O livro Uma breve história da humanidade repousa numa mesa ao lado de um chimarrão.
O livro Uma breve história da humanidade repousa numa mesa ao lado de um chimarrão.
Capa do livro Sapiens — Uma breve história da humanidade. Foto: Lucas Wasem

Resenha #2 | Sapiens — Uma breve história da humanidade

Lucas Wasem
Sep 15 · 3 min read

Como chegamos ao que somos hoje? Como a nossa espécie evoluiu de maneira a estarmos hoje lendo este texto, compreendendo o que está escrito, em um aparelho construído por nós e conectado a algo que não enxergamos? O livro Sapiens — Uma breve história da humanidade tenta responder a essas questões.

Sapiens, escrito por Yuval Noah Harari e publicado no Brasil em 2015 pela L&PM, é organizado em quatro grandes partes — revolução cognitiva; revolução agrícola; a unificação da humanidade; e revolução científica — que, juntas, somam 450 páginas que tentam de alguma forma explicar toda a evolução humana dos últimos 70 mil anos.

A primeira grande parte do livro explica o momento inicial no qual nos diferenciamos dos outros animais, quando tivemos a nossa primeira revolução, a cognitiva. Mutações genéticas acidentais transformaram o nosso cérebro, melhorando a nossa capacidade de comunicação. Esta nova habilidade possibilitou comunicar o que vemos e o que pensamos, facilitando a criação de laços sociais, o que acabou fortalecendo a espécie. No entanto, essa união primitiva dos sapiens também causou a maior extinção de espécies da história, como a do mamute, a mais conhecida delas.

Ao criar uma cultura e se organizar em grupos maiores, os sapiens começaram a domesticar animais e plantas, selecionando-os e alterando-os geneticamente. Isto criou uma relação que pouco a pouco se tornou terrível para o ser humano, que ajustou sua vida em torno dos ciclos de plantio e colheita — um trabalho pesado que necessitava da força humana — , gerando um boom demográfico que piorou as condições de vida, destruindo a riqueza e a variedade nutricional da dieta clássica do caçador coletor. Nesta etapa, com o crescimento populacional e com a necessidade de organizar dados de plantações e de pessoas, foi dado mais um enorme passo da humanidade: a invenção da escrita.

Com pequenos grupos assentados em locais definidos e férteis, safras boas de alimentos criaram o estoque, suscetível a roubos e guerras. Com isso, uma organização local se fez necessária, e laços que unificaram grupos em torno de alguns fatores, como segurança, foram criados — houve, então, a formação de exércitos, visando à proteção das riquezas locais. Assim, formou-se uma casta política e administrativa que até hoje é estruturada de maneira parecida e que unificou moeda, religião e costumes de locais cada vez maiores. Ou seja, ocorreu a unificação da humanidade.

Com essa unificação, as consolidações dos impérios se tornaram possíveis — o que nos leva à última parte do livro, a atual na cronologia da humanidade: a Revolução Científica. A relativa estabilidade gerada pelos grandes impérios acabou criando sociedades que buscavam o conhecimento, com objetivos políticos, religiosos e hegemônicos, despejando recursos que transformaram completamente a humanidade nos últimos 500 anos. A grande descoberta da ciência foi a descoberta da ignorância. Após esta constatação, a velocidade das revoluções (industrial, francesa, tecnológica) só acelerou. Estas, por sua vez, estão levando a sociedade a algum lugar. E qual seria? Harari se debruça a tentar responder ao longo do capítulo.

Harari foi absurdamente feliz ao escrever Sapiens, apresentando diversos assuntos profundos e complexos, bem como histórias interessantes, criando elos e ensinando ao leitor sobre a história da humanidade. Muitos dos fatos descritos no livro são de conhecimento comum, porém a grande sacada do escritor é criar ligações, utilizando o bom humor e a sagacidade ao descrevê-las, tornando o livro fácil de ler e o turbilhão de informações jogadas a cada página mais fácil de absorver. O autor não deixa de opinar sobre os assuntos tratados no livro, principalmente na parte final, na qual nos faz refletir sobre o futuro que a humanidade está traçando.

Harari mostra que sabe escrever, não apenas despejar conhecimento no papel. Para quem não é adepto da leitura, Sapiens talvez seja a melhor opção para se iniciar no mundo dos livros de história. Como foi descrito pelo Financial Times: “Este livro fascinante não pode ser resumido; você simplesmente terá de lê-lo.”

Yuval Noah Harari é doutor em História pela Universidade de Oxford, especialista em História Mundial e professor na Universidade Hebraica de Jerusalém. Sapiens foi lançado originalmente em 2011, em Israel, e se tornou o maior sucesso do autor, que também assina outras obras, como Homo Deus e 21 Lições para o Século XXI.

Feature

Feature é uma publicação de conteúdo jornalístico com…

Lucas Wasem

Written by

Gaúcho, formado em Ciências da Comunicação na Universidade do Algarve. Apaixonado por viagens, livros, séries e política.

Feature

Feature

Feature é uma publicação de conteúdo jornalístico com reportagens especiais sobre cultura, cidadania, saúde, literatura e assuntos internacionais.

Lucas Wasem

Written by

Gaúcho, formado em Ciências da Comunicação na Universidade do Algarve. Apaixonado por viagens, livros, séries e política.

Feature

Feature

Feature é uma publicação de conteúdo jornalístico com reportagens especiais sobre cultura, cidadania, saúde, literatura e assuntos internacionais.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch

Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore

Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store