Fortalecimento de religiões na Câmara de Blumenau barra debates sobre gênero

Pesquisa em 10 escolas estaduais da cidade leva a crer que professores apoiam decisão dos vereadores que agora é questionada no STF

Por Eduardo Rocha e Evandro de Assis

Clique aqui e cadastre-se para receber um resumo da semana toda quinta-feira em seu email.

Blumenau oficializou recentemente as semanas Gospel e da Bíblia. Também o Dia Municipal da Marcha para Jesus, a ser celebrado neste domingo. Já tinha os dias de Oxum, da Escola Bíblica Dominical, da Umbanda, do Missionário e da Família. Não parece haver discriminação de credo entre os vereadores quando se trata de aprovar leis. Nos últimos dois anos, 11 projetos com fundo religioso foram aprovados pelo Legislativo.

Porém, tal diversidade não se observa quando o conceito de família tradicional está em pauta. Pior se a palavra “gênero” for mencionada. Aí, diferentes vertentes religiosas agem em sintonia.

Quase dois anos atrás, a Câmara vetou, no Plano Municipal de Educação, a abordagem de questões de gênero nas escolas municipais. Decisão que “guiou-se por perspectivas morais de fundo religioso”, segundo o Ministério Público Federal, que vê no texto uma afronta à Constituição. O assunto local virou exemplo nacional, e agora está na mesa de Rodrigo Janot e Edson Fachin.

À época, uma articulação entre diferentes igrejas promoveu caça ao “gênero” no Plano Municipal de Educação. Consta que até o termo “gênero alimentício”, ao tratar de merenda, foi excluído da lei. Caberia aos pais discutir sexualidade com crianças e adolescentes. Professores ficaram proibidos de tratar do assunto, ao menos em tese.

Professores rejeitam o tema nas escolas de Blumenau

Mas a questão parece ainda mais complexa, já que, considerando o que pensa boa parte dos professores blumenauenses, os políticos locais perdem tempo com a censura escolar. Uma pesquisa produzida pelo Núcleo de Estudos de Gênero e Sexualidade da Furb leva a crer que, dentre os educadores locais, sexualidade é assunto a ser tratado longe da sala de aula.

Conforme o estudo, que ouviu 105 professores de 10 escolas públicas no segundo semestre de 2015 (época da aprovação do Plano Municipal de Educação), 22,1% dos professores entendem que a religião deve se aliar ou até se impor às leis do Estado. Outros 35% entendem que Estado e igrejas devem ter convivência harmônica. Menos da metade concordam que governos e religiões não deveriam se misturar. Os profissionais ouvidos lecionam do 5º ao 9º ano da rede estadual de ensino de Blumenau.

“Fiquei assustado com os resultados. Para mim, os professores pensavam que a escola deveria providenciar uma educação autônoma”, avalia o professor Celso Kraemer, coordenador do Núcleo de Estudos de Gênero e Sexualidade da Furb.

Em outra pesquisa sobre a mesma temática, mais de 70% dos educadores entrevistados disseram que sexualidade é assunto para se tratar em casa, com os pais. Na escola, não.

“ A omissão da escola sobre as questões de gênero só favorece aos agressores e alimenta a ignorância que os torna fortes”.
Celso Kraemer

Os estudos identificaram ainda uma preferência dos educadores a posicionamentos políticos comuns ao espectro político da direita. Exemplo: sete de cada 10 professores acreditam que a redução da pobreza e a promoção da igualdade dependem da iniciativa de cada pessoa. O movimento Escola Sem Partido, por aqui, teria mais trabalho para encontrar doutrinação marxista.

Força política

O vereador mais votado de Blumenau nas últimas três eleições foi apoiado por igrejas pentecostais — Marcos da Rosa (2016 e 2012) e Jovino Cardoso Neto (2008). O vice-prefeito, Mario Hildebrandt, construiu carreira política a partir da luterana Missão Evangélica União Cristã. Católicos, luteranos e umbandistas também encontram representação no Legislativo.

Não por acaso, há duas semanas vereadores fizeram fila no microfone para apoiar o recolhimento de um livro que, para eles, faria apologia ao incesto. O assunto foi parar na revista Veja.

Ou seja, em junho Blumenau obteve destaque nacional duas vezes. Se isso é bom ou ruim, depende do que você pensa sobre a presença das religiões na política.

Eutanásia

Nenhum outro assunto desta semana causou mobilização igual à despertada pela eutanásia da cadelinha paraplégica Aline. O bichinho fugiu de casa e no mesmo dia acabou sacrificado pelo Centro de Prevenção e Recuperação de Animais Domésticos (Cepread). O choque da dona estendeu-se ao ambiente virtual.

Houve uma reunião oficial para tratar do caso e a conclusão é que o procedimento para sacrificar o animalzinho seguiu o protocolo adequado. Foi isso que a Associação de Proteção Animal de Blumenau (Aprablu) comunicou após a reunião, e recebeu uma enxurrada de reclamações no Facebook. Muitas agressivas.

Resultado: um grupo independente foi à prefeitura com faixas e cartazes pedindo representação na sindicância que vai apurar o caso.

Fio desencapado

Na semana passada o Fio informou que poucas ruas de Blumenau teriam aumento de velocidade. O Pancho mostrou que não é bem assim. Os dados, porém, reforçam a aposta nos 50 km/h como velocidade preferencial no trânsito urbano.

Curtas

A operação da Blumob começa dia 1º. O Cidade Plural resumiu o que muda no sistema de ônibus. O técnico de gestão da mobilidade Gustavo Campos Gatti critica: “nem tudo que é novo é moderno”.

O faturamento estimado da Blumob (Piracicabana) durante os 20 anos de contrato com o município é de R$ 1,8 bilhão. Carlos Tonet garimpou esta no Diário Oficial.

Um baita buraco na BR-470 (qual deles?) causou prejuízos em série. O Santa informa que já cobriram. Daquele jeito.

Essa é da RBS TV. O seu, o meu, o nosso vai pagar 43 toneladas de café para o Judiciário catarinense em 2017. Café, não. Café gourmet. Em 2012, eram 25 toneladas. Cafeína vicia, gente.

O cineasta Zeca Pires produziu um documentário sobre o nazismo em Blumenau. Do DC.

Fim de semana

Previsão é de chuvisco e friozinho pelo menos até domingo. A temperatura mínima fica em 13 ºC e a máxima não passa dos 23 ºC.

Hoje à noite tem Risoto do Bem na Vila Germânica.

Dois atores globais lançam livro sobre uma viagem na América do Sul amanhã no Neumarkt.

Guarde a manhã de sábado para conhecer a história de um dos bairros mais interessantes de Blumenau na Caminhada Cultural pelo Bom Retiro

…Ou então para a Caminhada no Parque São Francisco de Assis

Ainda não cansou? No domingo tem mais caminhada, a das Nascentes, na Nova Rússia.

Pessoal do futebol americano sabe fazer evento. Olha quanta coisa prepararam para a final do campeonato catarinense, domingo, no Sesi.

Para se programar

Os Paralamas do Sucesso vêm aí. Dia 30.

Estão à venda os ingressos para os shows dos 55 anos da Banda Municipal, no mês que vem.

E ainda:

O Fio é útil para você? O que falta? Estamos preparando mudanças para breve e o seu feedback é essencial. Comente aqui, no Facebook ou envie email para puxeofio@gmail.com

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Evandro de Assis’s story.