Páscoa — 4ª palavra da cruz

“Por volta das três horas da tarde, Jesus bradou em alta voz: ‘Eloí, Eloí, lamá sabactâni?’ que significa: ‘Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?’.” (Mateus 27:46 — NVI)

Pouco antes de morrer, Jesus experimenta algo que nunca havia experimentado até então. E não estou me referindo agora à dor física. — Certamente a morte de cruz era uma tortura terrível; nenhum de nós pode imaginar tamanho sofrimento corporal que Jesus suportou. — Mas neste momento, quando clama “Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?”, Jesus prova algo ainda pior: a perda de relacionamento com o Pai. Ele estava levando sobre si o castigo que eu e você merecemos por nosso pecado. — “Pois também Cristo sofreu pelos pecados uma vez por todas, o justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus.” (1 Pe 3:18) — “Cristo nos redimiu da maldição da lei quando se tornou maldição em nosso lugar.” (Gl 3:13) — “Ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados. (…) o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós.” (Is 53:5–6).

Deus não pode conviver com o pecado. E neste momento, na cruz, Jesus experimentou o abandono da parte de Deus por causa do nosso pecado. Uma situação ao mesmo tempo paradoxal e espantosa, que nunca poderemos compreender. — “Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus.” (2 Co 5:21). — Isso significa que Deus tratou Jesus como se os pecados do mundo fossem seus. O justo castigo pelos pecados de toda a humanidade, em todos os tempos, foi suportado por Cristo. Por isso, não há outro caminho para a salvação a não ser através de Jesus. — Ao mesmo tempo, a justiça de Cristo é colocada sobre todos os que entregam sua vida a ele. Por ele ter morrido, podemos nascer de novo. Por ele ter experimentado este abandono, podemos ter livre acesso a Deus. Esse é o evangelho!