assistindo TV e/ou ouvindo rádio. Isso mostra que eles estão fazendo mais de uma coisa ao mesmo tempo e estão se conectando à web enquanto assistem a outras mídias.

O que define a frequência e o tempo que passam na internet?

Renda e escolaridade criam um hiato digital entre quem é um cidadão conectado e quem não é.

Entre os entrevistados cuja a renda familiar mensal era de até um salário mínimo (R$724) apenas 20% utilizam a internet uma vez por semana. Dos que possuíam renda familiar superior a cinco salários mínimos (R$3.620 ou mais) esse percentual sobe para 76%. Dos que tinham ensino superior, 87% disseram que acessam a internet pelo menos uma vez por semana. Apenas 8% dos que estudaram até a 4ª série fazem isso com a mesma frequência.

Para qual fim os brasileiros usam a internet?

Nessa pergunta, os entrevistados poderiam escolher até três opções. O estudo mostrou que 67% dos brasileiros usam a internet como forma de entretenimento, 38% usam para passar o tempo livre e 24% usam para estudar e aprender.

Principais gargalos para uso da internet entre os brasileiros

  • Falta de interesse em utilizar — 43%
  • Falta de habilidade para lidar com as ferramentas — 41% (afeta os mais velhos e menos escolarizados).
  • Falta de necessidade — 24%
  • Custos com computadores e planos de internet — 14% (afeta os mais pobres)

Principais programas e aplicativos utilizados pelos brasileiros

  • Facebook — 83%
  • Whatsapp — 58%
  • Youtube — 17%
  • Instagram — 12%
  • Google+ — 8%
  • Twitter — 5%

Principais dispositivos que os brasileiros usam para acessar a internet

  • Computador — 71%
  • Celular — 66%
  • Tablets — 7%

Conclusão:

O uso da internet é uma realidade e não para de crescer. As possibilidades são amplas. Enquanto alguns podem ver esse estudo de maneira negativa — “poxa, mais da metade da população brasileira não acessa a internet…” — eu vejo de maneira otimista.

Digo mais: quem trabalha com marketing digital pode enxergar nesses dados um mundo de oportunidades. A internet é um caminho sem volta. O número de pessoas que tem acesso a ela só cresce e eu imagino que isso vá continuar assim e cada vez mais.

Outro ponto importante: a desigualdade social interfere diretamente no número de pessoas que se conectam a internet. Tanto no acesso em si, quanto no tempo que essas pessoas passam navegando por lá. Ou seja, quando mais educação, mais internet. A utilização ou não da internet é um dos fatores que mostram o estado da saúde social de um país.

Mark Zuckerberg já está dando seus pulos para promover a democratização da web nos países pobres (veja aqui). E a tendência é essa. Que o acesso seja cada vez mais democratizado e incentivado. O motivo é simples: o poder de compra também está nas mãos das pessoas que ainda não são íntimas da internet. E se esse poder ainda não está nas mãos delas, estará. Desde que elas sejam educadas para isso. Informações sobre os hábitos de vida e de consumo dos indivíduos valem ouro para as grandes empresas da web como o Facebook e Google.

Mais uma observação: a quantidade de brasileiros que usam a internet para entretenimento é enorme. E é nesse tempo — de entretenimento e tempo livre — que há espaço de sobra para falar com eles. Seja através de anúncios, seja através da produção de conteúdos,aplicativos, jogos e plataformas que lhes interesse.

E você? Quer fazer algum comentário sobre as informações divulgadas aqui, ou sobre outra? Fique à vontade e deixe sua opinião nos comentários.

A pesquisa completa você vê aqui.

Até a próxima!


Originally published at freelacomunicacao.com.br on July 8, 2015.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Rute Faria’s story.