But first…go get some coffee!

Português | Go to English Version

Não, não… Essa publicação não é apenas para contarmos histórias sobre datas comemorativas, mas esse dia, a Hyperlinks não poderia deixar passar.

Pra você que não faz a menor ideia de onde veio esta data, de onde o design brasileiro veio e pra onde vai. Este texto é pra você também!

Podemos dizer que lá pelas décadas de 1950 e 1960 o design começou a “engatinhar” no brasil, mas ainda não com as próprias pernas. Foi quando surgiu por exemplo, em 1963, a primeira associação de classe (Associação Brasileira de Desenhistas Industriais), bem como a primeira escola de formação de designers independente da arquitetura, a ESDI (Escola Superior de Design Industrial), em 1962 no Rio de Janeiro.

É importante mencionar que o “design brasileiro” sequer era nomeado assim, uma vez que ainda não tinha uma característica própria que o diferenciasse das clássicas escolas de Ulm e Bauhaus alemãs ou do design 3F (Fashion, Food, Furniture) italiano.

Como você pode ver ali em cima, o design “se criou” de certa forma, em meio a já estabelecida de longa data Arquitetura, e o “recém-badalado” design industrial.

Design industrial este, “casa” de Aloísio Magalhães, designer, artista plástico, advogado e planejador brasileiro. Homenageado por esta data (05 de novembro) instituída em 19 de outubro de 1998 por decreto, pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Entre os trabalhos de Aloísio, podemos destacar a identidade visual da Petrobras (recentemente alterada), o símbolo do IV centenário do Rio de Janeiro e as artes nas notas do cruzeiro novo. Trabalhos estes, que defendiam o resgate da memória artística e cultural brasileira através do conceito da “brasilidade” do design.

Uma homenagem merecida pra um dos principais designers da história do brasil.

Hoje, o design cresce exponencialmente, graças é claro, ao advento da internet (olha só o design digital aí). Mas ainda há muito caminho a ser trilhado.

Muitos designers brasileiros de grande renome inclusive, não são designers de formação; Os Irmãos Campana precisam ser citados, e entre eles está um advogado e um arquiteto.

O “design brasileiro”. Me utilizo das aspas pois ainda é assunto entre acadêmicos e designers se de fato existe um design puramente brasileiro. Mas discussão á parte…

É evidente que elementos como o tropicalismo e a cultura intensamente diversificada do país interferem diretamente nos resultados do design praticado aqui.

E é evidente também, o crescimento dos campos mais novos do design brasileiro, partindo da sua criatividade e inovação, esse profissional criado/crescido no século XXI aos poucos galga sua relevância no mercado tanto nacional como externo


Hey you! English down here, enjoy…

I know, seems like this publication is to tell date histories and origins, but isn’t. However, this specifically day, the Hyperlinks have to tell something about.

For you who have no idea from where this date came from, from where the “brazilian design” came from and where it goes to. This text is also for you!

We could say that around 1950s and 60s the design began to craw here in Brazil, but not with its own knees.

For example, was in 1963 when the first class association was created (Associação Brasileira de Desenhistas Industriais — The Brazilian Association of Industrial Designers), as well as the first school formating designers independent from the architecture, the ESDI (Escola Superior de Design Industrial — Higher college of Industrial Design), at 1962 in Rio de Janeiro.

It’s important to mention that the “brazilian design” wasn’t even called this way yet, because there was no “self-caracteristic” to differ it from the classics german schools of Ulm and Bauhaus or the 3F (Fashion, Food, Furniture) italian.

As you read up here, the design “made itself” in a way, in the middle of the (longed established) Architecture and the newly-trendy Industrial Design.

Industrial Design, which was “home” for Aloísio Magalhães, designer, artist, lawyer and brazilian projectist. Honored by this date (November 5th) established in October 19th, 1998 by the president Fernando Henrique Cardoso.

Between the works of Aloísio, we can highlight the visual identity of the Petrobras (Recently changed), the symbol of the Fourth Centenary of Rio de Janeiro and the arts printed on the “Cruzeiro Novo” currency. These works, who defended the rescue of the artistic and cultural memory of Brazil through the concept of the “Brazility of design”.

A well-deserved tribute for one of the most important brazilian designers.

Recently, the design been growing exponentialy, thanks of course, to the advent of internet (Digital Design alert here!). But there’s still much way to go.

Many brazilian renowned designers aren’t designers from formation. The “Irmãos Campana — Brothers Campana” NEED to be mentioned, between them there’s a lawyer and an architect.

The “brazilian design”. I used the quotation marks because it’s still a topic of debate in the academy and designers if in fact exist a design purely brazilian. But letting the debate aside…

It’s clear that elements like tropicalism and the highly diverse culture, interfere directly at results of design practiced here.

It’s also clear that, the growth of the new design fields in brazil, from its criativity and inovation, this professional raised at the twenty-first century gradually climbs its relevance in the national market as well as the international one.

We’re some of them! If you want to know better, come & Connect to Hyperlinks!