10 coisas que aprendi participando da minha primeira Game Jam

“…existe uma diferença entre CONHECER o caminho e TRILHAR o caminho.” — Morpheus, The Matrix (1999)

365 Indie Jam 2017 — Minha primeira jam!

Entre os dias 15 e 25 de setembro eu participei da minha primeira game jam, a 365 Indies Jam 2017, que foi a segunda edição da jam do canal 365 Indies.

Apesar de gostar muito de games, jogar há mais de 25 anos e ter feito um game no (não tão) saudoso Flash na graduação, nunca havia participado de um evento desses.

O tema da jam era “A morte é útil”, foi anunciado dia 14/09 às 20h, e a partir dai eu enfrentei meu medo e entrei de cabeça nessa aventura planejando como eu poderia desenvolver um game.

Anúncio do tema da Jam

E eu fiz um jogo, sim!

No último dia da jam eu tinha um jogo pronto e batizado de “A morte faz uns freelas” que concorreu com outros 100 títulos, sendo eleito o #25 melhor jogo da jam na votação.

As notas finais da votação em meu jogo

E Morpheus estava certo, que grande diferença existe entre saber como se faz um game e fazê-lo acontecer, mas no final esse evento foi uma experiência super positiva e cheia de grandes aprendizados.

Apesar de fazer quase dois meses que o projeto foi concluído e não ter tido tempo de escrever antes, ainda gostaria de compartilhar minha experiência e algumas coisas que aprendi nessa jornada:


O rascunho e o level design final da 3ª fase do game — Uma boa simplificação de tudo que gostaria de fazer para ficar pronto a tempo

1 — Deixe o medo e pensamentos negativos de lado

Não deixe que ideias como “E se eu não terminar meu jogo?” ou “E se ele ficar muito ruim?” tomem força na sua cabeça. Vença o medo e vai pra cima. Encare a jam como uma oportunidade de aprender a fazer algo diferente, melhorar suas habilidades, testar o que você consegue fazer, descobrir coisas para estudar e conhecer mais jogos legais feitos por gente que está lá participando com você.

Dessa vez consegui vencer vários medos que me impediram de participar de outras jams e foi incrível. Conforme o projeto foi tomando forma eu fui gostando mais e mais. Foi uma ótima chance para fazer algo totalmente novo.

2 — Use seus pontos fortes, principalmente se você está solo

É muito difícil fazer um jogo em um tempo tão curto e que seja excelente em todos os aspectos se você está fazendo ele sozinho, então aproveite seus conhecimentos em arte, música, programação, etc, para deixar seu projeto com sua cara.

Eu não conheço muito de programação, então fiz uma mecânica super simples de plataforma. Por outro lado tentei explorar ao máximo outras áreas que tenho um pouco mais de conhecimento, como design.

3 — Teste, teste de novo e, se possível, peça para outra pessoa testar

Quando você estiver desenvolvendo seu jogo, você irá testá-lo muitas vezes. Mas muitas mesmo. É preciso ver se tudo está funcionando como planejado. E ai é comum que você esteja tão imerso (ou que o tempo esteja curto) e alguns detalhes acabem passando desapercebido. Então, se possível, peça para amigos que estão fora do projeto testarem também. Eles terão um novo olhar e podem lhe dar dicas valiosas.

Eu consegui publicar meu jogo um pouquinho antes da jam terminar e alguns amigos testaram e me disseram que havia uma parte onde estavam ficando presos e tinham que reiniciar o game para sair de lá. Com esse feedback consegui corrigir essa falha ainda antes de terminar a jam.

4 — Faça seu jogo em inglês (ou tenha uma versão bilíngue)

Não há nada de errado em fazer um jogo totalmente em português mas, infelizmente, nossa língua não é uma das mais conhecidas do mundo. Se você quer atingir um publico ainda maior, será necessário fazer uma localização para inglês ou fazer seu game todo nessa língua desde o começo.

Eu comecei fazendo meu game em português e não tive tempo de criar uma localização em inglês para ele. Como resultado, frustrei algumas pessoas que tentaram jogá-lo, pois a história é fundamental para conectar as fases no meu jogo.

