Image for post
Image for post

A ciência explica: por que gastar mais pode te fazer menos feliz

Lilian Byrro
Jan 30, 2017 · 3 min read

Preciso admitir: no final do ano passado, o blog esteve bem parado. Mas, felizmente, eu tenho um motivo muito justificável. Afinal, eu estava fazendo uma disciplina na pós-graduação da UFMG que tem tudo a ver com o blog: Economia e Finanças Comportamentais.

Essa linha de estudos busca entender como as pessoas se comportam ao tomar decisões de consumo, investimento, etc, e eu estou podendo vincular muito dos estudos com os assuntos aqui do blog. Hoje, eu vou falar de um desses aspectos.

O primeiro carro que tive foi um Palio. Na verdade, o carro era meu e da minha irmã, mas, depois que ela casou, ficou só para mim. Eu amava meu Palio, as outras pessoas não. Meu pai chamava meu carro de “estrupiçado”, minha mãe dizia que o carro já estava velho, mas eu amava meu carro mesmo assim.

Quando ele fez 10 aninhos de vida, decidi que estava na hora de trocar. Pesquisei e acabei comprando um Pólo, carro superior e que tem também me feito muito feliz e grata até agora.

Mas, quando penso sobre o próximo carro que vou adquirir, não passa na minha cabeça comprar um Palio, às vezes, nem um Pólo: considero que preciso comprar um carro superior.

Por quê?

É claro que tenho mil e uma justificativas para isso. Porém, tenho descoberto que parte da causa não está em uma razão justificável, está na tendência de trabalhar com um ponto de referência e de ter aversão à perda.

Image for post
Image for post

O que as finanças comportamentais tem descoberto é que a satisfação da pessoa com um consumo ou com sua riqueza não é proporcional ao nível absoluto de valor daquilo que ela possui, mas, sim, ao ponto de referência. Quando meu ponto de referência era não ter nenhum carro, o Palio era um ganho enorme e me fazia muito feliz.

Agora, como meu ponto de referência é o Pólo, o Palio parece uma perda.

E é aí que entra a aversão à perda, me fazendo sentir mal e sofrer com algo que de forma alguma é um problema.

Esse raciocínio é natural nas pessoas e, em parte, está relacionado com a vontade de avançar, melhorar, crescer e ir comprovando esse avanço ao longo da vida. As pessoas querem que seus salários aumentem ao longo do tempo, nunca que eles diminuam. Elas querem deixar o melhor para o final.

Mas, quando essa vontade vira uma obrigação, ela pode causar problemas para a sua vida e diminuir sua felicidade. Por isso, tenho pensado melhor sobre os “avanços" que insiro em meu padrão diário, refletindo no que ele vai me acarretar em termos de esforços e no que poderá acontecer caso eu não consiga mante-lo.

Colocar o ponto de referência no que é efetivamente necessário ao invés do capricho não te impede de avançar, mas te permite viver uma vida mais satisfeito e feliz.

Gostou do post? Já viveu uma situação similar? Conte-nos abaixo!

Inscreva-se aqui para receber mais dicas e reflexões sobre consumo e nos acompanhe também no instagram!

Finanças Pessoais

Para quem quer mandar no dinheiro e não o contrário.

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store