Ação da Gucci no Dia Internacional das Mulheres // Reprodução Instagram

Para as marcas, o tempo de ficar em cima do muro acabou.

Neutralidade política e social não é mais opção para estratégia de comunicação das empresas.

Marina Colerato
Mar 16, 2018 · 3 min read

Nesse último 8 de março, dediquei um tempo para checar o feed do Instagram de algumas marcas relevantes da moda — das grandes às pequenas e médias — para conferir o que elas estavam falando sobre o Dia Internacional das Mulheres. Elas estavam se posicionando? De qual forma? Elas usaram a data como forma de vender mais produtos ou como forma de engajar seus clientes e fãs em assuntos como violência, assédio e feminicídio?

Alguns dias depois, mais especificamente no dia 14 de março, a vereadora Marielle Franco, do Rio de Janeiro, foi executada com quatro tiros na cabeça. Marielle era uma importante defensora dos Direitos Humanos e seu assassinato mobilizou a sociedade não só na Internet, mas levou milhares de pessoas às ruas do Brasil pedindo justiça e se manifestando contra o silenciamento sofrido pela ativista e política. Lá estava eu, novamente, checando o posicionamento das marcas e como elas estavam abordando o tema — se é que estavam.

Um estudo americano recente chegou a conclusão que 66% dos consumidores querem ver as marcas se posicionando em relação a questões políticas e sociais, significando que o tempo de ficar em cima do muro acabou. Apesar de haver diferenças entre a percepção de conservadores e liberais frente ao assunto, ambos os grupos se mostraram mais suscetíveis a comprar de marcas que se posicionam e se manterem leais a ela. Cerca de 2/3 das pessoas entrevistadas para as pesquisas eram mulheres.

O estilista Prabal Gurung foi um dos muitos a levar o tema da imigração para a passarela em 2017. Na camiseta, os dizeres “eu sou um imigrante”.

A urgência de adotar um posicionamento frente às questões sociais e políticas bateu na porta da indústria da moda global com a eleição do atual presidente americano, Donald Trump. Até grandes designers levaram às passarelas e às mídias sociais mensagens de questionamento dos temas “abordados” pelo presidente como as políticas de imigração, mudanças climáticas e a construção do muro entre Estados Unidos e México.

No começo do mês, logo após um novo tiroteio em uma escola americana, a marca de luxo Gucci anunciou a doação de 500 mil dólares para o movimento March For Our Lives (“Marcha Para Nossas Vidas” em tradução literal), com passeatas agendadas no mundo inteiro para o dia 24/03, a principal delas em Washington D.C, em parceria com a organização Everytown fo Gun Safety. Em comunicado oficial a marca afirmou:

“Nós apoiamos o March For Our Lives e os estudantes corajosos em todo o país que exigem que suas vidas e segurança se tornem uma prioridade. Todos nós fomos impactados direta ou indiretamente por essas tragédias sem sentido”.

No Brasil, se manter alheio ao gritante índice de feminicídio no país, à desigualdade racial, ao silenciamento de lideranças ativistas e outras questões que tocam no cerne da sociedade brasileira deixará de ser estratégia e passará a ser motivo de desconfiança.

Se antes se manter neutro era a norma, hoje, num momento extremamente polarizado e os millennials com maior poder de compra, se manter na neutralidade é mais arriscado para a empresa do que assumir uma posição; pode parecer que a empresa só liga para dinheiro e não está atenta aos acontecimentos acometendo à sociedade. Além disso, o poder de alcance das marcas — e sua capacidade de gerar engajamento — fortalecem ainda mais seu poder de articulação e reforçam sua responsabilidade com os assuntos que tocam a vida dos seus consumidores.

Futuramoda

A change agency for the fashion industry.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store