O modelo afirmativo de gênero

Um experimento com nossas crianças

HNEB
HNEB
Feb 27, 2018 · 4 min read
Image for post
Image for post

Por Parents of ROGD kids

O princípio orientador do Movimento Transgênero é o Modelo Afirmativo de Gênero, que foi apresentado em 2013 no documento O Modelo Afirmativo de Género: O que Sabemos e o que Nós Visamos Aprender.

Este artigo foi escrito por oito médicos de algumas das instituições mais veneráveis dos Estados Unidos, incluindo Harvard, UCLA e UCSF. Esses médicos são considerados os “líderes do pensamento” do modelo afirmativo. Pode-se razoavelmente assumir que este artigo é uma descrição autorizada de sua teoria.

É um modelo simplista, tão mal escrito, citando estudos tão sem sentido, que se pode perguntar como ele pode se tornar o Padrão de Atendimento aceito. Quer dizer, até se dar conta de onde ele está vindo. Ele não evoluiu da teoria científica sólida, cuidadosamente testada seguindo as regras do método científico.

É ideologia política travestida de ciência. Pura e simples.

1. O tratamento proposto está em conflito com premissas básicas

“o gênero pode ser fluido e não é binário, tanto em um momento dado como ele pode mudar dentro de um indivíduo ao longo do tempo”

Eles afirmam claramente que o gênero pode ser fluido e pode mudar ao longo do tempo. No entanto, prescrevem bloqueadores de puberdade, hormônios e cirurgia, os quais criam mudanças permanentes, para tratar a disforia do gênero.

2. O modelo responsabiliza a sociedade pelos problemas da criança

“as variações de gênero não são transtornos … se houver patologia, ela decorre mais frequentemente de reações culturais (por exemplo, transfobia, homofobia, sexismo) e não dentro da criança”.

Em outras palavras, se a criança tem problemas, então é culpa da sociedade e a sociedade tem que mudar. Isso desencoraja a criança a examinar suas próprias questões emocionais e assumir a responsabilidade por seus problemas. Ele também ignora a miríade de outras causas conhecidas da disforia de gênero.

Não surpreendentemente, muitos pais observam que seus filhos podem se tornar extremamente narcisista quando decidem que são transgêneros.

3. O modelo vai contra o senso comum e a boa parentalidade.

“Nossos objetivos dentro deste modelo são ouvir a criança e decifrar … o que a criança está comunicando sobre identidade de gênero e expressões de gênero”.

Os especialistas do modelo afirmativo de gênero costumam parafrasear isso dizendo: “deixe seu filho ser o seu guia”. Dada a oportunidade, as crianças guiarão seus pais direto para o McDonalds a cada refeição, nunca levantarão da cama, se vestirão e irão à escola. No entanto, de acordo com este modelo, quando se trata de identidade de gênero, essas mesmas crianças estão de repente imbuídas de poderes, sabedoria e autoconhecimento típicos do mestre Yoda.

4. Os próprios autores admitem, eles não têm nenhuma prova de que este modelo é útil

“Embora o impacto no desenvolvimento de nossa abordagem ainda não tenha sido rigorosamente estudado …”

Este artigo foi escrito em 2013, e ainda não há provas conclusivas sobre se sua abordagem é útil para aliviar a disforia de gênero. Além disso, os autores deste modelo realmente não se importam.

5. O artigo conclui apresentando algumas perguntas seriamente preocupantes e sem resposta sobre o Modelo, mas os autores não têm dúvidas sobre implementá-lo independentemente disso.

“podemos … distinguir as crianças que não são conformes com o gênero que são transgêneros (daqueles que não são)?”

“Há algum dano psicológico causado se uma criança faz a transição de um gênero para outro e depois faz a transição de volta?”

“Quais são os resultados de receber (ou não receber) intervenções psicossociais ou médicas … que podem incluir tratamentos irreversíveis?”

“Há casos em que as crenças de uma criança sobre identidade de gênero podem ser confusas … e como podemos ajudar a explicar e balancear essas forças?”

Estas são questões vitais que devem ser respondidas ANTES de iniciar intervenções médicas invasivas e irreversíveis. Caso contrário, essas crianças correm o risco de graves danos psicológicos e físicos nas mãos de responsáveis.

No entanto, os autores não estão incomodados com essas questões, já que concluem alegremente seus artigos com a afirmação de que são guiados pelo juramento de suas profissões: “não prejudicar”.

Texto original: https://www.parentsofrogdkids.com/the-lie/

Parents of ROGD kids é um grupo de pais cujos filhos repentinamente — sem causa aparente — decidiram que se identificam fortemente com o sexo oposto e se encontram em diferentes estágios da transição. Este é um fenômeno novo que foi identificado recentemente. Os pesquisadores o estão chamando de Rapid-Onset Gender Dysphoria (ROGD), Disforia de Gênero de Surgimento Repentino em português, e é uma epidemia entre os nossos jovens mais vulneráveis.

Hormônio não é brinquedo

Movimento crítico à transição infantojuvenil

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store