Pesquisadores descobriram uma maneira de retardar o envelhecimento

Por Redação

Cada vez mais, a ciência está buscando derrotar a morte e garantir aos humanos a juventude eterna

A morte sempre foi considerada um tema tabu em nossa sociedade. As pessoas, de modo geral, evitam falar sobre a morte e envelhecimento, apesar de sua inevitabilidade. Mas nos últimos anos esse cenário está parecendo mudando. Hoje, uma minoria crescente de cientistas e pesquisadores está falando mais abertamente sobre o assunto.

Mais do que isso: cada vez mais os cientistas estão se convencendo de que o envelhecimento é um problema técnico que pode ser resolvido por uma solução técnica. Em sua obra Homo Deus (2017), o historiador Yuval Noah Harari sintetiza o problema da morte nos seguintes termos:

Humanos morrem devido a uma falha técnica. O coração para de bombear sangue. A artéria principal entope com depósitos de gordura. Células cancerosas espalham-se no fígado. Germes multiplicam-se nos pulmões. E de quem é a responsabilidade por todas essas falhas técnicas? Outros problemas técnicos. O coração para de bombar sangue por que não chega bastante oxigênio ao músculo cardíaco. Células cancerosas se espalham porque uma mutação genérica acidental reescreve suas instruções. Germes se instalaram nos meus pulmões porque alguém espirrou no metrô. Nada metafísico. Somente problemas técnicos. E todo problema técnico tem uma solução técnica. — Yuval Noah Harari

O gerontologista Aubrey de Grey e o inventor Ray Kurzweil acreditam que a morte pode ser interrompida ou, pelo menos, retardada. Na visão de ambos, qualquer pessoa que tenha um corpo saudável e uma conta bancária igualmente saudável terá em 2050 a chance de enganar a morte uma década por vez.

Com isso, a cada dez anos poderíamos ir até uma clínica e receber um tratamento inovador para curar doenças, regenerar tecidos e aumentar a eficácia de nossos sentidos. Na verdade, não seríamos imortais, mas amortais. Ainda poderíamos morrer em uma explosão ou acidente de trânsito, mas não mais teríamos “data de validade”.

Iniciativas como a Calico, empresa de biotecnologia com a missão declarada de combater o envelhecimento e as doenças a ele associadas, demonstram que a ciência está buscando derrotar a morte e garantir aos humanos a juventude eterna. O cofundador do PayPal, Peter Thiel, chegou a confessar que tem o desejo de viver para sempre:

Acredito que existem três modos de encarar [a morte]. Você pode aceitá-la, negá-la ou combatê-la. Nossa sociedade é dominada por pessoas que estão entre a negação e aceitação; eu prefiro combatê-la. — Peter Thiel

Um novo estudo sobre o envelhecimento

Um grupo de pesquisadores descobriu recentemente que as mitocôndrias exercem um papel fundamental no envelhecimento dos organismos. As conclusões foram publicadas na revista Aging, em estudo que envolveu pesquisadores da Lomonosov Moscow State University (Rússia) e da Stockholm University (Suécia).

Liderados pelo biólogo russo Vladimir Skulachev, os pesquisadores fizeram experimentos com ratos geneticamente modificados. Os animais foram introduzidos com uma única mutação em seu genoma. A mutação acabou acelerando substancialmente a mutagênese mitocondrial, levando ao envelhecimento acelerado dos ratos.

Ao invés de viver mais de dois anos, os ratos modificados viveram menos de um ano. Além disso, desenvolveram doenças e defeitos relacionados à idade, indicando claramente que foram causados ​​pelo envelhecimento.

Retardando o envelhecimento

Para retardar o envelhecimento, os pesquisadores trataram o grupo de ratos geneticamente modificados de 100 dias de idade com um novo composto sintético chamado SkQ1, um antioxidante artificial para “alvejar” as mitocôndrias.

O SkQ1 foi adicionado à água potável para uma parte dos ratos, enquanto outra parte dos animais (grupo de controle) recebeu água pura. As diferenças entre os dois grupos ficaram claras a partir dos 200–250 dias de idade.

Cada vez mais, a ciência está buscando derrotar a morte e garantir aos humanos a juventude eterna

Os animais do grupo de controle envelheceram rapidamente como esperado. Além disso, perderam peso, tiveram a temperatura corporal diminuída e grave curvatura da coluna vertebral (como resultado de osteoporose). Finalmente, sua mobilidade e consumo de oxigênio foram diminuídos — todos sinais de envelhecimento.

Por outro lado, todas estas características foram dramaticamente desaceleradas para os ratos que receberam o SkQ1. Alguns dos traços de envelhecimento sequer apareceram no grupo tratado com o antioxidante artificial.

Logo, os resultados do estudo mostram que as mitocôndrias realmente desempenham um papel fundamental no envelhecimento e que o composto SkQ1 pode trazer resultados significativos para enfrentar o problema.

Com esses resultados promissores, Skulachev agora está desenvolvendo um conjunto de produtos farmacêuticos baseados no SkQ1. Atualmente, os medicamentos estão em período de testes e ensaios clínicos na Rússia. Se tudo correr bem, os produtos poderão ser aprovados para uso público dentro de 3 anos.

O gerontologista Aubrey de Grey argumenta que, assim como as doenças, os sintomas do envelhecimento têm uma solução. Nós apenas ainda não os encontramos nem os aperfeiçoamos. Talvez o SkQ1 seja o primeiro de muitos passos para que possamos retardar o envelhecimento humano e, quem sabe no futuro, revertê-lo completamente.

Fonte: Futuro Exponencial