Divã da pós

Comecei agora, mas já vou dar uns (5) conselhos.

Foto por Matt Evan no Unsplash

Se você der uma olhada no link do título, vai descobrir um monte de gente desabafando sobre suas dificuldades no dia-a-dia da pós-graduação e gente dando dicas pra ajudar os coleguinhas (Twitter, esse é o meu clube). Meu doutorado mal começou, mas já pude aprender alguma coisa sobre carreira acadêmica e gerenciamento pessoal que eu deveria ter colocado em prática lá no começo do mestrado. Inspirada nesse hábito tuítico (??!!), achei importante listar umas dicas aqui porque pode servir pra alguém (e também porque eu posso esquecer de tudo isso a qualquer momento hehe). Então você, calouro da pós, ouve aqui a tia Gracinha.

1. Trate sua pós-graduação como um emprego.

Esta talvez seja a estratégia mais importante que eu aprendi e que raramente eu vejo as pessoas colocando em prática. Você é um pesquisador, provavelmente recebe um salário proveniente do erário e pode ser considerado um servidor público, para todos os efeitos. Você já não tem direito trabalhista nenhum, então preze pela sua saúde e imponha limites sensatos à sua jornada de trabalho. Isso ajuda a organizar melhor seus objetivos, diminui a procrastinação, estimula a criatividade e acaba com o famoso “pós-graduando não tem vida”. Se organizar direitinho…

2. Respeite o ritmo do seu cérebro.

O lado legal das jornadas de trabalho em pós-graduação é que elas são bastante flexíveis. Isso é também um perigo, já que é muito fácil encaixar umas horinhas de trabalho onde você deveria estar cuidando de outras coisas. Use esta flexibilidade a seu favor. Tire algumas semanas para observar como o seu corpo funciona:
- Quantas horas de sono por dia você precisa pra passar o dia ~~pleno~?
- Quanto tempo você consegue se concentrar em uma tarefa ininterruptamente?
- Em qual horário você está mais atento?

Prestar atenção não é o nosso forte. ]=

Quando você souber essas respostas (que podem mudar ao longo do tempo), vai ficar mais fácil organizar a sua jornada de trabalho de modo a potencializar sua produtividade. E talvez você nem precise trabalhar 8h por dia!
Dica extra: use técnicas de gerenciamento do tempo. Comigo o Pomodoro funciona perfeitamente, justamente porque eu conheço o ritmo do meu cérebro. Começo com 20 minutos de concentração e 10 minutos de descanso e vou aumentando o tempo de concentração porque meu cérebro vai se acostumando aos poucos. Nos meus picos de concentração, que costumam acontecer por volta das 10h e no fim do dia, nem preciso mais do Pomodoro.

3. Poupe o máximo que você puder da sua renda mensal.

Cara, sério, engorde o seu porquinho. De verdade. Agora.
Eu sei que cada pessoa tem uma vida diferente, que bolsa de pós-graduação não dá pra nada, coisa e tal. Porém, considere pelo menos pensar nisso com regularidade, revisar seus gastos periodicamente e testar a hipótese de que não dá pra poupar nada. No mínimo, separe um tempinho para aprender sobre finanças pessoais e investimentos.
A pós-graduação é um período que mais exige preparo financeiro da nossa parte. Não temos emprego garantido quando terminamos, os cortes orçamentários do governo podem fazer as nossas bolsas sumirem ou atrasarem, às vezes temos que pagar por coisas da nossa pesquisa e temos que devolver tudo o que recebemos se não entregarmos a tese. E tudo pode acontecer até entregarmos a tese.

4. Documente tudo.

T-u-d-o. Leu um artigo? Ficha ele. Teve uma ideia? Anota ela. Foi pro campo? Fotos e vídeos. “Até da viagem?” — sim, até da viagem. Crie o hábito de anotar também as controvérsias dos seus experimentos e argumentos: hipóteses alternativas, possíveis interferências, resultados que contradizem os seus. Se você me conhece, sabe que vou falar dele, o magnífico, magnânimo, inigualável controle de versões. Largue tudo o que você está fazendo e implemente a reprodutibilidade na sua rotina agora.
Aprenda a usar Git, mantenha sempre uma planilha de metadados em cada pasta de dados, um arquivo “leia-me” que descreva a organização do seu diretório de trabalho. Tudo isso vai facilitar DEMAIS o seu trabalho, te encher de recursos para divulgar a sua pesquisa quando você precisar e garantir que você vai ter como comprovar tudo o que fez (seja em um artigo ou em um relatório para a agência de fomento).

5. Não resuma sua experiência na pós-graduação ao produto final.

Agora é a hora de você descobrir e exercitar todas as habilidades que você quer ter pelo resto da sua carreira. Não hesite em escrever projetos, buscar financiamentos pouco ortodoxos, orientar ou ajudar a orientar alunos, revisar trabalhos, organizar eventos… O produto final é uma consequência do cientista que você escolhe ser todos os dias. Ele acontece naturalmente. O que você faz além da sua dissertação é que torna você um profissional diferente, o que acaba sendo uma grande vantagem mais pra frente.


Eu sei que cada pessoa é uma pessoa. Novamente, minha intenção não é dizer como as coisas devem ser, por isso tome muito cuidado ao ler estas dicas: analise se elas servem pra você ou não. Tem épocas em que não dá mesmo pra trabalhar nos horários certos, poupar grana e exercer outras atividades. A pós-graduação é uma montanha-russa. Então não se cobre demais se não conseguir manter a organização todos os dias, ok? ❤