NASA revela seus últimos planos para levar humanos até Marte

Por Redação

A missão para chegar ao planeta vermelho será conduzida em duas etapas

A corrida espacial tem acelerado muito desde que Elon Musk revelou seus planos para levar a humanidade até Marte e transformá-la em uma espécie interplanetária. Enquanto milhares de pessoas vibravam com a declaração do CEO da SpaceX nas redes sociais, a NASA publicou um artigo descrevendo seus planos mais recentes para chegar a Marte.

Apesar da descrição detalhada do projeto, a agência não recebeu tanta atenção da mídia — ao menos não como esperava. Um dos comentários recorrentes é de que a NASA acionou o departamento de publicidade devido ao clima político, já que recebeu subsídio do Governo dos Estados Unidos para levar humanos a Marte até 2033.

Seja qual for a razão, até mesmo pelo histórico da agência na exploração espacial, vale conhecer um pouco mais quais são seus últimos planos para levar os humanos ao planeta vermelho.

Os planos da NASA

Com a finalidade de explorar o espaço profundo e apoiar missões espaciais futuras de crescente complexidade, a NASA pretende construir uma infra-estrutura flexível, reutilizável e sustentável, que deverá durar décadas.

O plano será conduzido em duas fases, sendo a primeira fase exploratória e a segunda uma missão real para Marte. Ambas dependem, contudo, da abertura de uma “porta de entrada” na órbita lunar.

Primeira fase: Deep Space Gateway

A primeira fase do plano da NASA é construir uma pequena estação espacial orbitando a Lua. Denominada Deep Space Gateway (DSG), a estação deverá ser montada até 2025, ao longo de três voos.

O DSG poderá acomodar até quatro tripulantes em seu interior. Além disso, terá um módulo de propulsão, um módulo de habitação e, a princípio, uma câmara destinada a caminhadas espaciais.

Embora uma estação espacial na órbita lunar represente desafios significativos, o ambiente poderá oferecer à NASA grandes oportunidades de se preparar para missões de longa duração, reduzir falhas de percurso e evitar falhas técnicas nas aeronaves.

Segunda fase: Deep Space Transport

Uma vez instalado o DSG, ele se tornará um porto espacial para um veículo de tripulação chamado Deep Space Transport (DST). A NASA estima que essa aeronave será capaz de ir e voltar a Marte pelo menos três vezes. O DST pesará em torno de 41 toneladas métricas e a estimativa é colocá-lo em órbita lunar até 2027.

À esquerda, o Deep Space Gateway. À direita, o Deep Space Transport (Fonte: NASA)

Membros da NASA estão confiantes de que a agência está preparada para concretizar as duas fases da missão com êxito. O administrador associado da NASA Bill Gerstenmaier é, sem dúvida, um dos mais empolgados.

Não há nada que essa agência não possa fazer. Se você puder nos dar uma direção clara e recursos razoáveis, esta agência e sua base de contratantes farão o que você quer. — Bill Gerstenmaier

Durante a década de 2020, a NASA se concentrará em aprender a viver e trabalhar em órbita lunar. Com a experiência adquirida no período, partirá, então, a partir de 2030, com destino ao planeta vermelho.

Fonte: Futuro Exponencial

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.