experimentar o caminho. #3

Olhos nos olhos, celular em modo avião, corpo e mente presentes. É assim que tento agir todas as vezes que saio pra passar tempo com alguém. Às vezes têm umas escapadelas. Não vou dizer que não. Mas acho que posso me sentir orgulhosa por elas não serem a maioria. Da última vez (uma das escapadelas) foi fotografar o café-da-tarde com uma amiga num bistrô novo da cidade, pra compartilhar no stories do instagram. Uma sensação estranha que me deixou desconfortável. Foi como se, pela primeira vez, as horas que passamos conversando sobre a vida ficassem reduzidas a simples fotos de macchiato, pão-de-queijo e decoração parisiense. Todos maravilhosos, mas que não expressam o que guardei daquele dia.

Eu sempre fotografei, antes mesmo das redes sociais, isso não é novidade pra mim. Gosto de fotografar pra guardar o momento, pra registrar algo bonito que eu vejo, pra experimentar o simples prazer de fotografar. A publicação é uma consequência. Sempre foi. Aliás, a maioria das fotos que eu faço não são publicadas. Mas, naquele momento, enquanto fotografava, estava pensando muito mais em como as fotos seriam recebidas do que em como elas estavam bonitas pra mim. Foram poucas as vezes que tive essa sensação, e não gostei. Eu sei quando estou fazendo algo só pelo objetivo final, e não porque estou curtindo muito fazer.

Foi aí que eu percebi que nossas experiências diárias não têm a ver com o que vamos fazer depois delas. Mas, apenas, com manter-se presente diante delas.

Não ter nenhuma grande história pra contar a respeito das coisas que se faz não é a moral da história da sua experiência.
A sua experiência é mais importante do que o resultado que ela gera.
O que significa que o importante não é obter um resultado, mas apenas experimentar a experiência (foi pra ser redundante mesmo).

Eu sei que não é sempre que conseguimos agir sem pretensões. Às vezes, nós colocamos tantas expectativas sobre o que vamos fazer daquilo, que esquecemos de só experimentar o caminho.

Você se sente assim? Eu me sinto.

Mas acho que hoje é um ótimo dia pra quebrar esse ciclo e retomar de onde você e eu paramos. Aí vão algumas sugestões:

Cozinhar uma comida diferente, arriscar uma roupa nova, ouvir uma música inédita de um cantor desconhecido, fazer qualquer besteira que você adora. Sem a menor pretensão de fazer algo daquilo. Sem registrar, sem compartilhar. Só fazer, só experimentar.

Quando a satisfação está apenas nisso,
é quando acontecem as melhores fotos.

.
.
.

Gostou desse texto? Clica no ♥ e deixe seu comentário!
Me acompanhe também em:
Instagram | Facebook | Twitter | Pinterest
E, pra ser avisado em primeira-mão:
Inscreva-se!