Jose Almeida
Jun 24 · 3 min read

Venda Complexa?

Atualmente vender é cada vez mais complexo.

Até aqui nada de novo, estará com certeza a pensar.

O que antes se fazia com duas ou três chamadas telefónicas e uma reunião hoje demora meses e meses até se chegar a uma decisão final.

É normal dizermos: “o processo está parado”, “não há meio de decidirem”, e por aí adiante.

Um dos principais erros que encontramos quando trabalhamos com as equipas nos processos de Formação e Coaching Comercial, onde temos a oportunidade de analisar a fundo o seu processo e método comercial, tem a ver com a falta de estratégia.

É vulgar continuarmos a olhar para uma venda complexa da mesma forma que para uma venda simples.

Uma venda complexa carece de uma estratégia de médio e longo prazo.

É necessário entendermos a realidade do processo e, tal e qual como numa guerra, estarmos preparados para vencer várias batalhas.

Um processo desta natureza poderia ser encarado como uma pirâmide com vários níveis que temos de atingir.

Chegar à base é normalmente simples.

Aqui é onde normalmente encontramos umas pessoas fantásticas, que adoram fazer reuniões por tudo e por nada, mas que também não nos trazem muito valor acrescentado para avançarmos no processo de decisão.

No entanto, podem ser auxiliares valiosos para entendermos bem a realidade da empresa e começarmos a preparar uma “proposta de valor” que permita aceder e vender aos níveis superiores o nosso produto ou serviço.

Como normalmente têm tempo, podemos investir bastante, criando relação e levantando as principais “dores” e cadeias de “dores”.

Dores? Cadeias de Dores?

Não se assuste.

Dores são os principais problemas que o seu cliente enfrenta e que o seu produto ou serviço pode solucionar.

“Cadeias de dores” tem a ver com a extensão vertical ou horizontal com que essa dor afeta a empresa do seu cliente.

Por exemplo, um problema na produção pode também ter impacto no departamento financeiro ou na área comercial.

Deste modo, quanto mais “cadeias de dores” o nosso produto ou serviço solucionar, maiores são as hipóteses de conseguirmos vender.

No primeiro nível da pirâmide trata-se, portanto, de criar relação e definir a forma de abordagem que teremos no nível acima.

Quando tivermos a certeza de que a nossa “proposta de valor” está bem defendida e que conseguimos explicitar a forma como podemos resolver as dores da empresa, está na altura de pedir ao nosso interlocutor que nos leve ao nível acima.

E perguntam bem, quem está no nível acima?

Normalmente o departamento que, de facto, pode lucrar com o nosso produto ou serviço e que está, de facto, a sofrer com os problemas que o nível inferior nos indicou.

Mas como são pessoas bastante ocupadas, quando lá chegamos já devemos ir bem preparados para não os fazer perder tempo.

Neste nível, o objetivo é validar se de facto a nossa “proposta de valor” se adequa, e afinar alguns pormenores que não tenhamos conseguido validar no nível inferior da pirâmide.

Assim que este nível estiver trabalhado, podemos então começar a caminhar para o topo da pirâmide, onde está normalmente o decisor.

Agora, se fizemos o nosso trabalho corretamente, temos já o envolvimento dos níveis inferiores da pirâmide e sabemos como é que através da nossa “proposta de valor” o nosso cliente pode solucionar as “dores” ou cadeias de dores na sua empresa.

Se possível, podemos até já ter montado uma ideia do “Retorno do Investimento” que o nosso produto ou serviço pode conseguir.

Assim, em três “simples” degraus, chegamos ao fecho do negócio.

O que aqui descrevemos de uma forma simplificada como sendo três simples degraus trata-se na realidade de um processo que pode demorar vários meses, consoante o tipo de produto ou solução.

Aqui há que ter uma estratégia definida para cada fase.

Quanto mais organizados formos em todas as fases, mais efetiva será a reutilização de toda a experiência que se vai acumulando nestes processos.

Esta semana pare um pouco.

Pense num ou dois processos de venda complexa que teve no passado.

Detalhe-os no papel, por fases, e analise o que funcionou ou não funcionou.

A ideia é começar a estruturar este processo, para que no futuro a nossa capacidade de resposta seja mais eficaz e as probabilidades de ganharmos os negócios muito superiores.

Experimente!

Vai ver que os processos futuros serão muito mais eficazes.


Originally published at Ideias e Desafios.

Jose Almeida

Written by

Sales and Negotiation, Trainer, Coach and Speaker. Author of several sales articles and books. Made his career in sales and leadership in several companies.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade