Quando tudo vai bem e quando tudo vai mal

Ilustração por Bianca Brega

Quando tudo vai bem é a Régine Chassagne do Arcade Fire quem troca o relé do seu carro. Quando tudo vai bem até o balconista se recusa a vender mais uma coxinha com catupiry. Quando tudo vai bem até adiantam o frila. Quando tudo vai bem surgem três trabalhos no mesmo dia e você tem que aceitar só um deles.

… mas (odeio começar frases com um adversativo), às vezes, as coisas saem de controle.

Quando as coisas vão mal, você bate num carro importado. Quando as coisas vão mal, sua compra é R$ 100 acima do teu limite e você passa vergonha no caixa. Quando as coisas vão mal, o gatinho até posta foto com outra menina. Quando as coisas vão mal, roubam sua carteira e seus aparelhos eletrônicos sofrem uma pane geral no mesmo dia.

… mas (não me resta escapatória), às vezes, as coisas saem de controle para depois ficar tudo bem.

Quando você perde o elevador e ele trava com mais 15 pessoas às vésperas do Ano Novo. Ufa. Quando você esquece de solicitar o abono e a Caixa prorroga o prazo. Ufa. Quando você tem uma crise de asma, mas dorme e passa. Ufa. Quando você se entristece porque John Lennon não é do seu signo, mas lembra que o Raul Seixas pelo menos é. Ótimo.

… mas (que repetição), às vezes, é tudo uma loucura.

Quando tudo vai mais ou menos, você ajuda seu amigo numa carta-apresentação e o projeto dele é recusado. Quando tudo vai mais ou menos, sua amiga se muda para um destino paradisíaco e você não a visita porque o dinheiro acabou. Quando tudo vai mais ou menos o Sonic Youth acaba, mas a Kim Gordon lança um livro. Quando vai tudo mais ou menos, derrubam o governo corrupto e o golpista bota a chibata para estalar e você trabalhar 80 horas por semana.

As coisas só não ficam paradas.



Ilustração por Bianca Brega. Design por Gabriela Oliveira.

Para ler a segunda edição de Granada, clique aqui.

Estamos também no Facebook Twitter.


Colagem por Beatriz Brandão. Design por Gabriela Oliveira.

Quer ler a primeira edição? Clique aqui.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.