Sobre a disciplina

Eu acordo de manhã completamente disfuncional. Demoro algum tempo para pegar no tranco, caso não tenha nenhuma obrigação agendada. Se eu não tomar café, demora mais.

Ao longo do dia, tenho que conciliar a vida de pai, marido, eterno mestrando, minhas tentativas esporádicas de me enveredar pelas vias literárias, o trabalho como professor de filosofia e, agora, como coordenador, e a busca por dimensões superiores de existência. É muita coisa. Pra mim, é. Muitas vezes, algumas dessas coisas ficam comprometidas. Às vezes, todas elas ficam, pois o nosso mundo contemporâneo parece construído com o objetivo de nos afastar o máximo possível da excelência (areté), de sermos o melhor que podemos ser. E minha mente, com frequência perturbadora, se envereda por caminhos de procrastinação autodestrutiva, de recompensas e prazeres imediatos, que me distanciam de mim mesmo.

Assim, o que deveria ser disciplina, se torna preguiça e o que deveria ser motivação, se torna autoindulgência. Eu sei exatamente o que fazer. A disciplina mágica que eu tenho intenção de seguir se descortina perante mim e a sabedoria da Antiguidade me eleva a patamares mais altos, de maneira que eu possa vislumbrar meu Destino, lá longe, lá no final. Mas, como disse o Morpheus, “há uma diferença entre conhecer o Caminho e trilhar o Caminho”. Existe um tanto de Fé para que se trilhe esse caminho, porque há que se ter confiança na palavra dos Mestres quando eles dizem: “É pra lá”. Quem não consegue desenvolver essa confiança, rapidamente se desfaz desses ensinamentos, acusando-os de charlatanismo, de ingenuidade infantil, de sei lá mais o quê. Mas, de alguma maneira, meu envolvimento com Magia, e Ocultismo de uma maneira geral, vem de um sentimento interior de que há Razão nesse trajeto. De que caminhar nessa direção de fato liberta, eleva, nos transforma em pessoas melhores. Esse é, de fato, o caminho que leva à Iluminação. E ele foi atestado por várias pessoas que se dispuseram a seguí-lo, e elas nos dizem: “Venha, você também pode”.

De minha parte, já vivi intensamente essa disciplina, pelo menos por algum tempo. Sei dos benefícios que ela traz. Posso dizer que a Magia é responsável por me tornar uma pessoa melhor. Mas e se eu não houvesse trilhado esse caminho, senão outro? Não seria tão bom quanto sou hoje? Sei lá. Pode ser que sim, pode ser que eu chegasse onde estou por inúmeras outras vias: psicoterapia, biodanza, coaching… Mas a Magia foi o método que eu escolhi, ou talvez, aquele que me escolheu. É o que eu achei mais divertido e o que inunda minha existência de Sentido. E sei que ainda tenho muito a caminhar, não sou uma pessoa iluminada, senão apenas mais um buscador, como tantos outros. A perspectiva adequada, conforme aprendi, é a de que “não somos seres materiais buscando uma experiência espiritual, mas sim seres espirituais vivendo uma experiência material”.

Entretanto, viver na matéria é um grande desafio, tanto mais difícil quanto mais se compreende o que significa isso e o que está em jogo. Transcender a matéria somente se dá através da própria matéria, não de sua negação. A disciplina do trabalho mágico leva a essa compreensão, que é fundamental ao caminho, mas é fugidia. Se a disciplina esmorece, a consciência desvanece. E parece que, quanto mais o tempo passa, mais difícil fica manter a disciplina. Dura uma semana, duas, três… na seguinte, eu falho. Outras coisas entram na frente. Obrigações, responsabilidades, cansaço, a consciência perdida em pequenos prazeres inúteis feitos sob medida para roubar toda a nossa energia. Daí, quando percebo a armadilha, me forço a reiniciar. Começo de novo. Quantas vezes forem necessárias. Foi quando eu entendi uma coisa fundamental.

Deixar de meditar, de conduzir rituais, de desenvolver trabalhos mágicos, enfim… largar a disciplina por um tempo, não é falhar. Falhar é parar de fazer para sempre. Falhar é abandonar o Caminho. Na estrada para o desenvolvimento da disciplina, pular um dia ou dois — ou uma semana ou duas, que seja — não significa que eu fracassei, pelo contrário: faz parte do processo. Se eu já fosse uma pessoa disciplinada, não precisaria praticar a disciplina. Se já fosse uma pessoa iluminada, não precisaria buscar a Iluminação. Se a pressa é inimiga da perfeição, então a senda deve ser seguida com calma. Porque sentar na beira do caminho para descansar não é desistir do caminho. E eu não estou apostando corrida com ninguém. O outro extremo da autoindulgência é a cobrança excessiva que desmotiva. Para nos tornarmos pessoas melhores, o primeiro passo é sermos melhores conosco mesmos. Aliás, aprendi também que só se pode ser verdadeiramente honesto consigo mesmo. O resto é ilusão. Venho corroborando isso com o passar dos anos. Talvez seja assim também com você.

Dessa maneira, todas as vezes que me esforço para recomeçar, mesmo acreditando que possa ter jogado toda minha dedicação anterior no lixo, percebo que é ali que se encontra minha força. Quando a luz na fresta da janela bate dentro do meu olho, quando falta energia em casa e me vejo refletido na tela desligada da TV, quando a angústia da existência vazia começa a querer cobrar seu preço, aí eu me levanto e começo de novo. Esse é o meu maior sucesso.

No mais, não faz muito tempo, “recebi” um certificado como o abaixo. Apareceu pra mim na leitura do livro “O Manual do Messias”, de Richard Bach. Acredito que você possa tomá-lo também como seu. Está à disposição de todo mundo, na verdade.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.