O risco de vida

Uma jovem está sentada num banquinho que tinha no meio de um parque, carregava consigo um jornal, que não imaginava que iria pegar alguma vez na sua vida, mas tinha uma notícia que estava chamando atenção à todos e era o assunto mais falado no momento, então estava curiosa para saber o que era. E abriu o seu jornal, com a notícia impactante à sua vista.

Era sobre o famoso fusca New Beetle. Tinha muitas fotos, todas eram horríveis, não pela falta de qualidade mas pelo fato de serem trágicas, o jornalista usou a famosa sua câmera Nikon FM3 para registrar tudo, o foco principal era sobre um acidente grave que aconteceu há um mês. Continuou lendo, intrigada com aquela notícia bombante.

Aconteceu em uma noite chuvosa, no meio da via rápida havia muitos cacos de vidro espalhados, podia-se ver três fuscas quebrados, amassados, inclusive uma delas era uma fusca pequena, o famoso New Beetle, aquelas inventadas para os filhos usarem e atrás dela havia um engarrafamento horrível. A criança que usou o novo carro, infelizmente não sobreviveu ao acidente. Foi a pior invenção que já criaram.

A fusca era para ser um momento de diversão, um brinquedo que as crianças pudessem acompanhar os seus pais, algo que fosse usado apenas na rua da casa, mas foram saindo do controle, pais compravam para os seus filhos e não se importavam com a segurança e perigo que podia trazer. Ninguém se importava com vários fuscas no meio da rua, e não viam o número de acidentes.

Na confusão podemos ver várias pessoas em volta, alguns tentavam ajudar as pessoas que sobreviveram naquele acidente de carro, mas não se importavam muito com a vida que se foi, fingiam que não havia acontecido nada naquele momento.

Até quando isso iria acontecer? Continuar seguindo a vida como nada tivesse acontecido e falando que a culpa foi da criança estar naquele exato momento? Pensem como humanos. São esses tipo de acidentes que está aumentando drasticamente.

A jovem abaixa o jornal e dá uma boa olhada à sua volta vendo muitas crianças estavam brincando, alguns jogavam bola no parque e outras meninas brincando de bonecas e se sente aliviada, agradecendo que nenhuma outra criança não irá mais morrer tão jovens ou de forma tão trágica.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.