Impacto.jor: uma coalizão para medir o impacto do jornalismo no Brasil

A disputa pela atenção do leitor tem colocado pressão nas redações pela produção de conteúdo que atraia cliques. Como isso afeta o jornalismo e como podemos ajudar?

O jornalismo de qualidade sempre teve um impacto positivo na sociedade, seja por meio da cobrança de prestação de contas daqueles que estão no poder, seja por meio de matérias que revelam questões de interesse público, informando o debate democrático. Mas há enormes desafios para entender, quantificar e comunicar essa influência positiva. Basta levantarmos algumas perguntas:

Quantos milhões de reais já foram economizados porque um jornal denunciou um esquema de desvio de dinheiro?
Quantas vezes o Ministério Público foi estimulado a apresentar denúncias que surgiram do trabalho jornalístico?
Quantas organizações sem fins lucrativos já receberam ajuda porque uma equipe de repórteres foi lá contar sua história?
De que forma as publicações estão envolvidas nos debates travados nas redes sociais?

Sabemos que o jornalismo é uma parte fundamental da democracia. Aqui no Google News Lab acreditamos que a credibilidade no jornalismo pode ser fortalecida se pudermos conhecer melhor seu impacto.

Quais mudanças acontecem à nossa volta depois que matérias jornalísticas são publicadas?

É por isso que estamos anunciando o Impacto.jor, uma parceria do Google News Lab com o Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (Projor) e cinco redações brasileiras: Folha de S.Paulo, Veja, Nexo Jornal, Gazeta do Povo e Nova Escola. Essas redações toparam o desafio de medir, acompanhar e entender melhor o impacto que elas causam à sociedade.

O Impacto.jor usará uma metodologia inspirada no trabalho das maiores ONGs de jornalismo investigativo dos Estados Unidos, dentre elas, The Marshall Project e ProPublica. O idealizador do projeto, o jornalista, desenvolvedor e pesquisador Pedro Burgos, passou dois anos nos Estados Unidos estudando como essas organizações medem o impacto na sociedade.

Na prática, é bem simples: cada redação terá acesso a um pequeno formulário para cadastrar informações sobre uma matéria. Por exemplo: depois da publicação da reportagem aconteceu alguma coisa? Qual seria o nível percebido de impacto daquela matéria?

As organizações fundadoras do Impacto.jor

Além do formulário, o Impacto.jor usa uma série de robôs que pegam informações disponíveis na rede que ajudam a “sugerir” novos impactos. Pelo painel de controle, editores podem ver quando algum político citou o veículo na tribuna da Câmara, se um influenciador digital compartilhou um link em redes sociais, ou se um blog copiou a reportagem, por exemplo.

As informações dos formulários farão a composição de um painel de controle com todos os impactos cadastrados, em união a dados de audiência e de redes sociais. O cruzamento dessas informações vai enriquecer a forma como o jornalismo é feito hoje nessas redações de algumas maneiras.

No formulário do Impacto.jor, editores e repórteres assinalam a relevância do impacto das matérias que publicaram

Pelo lado de conteúdo, equipes editoriais poderão medir o desempenho de seus repórteres também pelo impacto que eles causam. No lado de vendas, os times comerciais poderão desenvolver campanhas que colocam o impacto do jornalismo no centro da conversa. E no relacionamento com a audiência, leitores poderão enxergar de forma mais clara qual é o impacto que as publicações causam.

O Impacto.jor vai abrir a metodologia e a ferramenta para todas as redações, gratuitamente. A ferramenta que está em desenvolvimento terá uma licença livre, ou seja, qualquer organização poderá baixar o código e reutilizá-lo da forma que achar melhor. Por enquanto, estamos trabalhando intensamente para entender como esses recursos vão funcionar em diferentes cenários. Nos próximos meses anunciaremos como outras redações poderão fazer parte do Impacto.jor.

Inspiração

O projeto surge na esteira de um movimento liderado por publicações como o The New York Times para redefinir o sucesso do jornalismo. “A redação precisa entender mais claramente que visualizações de página são uma referência significativa, mas não levam necessariamente ao sucesso”, escreveu o jornal americano no seu relatório para 2020, publicado em janeiro. “As matérias de maior sucesso e as mais valiosas muitas vezes não são aquelas com um número grande de visualizações de página, ao contrário do que a maior parte da redação pressupõe.”

As palavras do New York Times foram corroboradas no dia 7 de junho por um estudo publicado pelo Centro Tow na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. A pesquisa mostrou que um número crescente de redações está apostando que o impacto — ou seja, uma mudança no status quo que foi resultado da intervenção provocada pelas redações — é crucial para a sustentabilidade de longo prazo.

“A prática de medir impacto começou com as ONGs como uma das exigências dos financiadores. Agora, empresas de jornalismo estão considerando que mostrar mudanças reais e positivas como resultado do seu trabalho jornalístico possibilitará um relacionamento mais profundo entre suas marcas e a audiência”
The Case for Media Impact, Tow Center

Esperamos que o Impacto.jor faça uma contribuição significativa para o fortalecimento da credibilidade do jornalismo no Brasil e para que as redações possam encontrar ferramentas e pontos de apoio para maximizarem seu impacto.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.