Seja Ousado, Seja Humilde — Construindo uma Cultura Corporativa

Cultura é algo que pode ser guiado, mas não totalmente definido. É algo que é temporal, e que é constantemente modificado. No QEdu nós resolvemos estabelecer 5 valores pra começar a moldar nossa cultura, são eles: Confiança e Transparência (Trust and Transparency); Efetividade (Accountability); Aprendizado Constante (Lifelong Learning); Seja Ousado, seja Humilde (Be Bold, Be Humble); e Guiado por Dados (Data Driven). Nós tivemos várias influências pra escolher esses valores iniciais, dentre as quais eu posso citar a 500 Startups, Kanban e o Ben Horowitz.

Como são valores complexos, iniciamos um processo de debate onde cada um dos membros do time ficou responsável por falar sobre um valor. Eu fiquei responsável por falar sobre “Seja Ousado, Seja Humilde” e resolvi escrever este post explicando a importância desse valor e o que eu vejo como essencial nele.

Be Bold, Be Humble

"We’re about taking risks and making things happen: as individuals, as a team, and as a family. We should always think BIG and BIGGER about our strategies and our tactics." — Dave Mcclure

A principal influência pra definição desse valor foi a 500 Startups, que por sua vez se inspirou na Wikipedia. Esse valor traz duas palavras que podem parecer conflitantes, e por conta disso, é importante que sejam só um valor. Se assimiladas corretamente, pode-se ter uma boa base de entendimento de uma boa mentalidade de startup.

É comum ver startups sendo muito ousadas, mas sem nenhuma humildade, o que resulta muitas vezes em algo muito próximo a culturas ad hoc, surrealistas, e baseadas em empreendedorismo de auto-ajuda.

Por outro lado, é muito importante distinguir humildade de passividade. Já está bem claro a necessidade de resiliência pra um empreendedor. Passividade e falta de convicção levam a pouca resiliência, por isso é necessário entender como usar a humildade e construir confiança.

Dave Mcclure cita que em curto prazo esse valor pode ser traduzido em humildade e rigor analítico, e em longo prazo em audácia e inspiração criativa.

Seja Humilde

Trabalhar em uma startup em estágio inicial é ter um monte de ideias e uma visão que são, na maioria das vezes, saltos de fé, hipóteses não testadas, ou simplesmente "achismos". A humildade entra como fator-chave nesse contexto, pois achar que você sabe o essencial no início é ficar cego e acelerar pro abismo ou pro eterno caos.

Frase que so Stephen Hawking que eu roubei da parede da Jusbrasil

Humildade em startups pode se traduzir em alguns pontos, dentre eles:

  • Saber ouvir
  • Saber formalizar o pensamento
  • Saber formalizar os experimentos e os resultados
  • Criar um ambiente de alta colaboração e debate

Saber ouvir

Às vezes nós ficamos tão preocupados em defender nosso ponto de vista que paramos de ouvir. Saber ouvir não implica em modificar seu plano sempre, mas pensar sobre o que nos é dado como feedback. Não é fácil saber ouvir, e é um exercício constante não deixar que suas convicções e conhecimentos deixem você surdo e cego.

Uma das alternativas pra se ouvir melhor é tentar evitar o ímpeto da reação imediata, ou parar de trazer suas conclusões prévias na exposição de problemas ou oportunidades. Desta forma, você pode fazer isso posteriormente e tirar mais proveito do que foi lhe falado.

Entender técnicas como Comunicação não-violenta é uma outra forma bem interessante de evoluir nesse aspecto. Talvez você consiga entender mais as necessidades e sentimentos por trás de uma afirmação.

Formalização

É quase impossível receber feedback se isso escrito e formalizado, afinal, não estamos lhe dando com coisas triviais. Por exemplo, dar qualquer dica pra uma startup sem entender o contexto geral dela, por exemplo ver um Canvas, pode levá-la a seguir um caminho bem errado.

Além disso, quando você estrutura o conhecimento fica muito mais difícil deixar passar um salto de fé, você é guiado à gerar coerência se segue um modelo mais formal. Por exemplo, quando você usa um Business Model Canvas você é guiado à usar áreas que tem uma semântica atrelada, isso já força você a não criar um modelo sem nexo.

Outro ponto é sobre as conclusões precipitadas, tipo rodar um piloto em um, dois clientes e achar que já sabe tudo. Pra isso, ser formal em relação ao seu aprendizado é essencial. Por exemplo, saber a restrição de uma abordagem qualitativa, e que quase sempre ela vem primeiro que a quantitativa, provavelmente vai te ajudar a não se enganar ou enganar os outros com dados.

