O Amor

“Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos. Perto está o Senhor.” (Filipenses 4:5 — NVI)

Nem sempre é fácil conviver. Todo relacionamento está sujeito a instabilidades e tempestades no decorrer do percurso. Quando menos se espera surgem diferenças, desavenças, crises e brigas. E isso acontece em todos os lugares, inclusive dentro das igrejas. Era o que estava acontecendo em Filipos, para onde Paulo estava escrevendo. Havia duas mulheres que aparentemente estavam em pé de guerra (Fp 4:2–3). Todos estamos sujeitos a isso, o próprio Paulo chegou a ter um sério desentendimento com seu companheiro de viagens, Barnabé (At 15:39). Você sabe bem como isso funciona. Creio que todos já passamos por situações em que um relacionamento ficou abalado. Isso acontece porque queremos ter sempre a razão, não admitimos estar errados e somos naturalmente egoístas.

Mas Paulo nos lembra de algo muito importante, que o próprio Jesus já havia ensinado: o AMOR. “Amem-se uns aos outros. Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros. Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros.” (Jo 13:34–35). Amor não é mero sentimento; não envolve afinidade ou merecimento. Aprendemos com Jesus que amor é decisão, sacrifício e doação. Se amor tivesse que ser “merecido” todos nós estaríamos perdidos, porque Jesus não teria como morrer por nós. Por isso que lá no começo da carta Paulo já tinha dito: “Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus …” (Fp 2:5). Nós temos um grande exemplo a seguir: Jesus. “Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou. Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito.” (Cl 3:13–14).

Que esse amor possa crescer e frutificar em nossas vidas, e que seja como uma marca, um sinal de que estamos caminhando com Jesus. Amém?