Precisamos voltar a frequentar as bibliotecas

Conheça a Biblioteca Municipal Brito Broca, situada em Pirituba.

No mundo atual é possível ler um livro através de smartphone, computador, kindle entre tantos outros aparelhos, difícil mesmo é encontrar pessoas que frequentam as bibliotecas públicas.

Na cidade de São Paulo são 54 instituições espalhadas pelos bairros. Pensando na contemporaneidade, a biblioteca Brito Broca, situada em Pirituba, realiza diversas atividades além de emprestar livros. Foi o quintal da infância de muitas crianças dos anos 80 e faz parte da história do bairro.

Foto: Entrada da Biblioteca em 1970 — Reprodução.

— Na minha época quase todo mundo saia da aula e ia na Brito Broca estudar, sempre fez parte da nossa rotina escolar. Comenta Antonia Garbim, de 56 anos.

O primeiro impacto vem logo após a entrada.

Foto: Divulgação — Facebook Biblioteca Brito Broca
Foto: Divulgação — Facebook Biblioteca Brito Broca.

Um ambiente arejado faz com que você se sinta distante da correria do dia a dia, os livros estão perto de uma vista, privilegiada do Pico do Jaraguá, que te convida a sentar e realizar uma leitura imediatamente.

Além do acervo composto por aproximadamente 48 mil exemplares, a biblioteca possui em sua programação apresentações musicais, circo, teatro e oficinas de arte e história entre tantos outros serviços de utilidade pública, é possível se candidatar para se apresentar biblioteca a partir da inscrição em um edital quando aberto. A última oficina do mês de novembro foi sobre o combate às fake news.

— Atualmente, com a tecnologia em constante avanço, acredito que seja realmente difícil a biblioteca chamar a atenção dos jovens. Essa programação de eventos pode ser importante para atrair público do volta, é uma pena que não seja mais o destino dos estudantes na hora de estudar pois é um ambiente muito rico, abre a mente e os horizontes para pensar além, às vezes nem tudo que já está antigo precisa ser deixado de lado, podemos viver no mundo tecnológico e ao mesmo tempo aproveitar aquilo que vem do passado. Aponta dona Antonia.

O atual coordenador da biblioteca, Sandro Luiz Coelho, ressalta a relevância dos eventos em relação a frequência do público.

— Se você acessar o portal da prefeitura e entrar nos dados referente a biblioteca vai perceber que com os eventos, de 2016 até agora, o público vem aumentando.

Foto: Divulgção — Secretaria Municipal de Cultura.

Alguns do projetos que aconteceram na biblioteca em 2018

A oficina “Mulheres por si mesmas” abriu espaço para mulheres que residem ou trabalham em Pirituba, São Domingos e Jaraguá. Em encontros mensais visou temáticas diversas, incluindo direitos básicos, empoderamento, saúde, dentre outras que possam surgiram ao longo dos encontros.

Projeto “Sala do Compositor”, espaço cultural aberto para o diálogo, interação e expressão artística. A missão foi proporcionar para compositores e poetas um tempo de desenvolvimento e disseminamento de cultura, tendo como interesse o coletivo e o destaque do gênero musical samba.

Mensalmente também aconteceu diversas apresentações teatrais, circenses e contação de história para o público, e o planejamento para 2019 está a todo vapor.

Oficineiros

Independentemente de qualquer situação política, a prefeitura sempre está investindo em debates pertinentes. Em agosto deste ano foi aberto o credenciamento para oficineiros, ou seja, qualquer pessoa que queira propor uma oficina de cunho cultural nos ambientes da prefeitura. Uma boa parte das apresentações que acontecem na biblioteca são de parcerias.

Origem

A biblioteca infantil de Pirituba, já chamada Orígenes Lessa, foi inaugurada em 18 de março de 1965, mas não abriu as portas por falta de funcionários. Neste meio tempo foi criada a Administração Regional de Pirituba-Perus, a qual não tinha um local para se instalar e ocupou o mesmo prédio pertencente à biblioteca.

O público só começou a ser atendido efetivamente no dia 1º de março de 1971, quando a mesma foi instalada no andar térreo da Biblioteca Pública Brito Broca, que funcionava desde sua inauguração, em 4 de março de 1965.

Mesmo sendo um lugar de tantas histórias, a narrativa de sua origem ainda não é tão clara.

Broca

José Brito Broca, nascido em 1903, foi um crítico, ensaísta e jornalista literário, cronista para um jornal local de sua cidade Guaratinguetá, precisou se mudar para a capital após uma de suas crônicas ganhar repercussão e ele se tornar jornalista profissional. Com o pseudônimo Lauro Rosas escreveu para o jornal A Gazeta, logo após em 1931 é contratado pelo O Tempo mas, por conta da revolução constitucionalista, retorna para sua cidade natal.

Logo após, em 1935, retorna para a capital e depois se muda para o Rio de Janeiro, lá trabalhou em redações cariocas e lançou livros baseados em literatura francesa. Sua vida teve um fim inesperado quando ele foi vítima de atropelamento próximo à Praia de Botafogo, em 1961.

Acessibilidade

A biblioteca possui elevador para cadeirantes, além de um moderado acervo em Braile, além de possuir o óculos “OrCam MyEye”, criado por um empreendedor juntamente com um professor israelense, o aparelho possui a função de escanear e fotografar textos transformando-os em áudio, atendendo pessoas com deficiência visual, baixa visão, dislexia ou transtorno do déficit de atenção com hiperatividade.

Foto: Google. Av. Mutinga, 1425 Pirituba 05110–000 São Paulo.