Fandom: PRETTYMUCH e o fã clube ascendente

Reprodução: Simon Harris

Através de um fã clube da boyband PRETTYMUCH, ainda em ascensão na indústria fonográfica, faremos uma observação etnográfica digital, já que os fandoms se reúnem e socializam, majoritariamente, pelas redes sociais. Nosso objeto de estudo será o grupo “PRETTYMUCH BRASIL (Oficial)”, que possui mais de 1.300 membros no Facebook e cerca de 140 pessoas no Whatsapp. Sendo assim, as duas plataformas seriam utilizadas de forma conjunta com o intuito de aprofundar a análise etnográfica e criar relações sobre como as mesmas pessoas se comportam em cada uma delas. Além disso, como eles possuem apenas duas músicas lançadas e pouco material disponível, a ideia do projeto é entender como esses grupos de fãs se constroem e se consolidam através das redes sociais. Através da teoria sobre etnografia digital, editado por Heather A. Horst e Daniel Miller, Digital Anthropology, vamos considerar aspectos como: são sempre as mesmas pessoas que publicam mais regularmente? Que tipo de conteúdo gera mais engajamento entre eles? Como funciona a dinâmica entre eles (os moderadores têm uma figura de organização)? Há muita diferença no conteúdo compartilhado dependendo da plataforma (Whatsapp ou Facebook)?


O projeto ETNOdigital engloba este e outros temas, desbravando as culturas digitais através da etnografia. Siga o blog e mantenha-se atualizado sobre nossas experiências e descobertas.

Esse texto foi feito por uma possível girlband (ou não): Clara Biondi, Marina Filippo e Isadora Assis.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.