Persona Gamer — Heitor Fabri

Persona Gamer — Toiço

Qual o seu nome? Quantos anos tem e que curso você faz? Por que o escolheu?

Heitor Fabri de Oliveira (Toiço), administração diurno. Escolhi administração porque desde pequeno gostava de vendas e com o tempo fui percebendo a capacidade que um gestor tem de mudar a vida das pessoas.

Você tem um estilo de game predileto? Quais jogos está jogando/costuma jogar sempre?

Então, sempre joguei FPS (CS, CoD, Battlefield) e jogos de corrida (NFS, Forza e Ride). Mas não consigo dizer ao certo de qual estilo gosto mais. O Counter-Strike me acompanha desde o 1.6 (apesar do tempo, não saio do ouro 3), acho que nunca fiquei um mês sem jogar sequer uma partida.

O que ser gamer significa para você? E o que um game significa para você?

Significa se dedicar àquilo que te diverte. Os games são um meio de entretenimento muito diversificado, há aqueles que se baseiam em um forte enredo, aqueles que focam em jogar com os amigos e por assim vai. Pra mim, os games compõem um pedaço fundamental da minha vida pois fizeram parte de várias amizades que já tive assim como de fases da vida pelas quais passei.

Qual a melhor experiência que teve com um jogo?

De cara pensei no CS mas teve um ano específico no qual joguei pouco CS, PORQUE ESTAVA JOGANDO CALL OF DUTY MODERN FUCK*NG WARFARE 3. Meu oitavo ano foi marcado pelo jogo, eu lembro até do cheiro da capinha do cd… Bons tempos… Acho que as experiências que tive jogando esse CoD foram as mais marcantes.

Se você fosse para uma ilha deserta com um console (PC, XBOX, PS, etc) e um jogo, quais seriam suas escolhas?

Levaria meu PC e Age of Empires III, já que por ser um simulador, poderia me proporcionar ainda mais horas de jogatina a mais do que já me proporcionou. Se bem analisado o jogo apresenta uma forte complexidade o que deixa o multiplayer ainda mais interessante (ah e os servidores continuam funcionando).

Qual a visão que você tem sobre o futuro no mundo dos games?

Sinceramente não faço ideia, o que me deixa animado, já que seja lá o que vier pela frente eu não estarei esperando. Mas percebo que há, sim, um crescimento nesse mercado. Fato que tem gerado uma maior produção de games nos últimos anos e maior adaptação ao mercado brasileiro, com dublagens e tals.

O que você costuma ouvir enquanto joga?

RAP. Desde quando conheci o som do Marcelo D2, uns 7 anos atrás, tenho ouvido alguma rima enquanto jogo. Com algumas exceções somente, como em jogos de estratégia, quando prefiro ouvir um jazz ou um chill hop. Apesar que em alguns jogos mais animados um Rage Against the Machine é insubstituível. Mas no geral, pra terminar, rap nacional até o sol raiar.

Alguma música em especial se destacou durante esses anos de jogatina?

Lavagem Cerebral (Gabriel, o Pensador) e Desabafo (Marcelo D2), me marcaram bastante porque foram uns dos primeiros RAP’s que conheci e desde então eles me acompanham durante a vida e, claro, os jogos.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Jhennifer Christine’s story.