Jão — Facebook.

Eu vou morrer sozinho

Seção “meus discos e livros e nada mais”, mas sem livros. Indico umas músicas, não indico outras.

Pra que apenas sofrer por amor se a gente pode sofrer dançando e gritando AI, MEUS DEUS, EU VOU MORRER SOZINHO SE EU CONTINUAR NESSE CAMINHO.

A música mais ouvida do primeiro álbum do Jão é um hino para quem nunca acha um amor que dá certo.

Ela funciona justamente por isso, não é pouca a lista de amores não correspondidos por aí. E as pessoas que não se deixam amar? We know that feel, Jão!

Eu sempre acabo me ferrando em relacionamentos e, de vez em quando, a nossa melhor válvula de escape é tomar um porre, sair por aí sem rumo e passar uns dias sofrendo até melhorar. As letras têm muito de mim e das situações que já passei na vida — Jão — Achei na Wikipédia.

O clipe é bem isso, sair para beber e sofrer um pouco. E para completar a “diversão” destruir a felicidade de casaizinhos felizes. Invadir um casamento (spoiler mesmo!) me lembrou Panic at The Disco em I Write Sins Not Tragedies, só que sem intrigas e mais punk.

Acho muito massa quem consegue fazer músicas sadboy pop ou, como diz o compositor, sofrência pop. É o trunfo desse moleque de 23 anos que tem uma singularidade invejável (pra mim, no caso, que também canto e produzo minhas músicas e curto o estilo haha). O que parecer ser um sax e a parte em que o Jão canta mais grave me trouxeram a lembrança de Claudinho e Buchecha. Modernidade com nostalgia.

O álbum — Lobos

O álbum tem 10 faixas e fala de experiências pessoais do artista. O objetivo foi expressar a introspecção na infância, frustrações amorosas, sofrimentos guardados que o tornaram uma pessoa melhor. O título significa ser livre para ser quem é e quer ser. “O lobo tem uma reputação ruim e ao mesmo tempo conquista coisas grandes”. Na entrega do trabalho fãs disseram que ele não é um lobo solitário, eles são sua matilha.

Se você nunca ouviu nada do Jão, nem os covers, eu defino pela mistura de pop com sertanejo, referências reconhecíveis, mas com uma sonoridade “alternativa”. No lançamento isso vem das batidas eletrônicas, ganchos, coros, efeitos vocais e da voz dele, que é bem característica. Em Lobos ele prometeu não falar de coisas boas, mas em Me Beija Com Raiva, Lindo Demais e Imaturo não é bem assim. São letras de amor.

As faixas que acho mais interessantes são: A Rua, por me trazer algo místico (assim como em Monstros — Agora eu corro com meus lobos.
Danço ao redor do fogo
) e um coro sensacional inspirado nas lavadeiras do Nordeste e Lobos pelo espírito livre e jovem.

Aqui é o único feat do álbum, com Diogo Piçarra, um português da mesma gravadora que está tentando conquistar o público brasileiro tendo feito parceria com Anavitória e agora Jão (na minha opinião combinou melhor).

Eu Quero Ser Como Você e Ainda Te Amo não são ruins, apenas menos poderosas.

Pela segunda vez vejo um álbum em que as canções parecem completar uma história sequencial, como num filme, por conta das letras. O trabalho no geral é singular, acessível e gostoso de ouvir. As músicas do Jão não só reforçam a sofrência, te pacificam. Dá uma chance pro moço e ouça. Me identifiquei e os detalhes tem me inspirado no rumo do meu primeiro álbum também.

That’s all folks!