Um indicador principal domina o debate público sobre a saúde ou melhor, da economia, e esse indicador é o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).

Tornou-se familiar que poucas pessoas reconhecem que a criação e medição do PIB assentam em muitas suposições e julgamentos. Estas incluem duas omissões principais: mudanças nos indicadores ambientais; e trabalho doméstico não-remunerado e voluntariado. As mulheres fazem a maior parte desse trabalho não-remunerado (em média, nos países da OCDE, as mulheres fazem cerca de duas vezes mais, 150 minutos por dia a mais, do que os homens em casa). Por não ser medido, geralmente é negligenciado pela política econômica.

Imagem: Relatório OECD 2014, Unpaid Care Work

A omissão do trabalho doméstico e do cuidado (parte da “produção doméstica” na linguagem técnica) é tão familiar agora que poucas pessoas percebem que houve um vigoroso debate sobre incluí-la no PIB quando o moderno Sistema de Contas Nacionais de Renda foi criado, na década de 1940.

Em uma história clássica de medição econômica, publicada em 1958, Paul Studenski apontou que, com o tempo, os mercados se desenvolveriam para algumas atividades domésticas — como restaurantes para refeições fora — e que as mulheres se mudariam para a força de trabalho remunerada em tempos de guerra; portanto, “a omissão de serviços não remunerados de donas de casa do cálculo da renda nacional distorce o quadro”. Ele concluiu que, em princípio, o trabalho não-remunerado em casa deveria ser incluído no PIB, mas havia dificuldades práticas em estimar a quantidade de trabalho e sua avaliação. Dado que existem dificuldades práticas em todos os aspectos da coleta de dados para estimar o PIB, é difícil evitar a suspeita de que, no final, isso não era visto como uma questão suficientemente importante, porque “apenas” dizia respeito à mulheres e tarefas domésticas.

The omission of housework and caring (part of “home production” in the technical language) is so familiar now that few people realise there was a vigorous debate about whether or not to include it in GDP when the modern system of national income accounts was created in the 1940s.

Se as mulheres contassem, o PIB seria muito diferente

É desnecessário dizer que as feministas há muito argumentam que (principalmente) o trabalho não-remunerado das mulheres deve fazer parte daquilo que as estatísticas econômicas oficiais medem. Uma das contribuições mais conhecidas foi o livro de Marilyn Waring, de 1988, If Women Counted (Se as mulheres contassem; em tradução literal). Mas a economia mainstream nunca perdeu totalmente de vista a questão.

Em uma alternativa bem conhecida ao PIB, proposta em 1972 por William Nordhaus e James Tobin, a “Medida de Bem-Estar Econômico” (MEW), sua estimativa para a quantidade e valor da “produção não-mercantil” em meados da década de 1960 era equivalente a cerca de 40% da economia de produção econômica convencionalmente medida.

Mais recentemente, estatísticos publicaram estimativas ocasionais. Em um estudo de 2011, a OCDE concluiu que a produção doméstica acrescentaria entre 20% e 50% ao PIB de seus países membros. O Departamento de Análises Econômicas dos EUA disse que teria adicionado 26% ao PIB dos EUA em 2010.

Apesar de que tem havido várias iniciativas para medir e incorporar o trabalho doméstico não-remunerado nas estatísticas para a produção econômica, estas não tiveram muita tração no debate político. Isso pode estar mudando, no entanto, por dois motivos.

As velhas barreiras estão caindo

Uma é que a quantidade de um tipo de trabalho voluntário não-remunerado está aumentando e está claramente fazendo uma contribuição econômica valiosa. Essa é a oferta voluntária de bens digitais gratuitos — e não o conteúdo on-line “gratuito”, de fato pago pela venda de dados pessoais aos anunciantes, mas genuinamente contribuições voluntárias. Isso inclui softwares de código aberto amplamente utilizados, como Linux ou R, iniciativas mantidas por voluntários, como a Wikipedia ou o Ushahidi, e a proliferação de blogs e vídeos interessantes e de entretenimento.

