O mercado de m-health

O terceiro post da série Estratégia Mobile se refere à saúde mobile, conhecida como setor m-health. Serão compartilhados dados importantes sobre o setor, com o objetivo de mostrar seu rápido crescimento e Apps relevantes para o segmento.

Setor Mobile

Em 2014, 51,4 milhões de unidades de smartphones, notebook e tablets foram vendidas no Brasil. Além do grande volume de vendas, o usuário brasileiro passa em média 84 minutos por dia usando seu equipamento, além de checar seus eletrônicos a cada 8 minutos e meio. O mercado de aplicativos cresce a cada ano e somente em 2014, a indústria de aplicativos brasileira movimentou cerca de US$ 1,5 bilhões. O país é o 11° mais lucrativo do mundo.

No mundo, de acordo com a International Data Corporation (IDC), as vendas de smartphones e tablets vão continuar crescendo e poderão atingir US$ 484 bilhões até o final de 2015.

Uma pesquisa realizada pelo SEBRAE mostrou que as buscas mais frequentes pelos usuários são: entretenimento e artes (15%), notícias (12%), conhecimentos gerais (10%), compras (7%), alimentos (7%), tecnologia (6%) e cuidados com a saúde (6%). Em relação a saúde e bem estar, até 2017, o mercado de aplicativos voltados para este assunto crescerá 61% e poderá gerar uma receita de US$26 bilhões no mundo.

Cenário m-health

Em primeiro lugar, entende-se por e-health o setor que consiste em melhorar o fluxo de informações, através de meios eletrônicos para melhorar a prestação de serviços e a coordenação dos sistemas de saúde. M-health é entendido como a capacidade emergente e convergente de aplicações e colaboração multimídia em dispositivos móveis.

O mercado de saúde no Brasil possui um crescimento de 15% ao ano. O país é considerado o maior mercado da América Latina e possui US$24 bilhões para serem investidos em medical advices e US$ 1 bilhão em e-health.

Segundo o estudo “Touching Lives through mobile health: Assessment of the Global Market Opportunity”, até 2017 o mercado m-health gerará uma receita mundial de US$ 23 bilhões. O Brasil deverá representar 45% do mercado da América Latina.

O estudo traz mais informações sobre o mercado da América Latina: 60% das soluções em m-Health são voltadas para o fortalecimento do sistema de saúde e aplicações para armazenamento e recuperação de registros de pacientes, aliado ao suporte à decisão de profissionais, como tratamentos e dosagens corretas.

Oportunidades

Segundo estudo do SEBRAE, o m-health é uma grande oportunidade de mercado, e se subdivide-se nas seguintes categorias:

  • Bem-estar: são aplicativos com informações e dicas. Dispositivos para monitoramento de práticas esportivas. Serviços interativos com especialistas na área de saúde.
  • Prevenção: são aplicativos para informações e dicas sobre prevenção. Serviços SMS. Desenvolvimento de hardwares para processamento de biomedidas.
  • Diagnóstico: são aplicativos para consultas interativas. Controle de saúde, como nível de glicose. Diagnóstico e rastreamento de doenças em tempo de doenças em tempo real. Vídeo chamadas com especialistas.
  • Tratamento: são aplicativos para lembretes de remédios. Acompanhamento de exames e consultas. Indicações de tratamentos. Primeiros Socorros. Interação on-line com especialistas. Sistemas que permitem ao paciente monitorar sua doença.
  • Monitoramento: são aplicativos para alertas. Dispositivos para monitoramento do corpo. Portais on-line de atendimento. Integração com werables devices para monitoramento e identificação de possíveis doenças.
  • Emergência: são rastreadores para monitoramento das funções vitais. Consulta interativa. Soluções para sistema de ambulância e setores de emergência em hospitais.
  • Suporte: sistemas para informações médicas, diagnósticos, disponibilização de exames e informações médicas. Sistema de suporte para decisões médicas. Sistemas integrados de histórico dos pacientes.
  • Vigilância: sistemas para coleta de dados, pesquisas de campo e suporte de relatórios. Soluções pata agentes de saúdes. Controles de epidemias.
  • Administração: sistemas para gestão de consultório. Gestão de consultas e histórico de pacientes. Gestão de materiais em hospitais e consultórios. Dispositivos para auxiliar políticas públicas de combate a doenças.

Apps do setor

Conheça alguns aplicativos do setor de m-health:

Conclusão

O setor m-health apresenta números expressivos e diversas possibilidades para inovação. Com frameworks voltados para a saúde, como o Apple HealthKit e Google Fit, a tendência é que Apps voltados para a saúde e bem estar se popularizem nos smartphones, alavancando ainda mais o potencial do setor.

Portanto, se você busca empreender na área de saúde, é vital para seu negócio considerar o m-health como um assunto estratégico, pois é a oportunidade de impactar positivamente a vida de milhões de usuários de smartphones e sobretudo fazer parte de um setor que ainda está em fase de amadurecimento, mas com números de setor consolidado.

Fontes

http://www.sebrae2014.com.br/Sebrae/Sebrae%202014/Boletins/2014_05_20_BO_Marco_TIC_M-Health_pdf.pdf

http://www.mdmbrazil.com.br/pt/imprensa/releases/291-pesquisa-inedita-revela-disparidade-entre-tamanho-e-capacidade-de-inovacao-do-mercado-brasileiro-de-medical-devices

Like what you read? Give Syligo a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.