O dia que demiti minha empresa

Como 5 dias fora do escritório me mudaram, mudaram o rumo de meu negócio e para onde eu fui.

Isto não é um artigo, vou chamar isso de reality-book. Este é um livro que tem início como os outros. Mas só terá um fim se um dia eu desistir dos meus sonhos, ou a vida se cansar de mim.

Cláudio – MG, 23 de fevereiro de 2016.

Cláudio é o nome da minha cidade natal — e do aeroporto do Aécio também — é onde iniciei minha startup, no interior de Minas Gerais.

Fiz uma viagem de 4 dias à São Paulo, capital, passando 1 dia por Belo Horizonte. Retornei à Cláudio ontem à noite. Mas aquele Guima que foi não é mais o mesmo que voltou.

Antes de começar acho importante deixar uma dica pra você:

Saia! Tire a bunda da cadeira, respire novos ares, conheça novas pessoas, absorva novas ideias!

As oportunidades estão lá fora, tudo que você precisa fazer é ir atrás delas. Você verá que existem muitas oportunidades e elas aparecerão bem mais rápido que você pensa.

Como disse no início, isto não é um artigo, e sim um reality-book, que construirei no decorrer do desenvolvimento do meu negócio. Farei alguns flashbacks para você se contextualizar durante o texto.

Categorizarei este livro como Auto-Autoajuda. Pois ele será meu guia para o que fiz de certo e errado na minha busca de realização de um sonho.

Opine e comente! Sua opinião é muito importante.

Dentro da caixa é escuro. Estou abrindo minha caixa para você que está fora poder iluminar o que não consigo enxergar. A visão do outro é livre dos vícios de quem vê e vive diariamente aquilo.

Dando um fim para ter um novo início

Como o título diz, dia 23 de fevereiro de 2016 foi o dia que demiti minha empresa.

Este foi o dia seguinte à minha volta da viagem à São Paulo. Muita coisa aconteceu nestes 5 dias fora do escritório, muitas mudanças. Estas mudanças não permitiam que as coisas continuassem como estavam. A solução foi demitir a minha empresa, mas continuar com meu negócio.

Se você já demitiu alguém, ou já foi demitido, deve saber o quanto é duro isso. Mas te digo, dessa vez não foi. Eu fiz uma reunião, apresentei previamente os argumentos que eu precisava e simplesmente demiti todos, inclusive meu sócio.

Foi um alívio. Mas apenas um alívio momentâneo. Pois, como você deve saber, na vida as coisas não são tão fáceis assim. Você pode se livrar dos pesos em suas costas, mas não terá alívio imediato da dor causada por eles.

Querer não é poder. Ter o poder nem sempre é poder. O plano parecia perfeito, mas logo em seguida eu descobri que não poderia deixar os pesos ali, teria que carregá-los por pelo menos mais uma parte do caminho.

É exatamente esse caminho que contarei neste livro. Contarei porque eu tenho o poder, porque eu quero e porque eu não posso. Você acompanhará em tempo real o resultado dessa história.

Se vai dar certo, ou se fiz certo, só saberemos no futuro. Mas é o que parece certo agora.

Clique aqui para continuar lendo o Capítulo 01 — O dia da demissão.

Me siga no Medium para receber os novos capítulos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.