O aumento do voluntariado digital significa que há uma contribuição não mensurável para uma atividade econômica valiosa. Mais importante ainda, isso confunde a fronteira clara entre “casa” e “economia” assumida na definição convencional de PIB. As pessoas que fornecem esse conteúdo on-line podem fazer parte dele como parte de um trabalho remunerado, algumas como hobby; ou eles podem esperar que isso se transforme em trabalho remunerado mais tarde, ou fornecer alguns serviços comercializados usando o conteúdo gratuito como uma vitrine. Em qualquer caso, os antigos limites estão em colapso.

O recente relatório sobre estatísticas econômicas do Reino Unido, de autoria de Sir Charles Bean, apontou que existem várias maneiras pelas quais a economia digital apresenta um desafio para as estatísticas econômicas convencionais, e a questão da “fronteira de produção” está entre elas. É mais que irônico que os homens façam a maior parte dessa atividade voluntária, no mundo tecnológico dominado pelos homens, mas o ímpeto que isso traz para medir todo o trabalho não-remunerado ainda é bem-vindo.

A segunda razão é que as tendências demográficas em muitos países (nem todos eles ricos) significam que a decisão das mulheres sobre trabalhar em casa sem remuneração ou por remuneração é cada vez mais importante para as políticas públicas. Quem vai cuidar da proporção crescente de idosos? Acabaremos trabalhando por mais tempo, em média, e os pesquisadores médicos estão prestando mais atenção à saúde e à vitalidade das pessoas na faixa dos 60 e 70 anos; mas, mesmo assim, o número de pessoas muito idosas que precisam de cuidados aumentará rapidamente.

Quais são as opções de políticas? Pagar mais — seja por meio de impostos para financiar provisão pública ou por provisão privada — para apoiar esses idosos. Invista em capital nacional, como robôs para limpeza ou entregas automatizadas de refeições. Ou se apoie no cuidar não-remunerado de familiares e amigos, a maioria provavelmente feito por mulheres. É preciso haver um debate sobre qual opção ou combinação é desejável — e essa opção deve ser informada pelos dados. Até que o trabalho doméstico não-remunerado seja medido adequadamente, esse importante debate político ocorrerá na ignorância.

Políticas e percepções distorcidas

O renovado interesse em medir a contribuição não-remunerada das mulheres (e dos homens) para a atividade econômica está atrasado — assim como um interesse paralelo em medir a contribuição não-remunerada da natureza para o nosso consumo atual.

Os economistas têm uma alta consideração pelos mercados, não apenas porque eles garantem que os suprimentos de bens e serviços correspondam às demandas em nossas complexas economias globalizadas, mas também porque refletem as próprias preferências e escolhas dos indivíduos. No entanto, o foco de longa data apenas em atividades comercializadas através do PIB distorceu as percepções e políticas.

Como um guia aproximado para aumentos de longo prazo na prosperidade, o crescimento do PIB tem sido um critério razoável; mas é apenas um proxy para o bem-estar econômico. Não há boas razões para continuar a ignorar outros componentes importantes do bem-estar econômico, incluindo o trabalho não-remunerado das mulheres. Alguns países iniciaram a coleta, pelo menos ocasionalmente, dos dados necessários para estimar um PIB com igualdade de oportunidades e as novas tecnologias poderiam facilitar isso.

Chegou a hora de reabrir o debate dos anos 50 sobre como deveríamos definir a economia e garantir que o PIB ou sua substituição conte o trabalho vital que acontece no lar, na comunidade e no mercado.


Texto original publicado em WeForum.org

Feminismo com Classe

Blog de textos autorais e traduções sobre Feminismo Materialista!

Feminismo Com Classe

Written by

Por um feminismo classista e revolucionário!

Feminismo com Classe

Blog de textos autorais e traduções sobre Feminismo Materialista!

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade