Fé e obras

“Meus irmãos, que vantagem há se alguém disser que tem fé e não tiver obras? Essa fé poderá salvá-lo? (…) Assim também a fé por si mesma é morta, se não tiver obras.” (Tiago 2:14, 17 — A21)

Qual o significado de FÉ para você? Pense um pouco. — Nós, que seguimos o evangelho de Jesus, cremos que somos completamente aceitos por Deus pela graça, por meio da fé em Cristo. Não precisamos realizar nenhum tipo de obra de caridade, nem precisamos obedecer aos mandamentos para que possamos ser aceitos por Deus. Não há nada em nós que mereça a salvação, é um presente gratuito. No entanto, o que fazemos com o texto de Tiago (acima), que aparentemente contradiz isso que acabei de dizer? Será que a salvação é pela fé mesmo, ou por obras?

Creio que o primeiro problema que temos é com o nosso conceito de fé. Não é nada fácil definir fé. — Tenho certeza que, se você é cristão há algum tempo, e alguém lhe pergunta “o que é fé?”, você responde de imediato citando Hebreus 11:1 — “Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos”. — O problema é que esse texto não ajuda muito. Você tem certeza que o entende bem? Aliás, o autor usa todo o restante do capítulo 11 para explicar o que é fé por meio de exemplos de pessoas que viveram pela fé. — Alguns dizem que fé é simplesmente “crer”. A maioria dos brasileiros afirma crer em Deus. Será que todos serão salvos? Os próprios demônios creem (Tg 2:19), tremem, e sabem quem é Jesus, mas isso não quer dizer que eles serão salvos. Não, fé não é só crer, não é algo simplesmente “cerebral” ou “emocional”.

A fé bíblica envolve confiança, conhecimento, fidelidade e ação. Na bíblia, FÉ e OBEDIÊNCIA são inseparáveis. A fé verdadeira nos leva à ação e às obras de misericórdia! No versículo acima, Tiago critica os que “dizem que tem fé”, ou seja, ele critica a falsa fé (a que parece, mas não é). A fé verdadeira FRUTIFICA através de obras de amor e de serviço a Deus e ao próximo! Agora você pode responder: Sua fé é verdadeira ou é aquela que parece, mas não é?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.