Cerrado: um item escondido no cardápio dos brasileiros

André Vasconcelos and Helen Burley

Parque Nacional Chapada das Mesas, foto: André Vasconcelos

A grande relevância do Brasil como exportador de commodities, como a soja por exemplo, pode ofuscar a importância de seu próprio mercado doméstico. Empresas internacionais que possuem compromissos de desmatamento zero estão buscando mecanismos para garantir que as suas cadeias de fornecimento não estejam associadas ao desmatamento. Mas as empresas que adquirem soja para a criação de frango e porco no Brasil estão expostas à riscos de desmatamento?

O novo relatório do Global Canopy revela que cerca de 40% da soja produzida em 2016 nos municípios com as maiores taxas de desmatamento no bioma Cerrado foi destinada ao mercado doméstico.

Como a soja vai parar na nossa mesa?

A soja é ligada a nossa alimentação principalmente através da proteína animal — incorporada na carne de frango, porco e bovina, bem como em derivados do leite. Cerca de 75% da soja processada no Brasil é transformada em farelo de soja, que é usado em quase sua totalidade para ração animal. Do restante, cerca de 20% é transformado em óleo de soja e usado principalmente na produção de biodiesel.

Apenas uma quantidade insignificante da soja é usada diretamente na nossa alimentação através de produtos como leite de soja, tofu, dentre outros.

O impacto do nosso consumo no desmatamento

Mais da metade da soja brasileira é produzida no bioma Cerrado, onde a produção da commodity cresceu rapidamente. De acordo com dados da Agrsotélite, a área de cultivo de soja expandiu 9,5 milhões de hectares entre 2000 e 2017, sendo que cerca de um terço dessa expansão ocorreu através de desmatamento.

Isso significa que a biodiversidade do Cerrado está pagando o preço da demanda por soja e carne (frango, suína e bovina) do Brasil e outros países.

A indústria da carne no Brasil é altamente concentrada — as três maiores empresas, JBS, BRF e Marfrig são responsáveis por 90% do comércio total. Mas, embora parte dessas empresas possuam políticas de sustentabilidade para o bioma amazônico, nenhuma delas possuem compromissos para a não aquisição de soja de áreas recém desmatadas no Cerrado.

O que pode ser feito?

Embora algumas empresas internacionais que importam soja do Brasil tenham assumido compromissos para eliminar o desmatamento de suas cadeias de fornecimento, as avaliações do ranking Forest 500 mostra que empresas que operam na indústria da carne no Brasil estão ficando para trás.

Para que os eforços para combater o desmatamento no Cerrado sejam bem sucedidos, é essencial que as empresas que abastecem o mercado doméstico brasileiro tomem medidas como: identificar potenciais riscos de desmatamento associados à suas cadeias de fornecimento; introduzir e implementar compromissos de desmatamento zero que incluam todos os tipos de vegetação nativa do bioma Cerrado.