Imagem: Apollonia Saintclair

Conto de fodas

A conveniência que me levava ao castelo da rua ao lado

Queria falar, mas não vou. Hoje não quero dar o braço a torcer, é isso ou a gente só se fala quem sabe daqui a mil anos, ou nunca mais.

Cadê? Tô esperando uma mensagem, uma carta, uma mísera chamada. Qualquer indício da tua vontade.

É só uma fagulha, eu só preciso de uma fagulha pra incendiar tudo. Parei pra pensar e cansei de ir sempre ao teu encontro como se só fosse conveniente a mim. Parei de puxar conversa pra não me sentir estúpida, como se estivesse sempre incomodando, sempre insistindo na mesma situação. 
Cansei desse jogo, de aturar tua síndrome de princesa Rapunzel.

Cansei de atravessar a floresta negra, enfrentar a madrasta, derrotar o dragão, escalar a torre e foder contigo a noite inteira. Eu me pergunto se é necessário essa coisa de precisar que o outro tome a iniciativa sempre. 
Por isso te deixei na torre e já faz quase nove dias que não dou nem sinal de fumaça, uma hora tu aparece quando precisar.

Só não sei se coloco a armadura e te enfrento ou se tiro tudo e foda-se.


Gostou do texto? Recomende! Me conta o que achou nos comentários. Leia também Me dispa com a escrita.

Faça com que essa publicação chegue a mais pessoas! Apareça! Adoro uma boa conversa. Como se diz aqui onde eu moro: “Se aprochegue, não se acanhe não!”.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.