Que fazer quando a sua equipa não ganha?

Uma das questões a nível pessoal que mais problemas nos causam é o fenómeno das crises cíclicas.

Se recordar a sua vida, verá que esta situação também já ocorreu consigo.

Daí a expressão popular que “a vida é como os interruptores, umas vezes para cima, outras vezes para baixo”.

Se a memória não me falha, foi o Herman José que teve esta expressão aqui há uns anos.

De facto, quanto mais vivo e quanto mais lido com pessoas e empresas em formação, mais me convenço da veracidade desta afirmação.

Ora se este fenómeno é algo que acontece ciclicamente, como pais, mães, maridos, mulheres, profissionais, diretores, gestores, ou independentemente do seu papel na vida, saber gerir eficazmente as suas crises é algo fundamental para o seu sucesso.

Uma das coisas que pergunto às pessoas que frequentam o nosso Workshop de Liderança é “qual é a cor do seu para-quedas?”.

Gerir as crises que nos surgem assenta essencialmente em 3 fatores principais:

  1. Gerir o seu estado emocional
  2. Focar-se naquilo que pode fazer para resolver a situação
  3. Sempre que possível antecipar e planear as crises futuras

Se não conseguir parar para respirar fundo e agarrar o seu estado emocional imediatamente quando a crise surge, o provável é que entre numa situação de “bloqueio emocional” e não consiga andar nem para a frente, nem para trás.

Uma das técnicas que pode ajudar-nos nesta situação é a compreensão de como o cérebro funciona em termos de pensamentos.

Dado que a maioria das vezes apenas conseguimos focar-nos conscientemente num pensamento de cada vez e dado que os nossos pensamentos estão diretamente ligados ao estado de espírito que temos no momento, o truque aqui é focarmos naquilo que podemos resolver.

Pare, dê dois berros, deixe sair o vapor e depois ponha a si mesmo a seguinte questão:

Quais são as ações que posso tomar já para começar a caminhar em relação à saída desta crise?

Culpar os outros, ou as situações, ou o que quer que seja, não irá trazer valor acrescentado à saída da crise.

Focar-se nas coisas que são um dado adquirido e que não pode resolver também não ajuda nada.

Já lá diz o povo “o que lá vai, lá vai” ou “não adianta chorar sobre leite derramado”.

Por isso, a única coisa que faz sentido é, de facto, focar-se imediatamente naquilo que poderá fazer para resolver a situação.

Muitas pessoas, quando confrontadas com crises, passam a vida a lamentar-se e a chorar sobre as questões que não podem resolver.

Este é um dos maiores problemas destas situações.

Um dos fatores que separa um líder do resto das pessoas é a capacidade de manter a sua cabeça fria no momento e imediatamente tomar ações decisivas para tirar a sua empresa, a sua vida, ou a sua família, da crise.

Finalmente, se as crises são algo cíclico nas nossas vidas e cada vez mais à nossa volta estamos cientes disso, antecipar e planear é fundamental para o nosso bem-estar.

Pare um pouco e pense:

  • Que situações é que podem correr mal na minha vida?
  • Se perder o meu emprego, o que vou fazer?
  • Se adoecer, como lidarei com a situação?

Enfim, pense na maioria das coisas que podem correr mal e depois procure soluções antecipadamente para as resolver.

Se realizar este pequeno exercício, não conseguirá antecipar nem prever tudo.

Mas se conseguir prever 20 a 30 por cento que seja, já representa um grande alívio em termos futuros.

Quando a crise aparecer, poderá dizer para si:

“Já te tinha visto e já sei como lidar contigo!”

Será que irá ser mais fácil?

Provavelmente não.

Mas pelo menos já está no caminho certo para apontar soluções para resolver a situação.

Esta semana pare um pouco e pense em todas as coisas que podem correr mal e no que pode, de facto, realizar para as solucionar ou prevenir.

Originally published at Ideias e Desafios.

--

--

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store