Fluxo Social

“Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma” 
(Antoine Lavoisier [1734–1794])

Energia, tudo se resume a isso, energia. A rotação dos astros, suas órbitas, as fusões e fissões nucleares, a decomposição do lixo, dos nossos corpos, a fotossíntese, a gravidade…

Tudo, realmente tudo, é energia em movimento, mesmo a maior pedra da montanha, por mais imóvel que possa parecer há energias agindo em constante movimento, a gravidade, pressão, erosão, alterações de temperatura e etc…

Fluxo simplesmente é uma síntese do sentido, amplitude, potência e frequência do movimento da energia das coisas.


Sociedade como fluxo

As muitas redes sociais que estamos inseridos tem seus próprios e únicos fluxos.

Quando nós nos sentimos “nadando contra a correnteza”, quase sempre é porque nossos valores e crenças não coincidem com os valores e crenças daquele grupo (rede social) e nossa natureza segue três caminhos possíveis:

  • Conformidade — nós nos adequamos à rede e agimos igual à rede aceitando e incorporando tais valores e crenças
  • Isolamento — nós nos recusamos a participar da rede nos separando e interagindo o mínimo possível, não nos importando com os outros e seus valores e crenças.
  • Resistência — nós nos sentimos incomodados com o valores e crenças da rede ao ponto de resistirmos, expondo nossos sentimentos na forma de rebeldia com a intenção de mudar os valores e crenças da rede para aqueles valores e crenças que nós acreditamos, gerando sempre um conflito.

A rede influência no comportamento do indivíduo mas o comportamento do indivíduo também influencia no fluxo da rede.

Para entender melhor o Fluxo de uma rede imagine uma correnteza marítima. Quando um indivíduo reage ao fluxo da rede em conformidade, o fluxo aumenta sua velocidade e mantem o mesmo sentido, quando o indivíduo reage com isolamento, o fluxo perde velocidade mas mantem o sentido, já quando o indivíduo reage com resistência o fluxo perde velocidade e é forçado a outro sentindo.

A sociedade, como toda rede, segue a mesma regra, então isso explica porque sempre antes de uma mudança de direção de uma sociedade, primeiro há uma apatia ou isolamento de grande parte da sociedade para depois haver uma revolução.

Outra característica importante de toda rede é que quando aproximadamente 10% dos indivíduos muda sua direção, aqueles indivíduos próximos que agem em conformidade e até parte daqueles que reagiam com isolamento acabam seguindo esses 10% resultando na mudança de sentido de toda a rede.

Uma imagem vale mais que mil palavras então veja o vídeo abaixo e entenda.

Esse comportamento caótico em certo momento da sociedade passou a ser regulado, por regras que foram absorvidas pela cultura, e depois transformadas em Leis até culminarmos em modelos de governos.

Tais regras são como obstáculos no caminho do fluxo que causam colisões e turbulência, ou pior, muitas vezes são como um corredor ou tubulação que impedem que o fluxo mude de sentido livremente, mantendo a forma e sentido da rede.

Não digo aqui que regras são desnecessárias ou que são algo ruim, pelo contrário, mas simplesmente demonstro que as regras impedem o livre fluir da sociedade, então elas devem ser constantemente requestionadas e repensadas e não simplesmente aceitas como se “a vida é assim”.


Sintomas (turbulência)

Sintoma é a manifestação incômoda de algo que existe, mas não é o que existe por si só. A febre é um sintoma de algo, uma infecção, uma virose ou outro mal qualquer ao corpo.

Se tratarmos o paciente somente com um anti térmico, baixarmos a febre mas o paciente morrerá.

Os conflitos sociais atuais ou históricos, sutis ou violentos, são todos sintomas provocados por turbulências no fluxo, são quando uma quantidade expressiva de indivíduos não conseguem expressar seus valores e crenças livremente e se rebelam incomodando toda a rede.

As principais mudanças sociais iniciaram como esses sintomas e depois evoluíram para um diagnóstico mais preciso que convenceu mais indivíduos até que uma mudança fosse feita.

Mudanças, bem ou mal sucedidas, muitas vezes de forma violenta (guerras) seguem o mesmo padrão, no caso da abolição dos escravos os quilombos e a guerra da secessão norte americana acabaram por serem bem sucedidas e mudaram o sentido de toda a rede mas ainda assim existe o racismo demonstrando que não toda a rede mudou o sentido.

Já na 2° guerra mundial o Nazismo perdeu e a rede não seguiu o sentido do nazismo, mas mesmo assim ainda existem nazistas nos dias de hoje.

Isso demonstra como a dinâmica das redes busca o livre fluxo e diversidade e nunca a uniformidade e linearidade, pois a rede é composta de infinitos indivíduos únicos e variáveis.

Percebam que sempre existirá indivíduos rebeldes que provocarão mudanças na direção do fluxo gerando conflito.

Mas quando tiramos os obstáculos ou limites que detêm o fluxo, menos conflitos e turbulência teremos pois oferecemos espaço para que seus valores e crenças sejam expressadas e até mesmo ignoradas.

Quanto mais regularmos ou tentamos impor valores e crenças, mais próximos ficam os indivíduos antagônicos, o que provoca conflitos mais violentos e até a impossibilidade de ignorar o que os desagrada.


Liberando o fluxo social

Intuitivamente nós já iniciamos essa revolução.

A internet e os celulares

Essas duas ferramentas unidas estão dia após dia removendo obstáculos que impedem o Fluxo Social.

Estão permitindo uma transparência maior entre pessoas, empresas e clientes, empregados e empregadores. Essa transparência representa mais fluidez da informação na rede.

As mídias sociais (Facebook, Tweeter, Whatsapp…) conectam cada vez mais as pessoas provocando o efeito de “encolhimento” da rede, aumentando as conexões de cada indivíduo e também a velocidade quase em tempo real das informações e opiniões.

Essa maior conectividade, velocidade e abrangência que o celular e internet estão nos proporcionando, está permitindo que, pro bem ou pro mal, indivíduos fluam pela rede de forma mais livre e dinâmica.

Obviamente nos chama atenção a cada dia, a Homofobia, a Xenofobia e tantas outras minorias “más” que acabam arrebanhando seguidores que acabam pipocando em posts em nossas redes sociais nos incomodando por ser tão antagônico aos nosso valores que acabamos tendo a impressão de que isso está aumentando.

Estar aumentando ou não, não é a questão importante de percebermos, mas sim de que com a liberação do fluxo, esses sintomas ficarão mais claros e visíveis, mas também influenciarão indivíduos da rede como também influencia um vídeo emocional de amor e ternura.

O erro que não podemos cometer é taxar os terroristas “lobos solitários” que são simpatizantes de terroristas como o mal em si, mas como sintoma da turbulência do fluxo, do conflito gerado pela colisão de valores e sentires.

A Fluxocracia com seu propósito de liberar o fluxo social trará a paz, uma vez que indivíduos com valores e sentires antagônicos à maioria da rede tenham ferramentas, processos e direitos que lhes permitam seguir seu sentido sem colidir com outros indivíduos.

Logicamente que conflitos existirão, mas em menor potência, violência e ruptura.