A Eucaristia reúne o povo

Belém recebe católicos para o 17º Congresso Eucarístico Nacional, que tem a Amazônia como local de comunhão e partilha missionária

Foto de Eliseu Dias_Agência Pará

Uma procissão eucarística fluvial partirá de Manaus (AM), no dia 9 de agosto. Percorrerá o Rio Amazonas, com ribeirinhos, pescadores, indígenas, gente simples a espreitar, a adorar a Santa Eucaristia. Ao som da natureza, das preces e dos louvores, percorrerão cerca de 1.650 quilômetros, atravessando as dioceses e prelazias de Itacoatiara (AM), Parintins (AM), Óbidos (PA), Santarém (PA), Gurupá (PA) e Ponta de Pedras (PA) até chegar a Belém (PA), na Casa do Povo, no dia 17.

Nesta data, cerca de 10 mil católicos estarão à espera daquele barco com o Santíssimo Sacramento, para dar continuidade ao 17º Congresso Eucarístico Nacional (CEN), que terá como tema Eucaristia e Partilha na Amazônia Missionária. A abertura do congresso acontece no dia 15, no Estádio Olímpico Estadual Jornalista Edgar Augusto Proença, conhecido popularmente como Mangueirão, na capital paraense.

Foto de Sidney Oliveira_Agência Pará

É a manifestação pública da valorização, do respeito, do amor à Eucaristia, que foi iniciada na Igreja no século 19, na França. No Brasil, o primeiro Congresso Eucarístico aconteceu em 1933, em Salvador (BA). Daí em diante foram realizados vários congressos, mas a novidade deste último pode ser notada no fato de que pela primeira vez a realidade da Amazônia está em sua centralidade, embora Belém já tivesse sediado o evento em 1953.

“Queremos que o nosso Congresso Eucarístico ajude as pessoas a entenderem que a partir da Eucaristia nós aprendemos a partilhar, a sair de nós mesmos, e assim o Brasil vai nos conhecer como quem recebe e como quem doa de si mesmo”, explica o arcebispo de Belém, dom Alberto Taveira Corrêa.

Voluntários — Até o fechamento desta edição, mais de 3 mil inscritos estavam confirmados, participantes de todo o Brasil. “São leigos, religiosos e sacerdotes. Há cerca de 50 mil intenções de inscrições, ou seja, pessoas que acessaram a área de inscrição e não finalizaram. Com relação aos bispos, já chegamos em 200”, revelou Alan Monteiro da Silva, da coordenação do CEN.

“Sabemos que à medida que o evento se aproxima teremos mais inscrições efetivas, sobretudo na semana que o antecede e nos próprios dias do congresso”, lembrou Monteiro, destacando que diversos contatos das dioceses do interior do Pará e região estão mobilizando caravanas para participar do evento. “Só a Diocese de Castanhal (PA) está se mobilizando para trazer 100 ônibus para participar das principais missas no Estádio do Mangueirão.”

E, para acolher todo esse povo, o CEN conta com um batalhão de voluntários para os trabalhos durante o evento e para a acolhida solidária, que tem 65 paróquias como pontos de logística, chegando a 5 mil leitos.

“A hospedagem solidária estende-se a todos os que vierem, padres, diáconos, religiosos e leigos. Para os bispos, haverá acolhimento em casas religiosas, de retiro e nas casas paroquiais, de acordo com o interesse de cada um”, explica padre Carlos Augusto da Silva, responsável pela Pastoral do Turismo da Arquidiocese de Belém e membro da Comissão da Hospedagem Solidária.

Foto de Marcello Casal Jr._Agência Pará

“Desejamos que a partir do CEN as pessoas tenham maior participação na Eucaristia, no fortalecimento da vida paroquial, nas equipes de liturgia e em tudo aquilo que diz respeito à vida da Igreja, e que sejam fiéis anunciadores da Palavra e cumpram o mandamento de levar o Evangelho a todas as criaturas”, apontou Monteiro.

Para a realização do evento, a coordenação revela que a Arquidiocese de Belém conta com apoio e patrocínio do estado, do município de Belém e de empresas locais, sem, contudo, falar em cifras. Aponta que há o envolvimento de pessoas simples e de bom coração. “O nosso congresso está sendo realizado à base da ‘viúva pobre’, pois são muitas as pessoas que ajudam com o que podem”, avalia o arcebispo de Belém.

Todas as paróquias da Arquidiocese oferecem uma coleta por mês, em uma das missas de domingo, e a destinam ao congresso.

Estudos — O 17º Congresso Eucarístico Nacional propõe durante sua programação um simpósio teológico que abordará o Mistério Eucarístico a partir de quatro ângulos teológicos diferentes e complementares sobre as abordagens litúrgico-celebrativa, bíblico-teológica, moral e canonística.

Para o arcebispo local, dom Alberto, o congresso eucarístico é uma oportunidade especial para a Igreja que o organiza, no caso para a Arquidiocese de Belém. “Há uma preparação de seis anos, desde 2010. Assim que cheguei à Arquidiocese de Belém, iniciamos a preparação. Realizamos atividades missionárias, fizemos um ano eucarístico, todas as paróquias fizeram semanas eucarísticas missionárias. Tivemos uma intensa atividade formativa nas paróquias, nas regiões pastorais, nas próprias pastorais, nos movimentos eclesiais, então é uma verdadeira missão que se realiza na Arquidiocese”, diz o bispo.

Dentro da programação ainda estão previstas jornadas pastorais, exposição de artesacra e artesanato, shows com o padre Reginaldo Manzotti, missas em diversos locais, incluindo o povo em situação de rua, e caminhada para o Portal da Amazônia nas igrejas do entorno do centro de Belém.

O congresso também será espaço de comemoração pelos 400 anos de fundação da cidade, e suas maravilhas naturais e culturais estão lá para receber o povo fiel que peregrina até a Amazônia para manifestar seu amor à Eucaristia.


Reportagem publicada na Revista Família Cristã, edição de julho — 2016