Por mais mulheres empoderadas: contra a violência e o machismo

Os últimos meses têm sido chamados de Primavera Feminista, pois diversos movimentos de mulheres tomaram destaque nas lutas sociais no Brasil. Muito em razão das redes sociais, cada vez mais mulheres e meninas têm compartilhado conhecimento e informações, empoderando-se com suas vivências e experiências pessoais. Exemplos das recentes desconstruções são as campanhas feitas pelas hashtags #MeuPrimeiroAssédio e, hoje, #MeuAmigoSecreto, pelas quais as mulheres têm denunciado situações de machismo e misoginia vivenciadas.

Contudo, especialmente no dia 25 de novembro, Dia Internacional de Combate a Violência Contra as Mulheres, é preciso ressaltar que muitas mulheres foram e são silenciadas, não conseguindo ter acesso às campanhas protagonizadas nos últimos tempos. Mulheres trans, travestis, mulheres negras, mulheres putas e mulheres pobres são exemplos de intersecções sobre as quais, muitas vezes, recaem tamanha violência, que não há possibilidade de lutar pelas suas vidas.

Em um momento em que governos reduzem as políticas para as mulheres, tornando as redes de proteção ainda mais desarticuladas, o protagonismo feminino e a reflexão em ambientes públicos como as redes sociais ganham relevância. Que esse empoderamento chegue a todas as mulheres e engrandeçam a luta contra a violência, o machismo e a misoginia.

Para refletir

Publicado originalmente em: 25/11/15 23:21

Like what you read? Give G8-Generalizando a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.