Hipnose poderia ajudar a reduzir o trauma psicológico associado com “craniotomia com o paciente acordado” para câncer no cérebro? Uma nova técnica chamada “hipnosedação” oferece uma nova alternativa para pacientes submetidos à cirurgia para gliomas, sugere um estudo na edição de janeiro da Neurosurgery, jornal oficial do Congress of Neurological Surgeons, publicado pela Wolters Kluwer.

Avaliação inicial mostra uma alta taxa de sucesso na utilização da hipnose em pacientes submetidos à “craniotomia acordada” para o câncer cerebral (glioma), conforme o relatório do Dr. Ilyess Zemmoura do Centro Hospitalar Universitário de Tours, França, e colegas. Eles acreditam que a hipnosedação pode ser especialmente valiosa em pacientes com mais cânceres cerebrais avançados.

Hipnose fornece sedação e relaxamento durante Cirurgia Acordada no Cérebro

Dr. Zemmoura e colegas avaliaram a sua técnica de hipnose em 37 pacientes submetidos à craniotomia acordada, principalmente para gliomas de baixo grau, entre 2011 e 2015. Em craniotomia acordada, o paciente está sedado, mas consciente de modo a ser capaz de se comunicar durante a operação. Isso ajuda o cirurgião a navegar com segurança até o tumor sem danificar o “córtex eloquente” — áreas críticas do cérebro envolvidas na linguagem ou movimento.

A preparação para a hipnose começou algumas semanas antes da cirurgia. O anestesista/hipnotizador reuniu-se com o paciente para realizar uma sessão de hipnose curta e ensinar o paciente como criar um “lugar seguro” — um lugar imaginário onde ele pode se sentir seguro e eficaz.

Na sala de cirurgia, os pacientes foram colocados em transe hipnótico; por exemplo, eles foram instruídos a “se deixar ir” e “separar a mente e o corpo”. A experiência hipnótica foi progressivamente aumentada durante os primeiros passos da cirurgia, incluindo instruções e imagens específicas para cada passo potencialmente desagradável ou doloroso da cirurgia.
 (A versão online do artigo inclui uma descrição detalhada e vídeo do procedimento hipnosedação.)

Os 37 pacientes foram submetidos a um total de 43 cirurgias com hipnosedação (incluindo cirurgias de repetição em pacientes com gliomas recorrentes). A hipnose falhou em seis pacientes, que foram submetidos à anestesia padrão. Outros dois pacientes decidiram não se submeter à hipnose.

A hipnose foi um método confiável e reprodutível para a cirurgia acordada; com a avaliação do questionário mostrou-se pouco ou nenhum impacto psicológico negativo. Ao invés de qualquer medida de susceptibilidade individual, o sucesso da hipnose parecia estar mais fortemente relacionada à motivação e determinação dos próprios pacientes.

A hipnosedação parecia reduzir o impacto de acontecimentos desagradáveis durante a cirurgia. Alguns pacientes relataram altos níveis de estresse, mas isso não pareceu afetar a sua experiência subjetiva de hipnose. Um paciente que apresentou sinais de Transtorno de Estresse Pós-Traumático após a cirurgia teve uma experiência particularmente boa com a hipnose.

Para os pacientes, as partes mais desagradáveis da cirurgia foram as etapas que envolvem o ruído e a vibração. A dor parecia diminuir à medida que o nível de hipnose se aprofundava. Apenas dois pacientes disseram que não escolheriam para passar por hipnosedação se tivessem que passar por uma segunda craniotomia acordada.

Uma vantagem importante da hipnosedação é que ela permite que o paciente permaneça acordado durante a cirurgia. Isso evita a necessidade de despertar o paciente no meio de uma anestesia padrão — o que pode ser especialmente difícil em pacientes com gliomas de alto grau. Os autores observam que tiveram sucesso com dois pacientes com gliomas de alto grau, utilizando a hipnosedação.

Embora a avaliação inicial seja encorajadora, o Dr. Zemmoura e seus colegas observam que isso não fornece nenhuma evidência de que a hipnosedação seja superior à anestesia padrão. Eles também enfatizam um investimento considerável de tempo e empenho necessários para preparar e levar a cabo a sua técnica de hipnose: “Ela exige envolvimento intenso e longo treinamento de toda a equipe, incluindo o paciente”.


“Hypnosis for Awake Surgery of Low-grade Gliomas: Description of the Method and Psychological Assessment”
Artigo: “Hypnosis for Awake Surgery of Low-grade Gliomas: Description of the Method and Psychological Assessment”
(doi: 10,1227/NEU.0000000000000993)

Sobre o Neurosurgery

Neurosurgery é o Jornal Oficial do Congresso de Cirurgiões Neurológicos, é a sua janela mais completa para o campo contemporâneo de neurocirurgia. Os assinantes e membros dos congressos e terceiros recebem 3.000 páginas por ano, embalados com a mais recente ciência, tecnologia e medicina, para não mencionar o acesso on-line completo para recursos mais completo do mundo da neurocirurgia, atualizado frequentemente. Para os profissionais conscientes do rápido ritmo da evolução no campo, Neurosurgery é nada menos do que indispensável.



Lembre-se também de comentar, recomendar este texto para outros leitores, (para isso, basta clicar/tocar no 💚 logo abaixo do texto), e compartilhar com seus amigos nas redes sociais! 😉

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.