Sexualidade como Trabalho, de Silvia Federici

Tradução de texto da autora Silvia Federici sobre sexualidade como um trabalho dentro das relações da sociedade patriarcal capitalista. Texto original em The Commoner.

Silvia Federici. Créditos da Imagem

Sexualidade é a liberação que nos é dada da disciplina do processo de trabalho. É o complemento necessário para a rotina, arregimentação da semana de trabalho. É uma licença para “ficarmos loucos”, para “deixar fluir”, para que possamos voltar mais renovadas na segunda-feira para nossos trabalhos.

O “sábado” é a irrupção do “espontâneo”, o irracional na racionalidade do disciplinamento capitalista da nossa vida. Supõe-se que seja a compensação pelo trabalho e seja ideologicamente vendido como o “outro” do trabalho, um campo de liberdade no qual podemos presumivelmente ser nossos verdadeiros eus, ter a possibilidade de contatos íntimos em um universo de relações sociais onde estamos constantemente forçados a reprimir, protelar, adiar, esconder, até de nós mesmos, o que desejamos.

Sendo esta a promessa, o que realmente conseguimos está bem longe das nossas expectativas. Como não podemos voltar à natureza simplesmente tirando nossas roupas, também não podemos nos tornar “nós mesmos” simplesmente porque é hora de fazer amor. Pouca espontaneidade é possível quando o tempo, as condições e a quantidade de energia disponível para o amor estão fora de nosso controle. Não só depois de uma semana de trabalho nossos corpos e sentimentos estão dormentes e não podemos ativá-los como uma máquina. Mas o que sai quando nos “soltamos” é mais frequentemente a nossa violência reprimida e frustração do que o nosso eu oculto pronto para renascer na cama.

Entre outras coisas, estamos sempre conscientes da falsidade dessa espontaneidade. Não importa o quanto gritemos, suspiremos e quantos exercícios eróticos fizermos na cama, sabemos que é um parêntese e que amanhã estaremos de volta em nossas roupas civilizadas — tomaremos café juntos, preparando-nos para ir trabalhar. Quanto mais sabemos que é um parêntese que o resto do dia ou da semana vai negar, mais difícil se torna transformar-nos em “selvagens” no tempo sexual socialmente sancionado e esquecer todo o resto. Não podemos evitar nos sentirmos pouco à vontade. É o mesmo constrangimento que experimentamos quando nos despimos sabendo que iremos fazer amor, o embaraço da manhã seguinte, quando já estamos ocupados restabelecendo distâncias; o embaraço (finalmente) de fingir ser completamente diferente do que somos durante o resto do dia.

Essa transição é particularmente dolorosa para as mulheres; os homens parecem ser especialistas nisso, possivelmente porque foram submetidos a uma arregimentação mais rígida em seu trabalho. As mulheres sempre se perguntaram como era possível que, após uma demonstração noturna de paixão, ele pudesse se levantar já em um mundo diferente, tão distante às vezes que seria difícil para ela restabelecer até mesmo um contato físico com ele.

Em todo caso, são sempre as mulheres que mais sofrem com o caráter esquizofrênico das relações sexuais, não só porque chegamos ao final do dia com mais trabalho e mais preocupações em nossos ombros, mas porque também temos a responsabilidade de tornar a experiência sexual prazerosa para o homem. É por isso que as mulheres geralmente são menos responsivas sexualmente que os homens. Sexo é trabalho para nós, é um dever. O dever de agradar está tão embutido em nossa sexualidade que aprendemos a ter prazer em dar prazer, em deixar os homens excitados.

Como é esperado que nós forneçamos esse alívio, inevitavelmente nos tornamos o objeto sobre o qual os homens descarregam sua violência reprimida. Somos estupradas, tanto em nossas camas quanto nas ruas, precisamente porque fomos criadas para sermos as provedoras de satisfação sexual, as válvulas de segurança para tudo que dá errado, e os homens sempre foram autorizados a voltar sua raiva contra nós, se não estivermos à altura do papel, especialmente quando nos recusamos a performar.

A compartimentalização é apenas um aspecto da mutilação da nossa sexualidade. A subordinação de nossa sexualidade à reprodução da força de trabalho significou que a heterossexualidade nos foi imposta como o único comportamento sexual aceitável.

Na realidade, toda comunicação genuína tem um componente sexual, pois nossos corpos e emoções são indivisíveis e nos comunicamos em todos os níveis o tempo todo. O contato sexual com mulheres é proibido porque na moralidade burguesa tudo o que é improdutivo é obsceno, antinatural, pervertido. Isso significou a imposição de uma condição esquizofrênica em nós, já que no início de nossas vidas devemos aprender a traçar uma linha entre as pessoas que podemos amar e as pessoas com quem apenas conversamos, aquelas a quem podemos abrir nosso corpo e aquelas a quem só podemos abrir nossas “almas”, nossos amigos e nossos amantes. O resultado é que somos almas incorpóreas para nossas amigas e carne sem alma para nossos amantes do sexo masculino. E essa divisão nos separa não apenas de outras mulheres, mas também de nós mesmas, no sentido do que fazemos ou não aceitamos em nossos corpos e sentimentos — as partes “limpas” que estão lá para a exibição aberta, e as “sujas”, partes “secretas” que só podem ser divulgadas no leito conjugal, no ponto de produção.

A mesma preocupação com a produção exigiu que a sexualidade, especialmente nas mulheres, fosse confinada a certos períodos de nossas vidas. A sexualidade é reprimida em crianças e adolescentes, bem como em mulheres mais velhas. Assim, os anos em que somos autorizados a ser sexualmente ativos são os anos em que somos mais sobrecarregados com o trabalho, de modo que desfrutar de nossos encontros sexuais se torna um feito.

