Ab extra: os internautas como testemunhas

Usuários do Reddit encontram algo que pode mudar o caso mostrado na série-documentário “Making a Murderer”.

Ab extra vem do latim e significa literalmente “de fora”. Essa expressão é usada na advocacia norte-americana para indicar um elemento externo que pode ser fundamental para a resolução de um caso. Surpreendentemente, uma tarde de perguntas e respostas promovida pelas responsáveis pela nova produção da Netflix pode ter revelado algo interessante.

Foco de polêmica, o documentário dividido em 10 episódios conta a história de Steven Avery e suas batalhas judiciais. Após cumprir dezoito anos de prisão por um crime que não cometeu, o mesmo condado que o condenou sabendo que ele era inocente, acusa-o de matar a fotógrafa Teresa Halbach. Desde o lançamento da série no começo de dezembro do ano passado, um circo midiático teve início e não parece ter fim, pois o caso de homicídio ainda está em andamento.

Steven Avery entrou com um processo multimilionário contra o condado de Manitowoc pouco antes de ser acusado de homicídio. A acusação parece muito conveniente aos oficiais que estavam sendo investigados pela prisão equivocada de Avery décadas antes e também para o próprio condado que não teria o dinheiro para pagar a indenização.

Devido ao grande número de questões levantadas, as produtoras de “Making a Murderer” — Laura Ricciardi e Moira Demos — fizeram na tarde do dia 20 de janeiro uma sessão de perguntas e respostas no perfil da série no Twitter. Elas responderam a quase todas as perguntas enviadas, esclarecendo alguns rumores e dando a opinião delas sobre diversos pontos que vem sendo muito debatidos: a exclusão de determinadas provas que supostamente condenam Steven Avery, a mudança do depoimento de Jodi após o lançamento da série e a quase censura que o estado de Wisconsin impôs durante a produção.

O que elas não esperavam, e nem sequer comentaram, foi uma nova teoria que levanta uma questão muito relevante e convincente, surgida da análise de uma foto da vítima amplamente usada no documentário.

A foto emblemática de Teresa Halbach apresenta um elemento curioso

A chave de Teresa Halbach encontrada no quarto de Avery foi a primeira prova convincente de que ele era o culpado. Mas, como mostrado na série, existe certa incerteza sobre a legitimidade dessa prova que poderia ter sido plantada pelos próprios peritos para incriminar o réu. Essa dúvida pode aumentar ainda mais com um único detalhe percebido pelos usuários da rede social Reddit: apenas uma chave foi encontrada na suposta cena do crime; na foto, Halbach parece segurar duas.

A opinião do público com relação a inocência (ou não) de Steven Avery parece mudar constantemente, mas as produtoras com certeza conseguiram criar um debate fervoroso em cima do caso. Não se sabe se porque elas não comentaram uma teoria tão popular entre os que assistem o documentário. Talvez por cautela. É pouco provável que essa nova “evidência” chegue aos tribunais, mas, se chegar, poderíamos estar presenciando a primeira vez que a internet ajudou a solucionar um crime.

Se você é letrado no inglês, você pode conferir o Q&A completo das duas no Twitter e o debate da teoria no Reddit, é só clicar. Já “Making a Murderer” está disponível na Netflix.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gabriel Duarte’s story.