Nunca vou me cansar de me desculpar por isso. Sorry…

5 — Jogue os games que estão participando da jam

Uma das coisas fantásticas na jam é a variedade de ideias, mecânicas e histórias que surgem a partir do mesmo tema. Após finalizar seu projeto, jogue o game dos amigos e veja os caminhos completamente diferentes e muito interessantes que eles tomaram.

Além de me divertir com diversos outros jogos dessa jam, eu pude aprender bastante vendo o trabalho das outras pessoas.

6 — Depois de jogar, deixe comentários nos jogos das pessoas

E já que você está jogando o game dos amigos, não custa nada deixar seu comentário também. Escreva sobre o que você achou do jogo no geral e destaque os pontos que mais gostou. Assim como você, as pessoas trabalharam bastante para desenvolver o game e um comentário de alguém que jogou é a melhor recompensa nesse momento.

As pessoas também irão comentar no seu jogo, as vezes elogiando, as vezes com sugestões de melhoria. Lembre-se de responder esses comentários e que eles são valiosos, pois mostram como as pessoas de fora estão vendo seu jogo e onde você pode melhorar.

7 — Saia da zona de conforto e trabalhe outras áreas

Pegar um projeto desafiador assusta, mas também faz com que possamos sair da nossa zona de conforto para buscar de modo criativo como resolver o “problema” que estamos enfrentando com áreas que temos pouca familiaridade. Nunca é fácil, mas é um crescimento que faz bem.

Com essa jam finalmente produzi algo no Game Maker Studio. Comprei a licença em uma promoção há um tempo mas nunca havia trabalhado efetivamente nele por falta de tempo. Quando me comprometi a participar e entregar um jogo nessa jam, eu realmente fui estudar a ferramenta em (muitos) tutoriais e vídeos, saindo da minha zona de conforto e começando a aprender algo novo. No próximo projeto já estará um pouquinho mais fácil essa parte.

8 — As coisas são mais complexas do que parecem

É muito importante fazer um planejamento mínimo das atividades, pois, quando você colocar a mão na massa, vai ver que algo não está saindo como o esperado ou que vai demorar mais porque precisa ajustar uma outra coisa, ou fazer algo a mais, ou preparar mais uma uma coisa, etc…

Eu queria que no meu jogo o jogador pudesse executar mais movimentos e que as fases fossem maiores. Quando chegou na hora de fazer, vi que precisaria limitar muito mais as coisas para que eu conseguisse aprender como fazer, desenvolver e entregar no prazo. Tive que deixar para um próximo game.

9 — Feito é melhor que perfeito

Uma piada interna na jam acabou pegando e virou uma espécie de mantra para mim e algumas pessoas foi quando Kiliano Lopes, do 365 Indies, entrevistou Thiago Adamo sound designer, que disse a frase “Tá ótimo assim, vai assim” ao contar sobre como fez uma música para um jogo na jam passada.

E, realmente, é uma postura que fez toda a diferença para mim durante o desenvolvimento. Então, se já está ótimo do jeito que está e ainda tem outras coisas a serem feitas, vai assim.

Vídeo onde a filosofia do “Tá ótimo assim, vai assim” foi criada

10 — Apesar de difícil, tudo tem que ser muito divertido

De que valeria tanto tempo investido se não estivéssemos nos divertindo no processo? Se não está divertido fazer seu game, alguma coisa está bem errada.

Foram dois finais de semana intensos de trabalho para terminar o jogo abaixo. Dois finais de semana intensos MESMO. Cada dia eu trabalhei das 8h da manhã até as 21h escrevendo, desenhando, desenvolvendo, estudando, programando, testando, refazendo, corrigindo e planejando. Extremamente cansativo, mas sempre foi muito divertido e recompensador.


Por fim, gostaria de deixar um agradecimento à todos os amigos que apoiaram essa minha aventura, ao Kiliano Lopes e o grupo do 365 Indies pela ótima Jam e a todos que jogaram meu game. ❤

Jogue meu game, A Morte faz uns Freelas, online e gratuito aqui:

E caso você queira bater um papo sobre joguinhos, me procure no Twitter ou deixe seu comentário aqui. ;)