Mas a principal razão pela qual não podemos desfrutar do sexo é que, para as mulheres, o sexo é trabalho; dar prazer faz parte do que se espera de toda mulher. Liberdade sexual não ajuda. Certamente é importante não ser apedrejada até a morte se formos ‘infiéis’ ou se descobrirem que não somos virgens. Mas liberdade sexual significa mais trabalho. No passado, esperavam que criássemos filhos. Agora esperam que façamos um trabalho assalariado, ainda limpemos a casa e tenhamos filhos e, no final de um dia de trabalho duplo, estaremos prontas para pular na cama e ser sexualmente atraentes. E também devemos aproveitar isso, algo que não é esperado da maioria dos empregos já que um desempenho entediado seria um insulto à virilidade masculina, razão pela qual tem havido muitas investigações nos últimos anos sobre quais partes do nosso corpo — se a vagina ou o clitóris — são mais produtivos sexualmente.

Mas seja na sua forma liberalizada ou mais repressiva, nossa sexualidade ainda está sob controle. A lei, a medicina e nossa dependência econômica dos homens garantem que, embora as regras sejam flexibilizadas, a espontaneidade ainda é impossível em nossa vida sexual. A repressão sexual na família é uma função desse controle. Nesse sentido,

pais, irmãos, maridos, cafetões agem como agentes do Estado, supervisionando nosso trabalho sexual, assegurando que ofereçamos serviços sexuais de acordo com as normas de produtividade socialmente sancionadas e estabelecidas.

A dependência econômica é o melhor meio de controle sobre nossa sexualidade. É por isso que o trabalho sexual ainda é uma das principais ocupações das mulheres e a prostituição subjaz em cada encontro sexual. Nestas circunstâncias, não pode haver espontaneidade no sexo para nós, nem o prazer sexual pode ser mais do que uma coisa efêmera para nós.

Por causa da troca envolvida e do dever de dar prazer aos homens, a sexualidade para as mulheres é sempre acompanhada de ansiedade e é a parte do trabalho doméstico mais responsável pelo ódio a si mesma. Além disso, a comercialização do corpo feminino torna impossível para nós nos sentirmos confortáveis com nosso corpo, independentemente de sua forma ou formato. Poucas mulheres podem alegremente se despir na frente de um homem, sabendo que elas serão classificadas de acordo com os padrões de beleza altamente divulgados que todos, homens ou mulheres, estão cientes de como estão espalhados em todas as paredes de nossas cidades, e em cada revista ou tela de TV.

Saber que nossas aparências serão julgadas e que, de alguma maneira, estamos nos vendendo destruiu nossa confiança e nosso prazer em nossos corpos. É por isso que, se somos magras ou gordas, com narizes finos ou largos, altas ou pequenas, todas odiamos nosso corpo. Nós odiamos porque estamos acostumadas a olhar do exterior, com os olhos dos homens que conhecemos e com o mercado de corpos em mente. Nós odiamos porque estamos acostumadas a pensar nisso como algo para vender, algo que se tornou quase independente de nós e que está sempre em um contador. Nós odiamos porque sabemos que depende muito disso.

Dependendo disso, podemos conseguir um bom ou mau emprego (no casamento ou trabalho fora de casa), podemos ganhar uma certa quantidade de poder social, alguma empresa para escapar da solidão que nos espera nesta sociedade. E nosso corpo pode se voltar contra nós, podemos engordar, ter rugas, envelhecer rápido, deixar as pessoas indiferentes a nós, perder nosso direito à intimidade, perder nossa chance de sermos tocadas ou abraçadas.

Em suma, estamos ocupadas demais performando, ocupadas demais agradando, com medo demais de fracassar, para aproveitar ao fazer amor. A noção de nosso valor está em jogo em toda relação sexual. É sempre um grande prazer se um homem diz que somos boas na cama, quer tenhamos gostado ou não; isso aumenta nossa sensação de poder, mesmo sabendo que depois disso ainda temos que lavar a louça.

Nunca nos é permitido esquecer a troca envolvida, porque nunca transcendemos a relação de valor em nossa relação de amor com um homem. “Quanto mais?” é a questão que rege nossa experiência de sexualidade. A maioria dos nossos encontros sexuais são gastos em cálculos. Nós suspiramos, soluçamos, ofegamos, pulamos e mergulhamos na cama, mas, enquanto isso, nossa mente continua calculando “quanto”: quanto de nós podemos dar antes de nos perdermos ou subestimarmos, quanto receberemos em troca.

Se é o nosso primeiro encontro, é quanto podemos permitir que ele consiga: ele pode ir até a nossa saia, abrir a nossa blusa, colocar os dedos sob o nosso sutiã? Em que ponto devemos dizer a ele para parar, com que intensidade devemos nos recusar? Quanto podemos lhe dizer que gostamos dele antes de começar a pensar que somos “baratas”? Mantenha o preço alto, essa é a regra, pelo menos a que aprendemos.

Se já estamos na cama, os cálculos tornam-se ainda mais complicados, porque também temos que calcular nossas chances de engravidar, de modo que, através dos suspiros, ofegos e outros espetáculos de paixão, tenhamos que esgotar rapidamente a programação do nosso período. Fingir prazer no ato sexual, na ausência de um orgasmo, é trabalho extra e difícil, porque quando você está fingindo você nunca sabe até onde você deve ir e você sempre acaba fazendo mais por medo de não fazer o suficiente.

Foi preciso muita luta e um salto em nosso poder social coletivo para finalmente admitir que nada estava acontecendo.