Em luta por permanência, estudantes da UNESP Bauru ocupam o campus. Confira carta aberta à comunidade

Os dois meses de greve da três categorias deixam marcados o descaso e descompromisso da direção local e estadual da Universidade Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Estudantes de Bauru fortalecem a luta.

Nesse próximo dia 2 de Agosto, estudantes da UNESP Bauru completam dois meses de movimento de greve. Diante o deflagrado descaso das direções e responsáveis administrativos pelo campus e a negligência do excelentíssimo reitor Durigan que nega qualquer tipo de diálogo, o movimento decide por ocupar o campus até que suas pautas mínimas sejam atendidas.

Os estudantes começam movimento de ocupação nos espaços destinados aos Centros e Diretórios acadêmicos nesse domingo, 31 de Julho de 2016.

Confira abaixo a Carta Aberta à comunidade elaborada pelo Comando de Greve de estudantes da UNESP Bauru.

“Há dois meses que nós, estudantes da UNESP Bauru, decidimos por entrar em greve como forma de protesto e luta contra os contínuos cortes de verba destinada às universidades públicas, os ataques a qualidade e caráter público do ensino e, principalmente, por medidas que possibilitem a permanência estudantil de todas e todos os estudantes com carência socioeconômica. São dois meses de luta, discussões e pressão em cima de uma direção que nega sua responsabilidade perante a comunidade acadêmica e de um reitor que afunda na lama um pouco mais a cada dia que passa essa universidade que deveria abrir cada vez mais suas portas ao invés de fechá-las.
Devido às 32 vagas na Moradia Estudantil (que corresponde à aproximadamente 0,53% dos alunos do Campus e que hoje já conta com uma superlotação de 56 estudantes), às 300 refeições do período único de almoço (que corresponde a apenas 5% da demanda do Campus) e à insuficiência de bolsas de auxílio para todos os alunos que solicitaram, a luta do Movimento Estudantil da UNESP Bauru visa garantir condições mínimas para que estudantes de baixa renda possam permanecer nessa universidade e ter condições de desenvolverem seus estudos e atividades extracurriculares. É válido ressaltar que esta situação — já de calamidade — tende a piorar nos próximos anos, uma vez que ingressantes por políticas de cotas na UNESP irão subir de 15% em 2014 para 50% em 2018, sem esforço algum da universidade em adequar as medidas de permanência estudantil para receber esses e essas estudantes.
As últimas três reuniões que tivemos com a direção acadêmica e administrativa desse campus foram uma grande vergonha, uma vez que as negociações combinadas não foram feitas e diversas pautas foram tratadas com descaso. Como exemplo recente, a abertura das salas “quarentas” para uso estudantil, combinado em nossa primeira reunião, não foi atendida e a direção mostrou desconhecer a pauta na última reunião. O que é pior: essas e todas as outras salas sem equipamentos já deviam estar abertas desde 2013 como ganho da greve estudantil na reunião do Grupo Administrativo do Campus realizada no dia 3 de setembro daquele ano. Além disso, constantemente a direção têm pressionado os estudantes excedentes da Moradia Estudantil a se justificar ou até mesmo a se retirar da casa, passando por um constrangimento causado pela própria gestão da Universidade.
Somando esses e outros tantos descasos e desculpas justificadas pela “crise” à relutância de diálogo por parte da Reitoria sobre as nossas reivindicações estaduais e locais, nossa Assembleia estudantil realizada em 29 de Julho delibera que neste 31 de Julho de 2016 a partir das 19h30 estamos e estaremos protestando em frente/dentro da UNESP Bauru e exigindo, por meio desta ocupação:
1. A abertura imediata e permanente das salas “quarentas” para uso livre estudantil;
2. A Moradia como prioridade no Plano Diretor do campus e a liberação de verba para construção imediata do segundo bloco conforme os padrões solicitados;
3. Liberação de verba para aumento imediato do número de refeições do Restaurante Universitário;
4. Contemplação das bolsas da Faculdade de Ciências (FC), que ainda não foram direcionadas aos que estão na lista de espera;
5. Não repressão aos estudantes.
Já são meses de muitas reuniões, assembleias estudantis, atos e grupos de discussão, e tanto descaso só deixa claro o quão necessário é fortalecermos a nossa luta e a mantermos enquanto nossas pautas não forem atendidas.
Esta ocupação é legítima. Uma vez que o poder público não tem cumprido com a sua função social, os estudantes avaliaram que suas pautas só serão atingidas por meio desta manifestação, sendo que o Conselho de Estudantes da UNESP Bauru reconhece que esta luta faz parte de um movimento estadual maior, contra o sucateamento do ensino superior público, de modo que muitas de nossas pautas contemplam outras unidades da UNESP.
Por políticas de permanência e contra a repressão do movimento estudantil, seguimos em luta!
Comando de Greve de Estudantes de Bauru
Bauru, 31 de Julho de 2016

Acompanhe mais informações na página oficial do Conselho aqui.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.