Ambiente aberto ao debate

Em startups não temos tempo pra ser políticos, temos que ser transparentes e abertos. Nesse contexto, é essencial um ambiente que incentive o debate independente de posição, hierarquia, "experiência", ou qualquer outra coisa. Tem que ser baseado em fatos e argumentos, o que parece óbvio, mas não é o padrão. Pra que isso aconteça, tem que haver humildade por todos, e tem que ser corporativo isso.

A cultura padrão em ambientes corporativos é a da não-crítica, todo mundo se elogia, e o tempo todo. Quando há crítica, ela vem de um chefe ou algo assim. Se não há espaço pra sinceridade, pra exposição dos problemas, não tem como se evoluir. Um ambiente humilde é um ambiente que usa isso e trabalha a evolução constante.


Por fim, é preciso deixar claro que não existe "experiência" em inovação. Não é porque você trabalhou 20 anos em bancos de investimento, ou porque tem o MBA em XXX Business School, que você é muito mais capaz de inovar do que outra pessoa que não tem. Depende de muitos fatores e é um processo mais parecido com o de pesquisa do que qualquer outra coisa. Afinal, estamos falando de empreendedorismo de alto nível e de capital de risco. Não existe uma forma segura, só existe uma forma menos arriscada.

Seja Ousado

Pra inovar é preciso ser audacioso, ter coragem, ser ousado! Isso não é uma coisa só dos fundadores e do CEO, tem que ser generalizada. Afinal, não são quaisquer pessoas que querem quebrar o status quo.

O primeiro ponto aqui é não punir a ousadia. É claro que a nova geração se bloqueia menos em relação à hierarquia, porém esse bloqueio ainda existe e vem de épocas passadas e cultura corporativa. É necessário acabar com isso.

De forma complementar, a incidência de aspectos políticos dentro de startups vão fazer as pessoas serem menos ousadas. Embora difícil, é necessário minimizar ao máximo a valorização política.

O relacionamento com investidores também é bem importante nesse sentido. Investidores corporativos e de private equity têm um comportamento específico por conta do estágio da empresa, mas quando estamos falando de angel, seed e venture capital é necessário que o time entenda que é ele que está no comando, não pessoas que estão fora do dia-a-dia da empresa. É preciso ter coragem.

Seja Agressivo

Meu conceito de ousadia e coragem foi atualizado quando eu vi um vídeo do Steve Blank durante o período que estive fazendo o curso dele. Ele falava que se você falar que não consegue entrevistas durante a semana do curso significa que você não está falando sério em empreender. Eu complemento que isso não deve ser somente coisa de fundador ou CEO, deve ser geral!

Não crie barreiras pra você mesmo, já existem muitas que vão aparecer e que você vai enfrentar, vide o post da Jusbrasil. O dinheiro vai complicar, o investidor vai intervir, o cenário econômico vai mudar, o conservadorismo da sua área de atuação vai te atrapalhar, o servidor vai cair, etc. Então você não precisa criar mais desculpas. Vai lá e muda!

Um exemplo de como não se bloquear é a dica do Steve Blank pra quebrar certas normais culturais. Se você faz algo mais agressivo e que não é muito apreciado culturalmente, diga que você é um empreendedor, que você aprendeu isso no USA, e que você se desculpa pelo que você está fazendo. Mas a única coisa que você não deve fazer é deixar as coisas como elas estão, ou desistir na primeira negação ou dificuldade.

A Implementação em uma Empresa

Sabemos que não é fácil implementar uma cultura, e que não é um ponto ou algumas frases que vão fazer isso acontecer. Além dos aspectos que eu já citei acima, apresento outros que podem contribuir na implementação desse valor:

  • Diversidade no time — Contratar pessoas críticas e inquietas
  • Menos hierarquia — Não permitir que isso sobreponha o conhecimento
  • Desenhar e incentivar bons debates — Todos devem expor suas opiniões
  • Saber ouvir as necessidades, problemas e oportunidades dos seus clientes
  • Colaborar e conhecer outras empresas/empreendedores, ouvir suas experiências e como eles têm executado

Traduções

Bold pode ser traduzido de diversas formas. Ousado, audacioso, corajoso, etc. Acredito que ousado seja um meio termo e o termo mais adequado.

Referências